terça-feira, 30 de outubro de 2012

Cinquenta tons mais escuros


Após descobrir um pouco mais sobre o lado obscuro de Christian, Anastasia rompe o relacionamento com ele e tenta se concentrar em seu novo emprego numa editora, mesmo com Sr. Grey ocupando cada pensamento dela. Então, quando ele a procura e propõe um novo acordo, mas leve que o anterior, ela não resiste e aceita voltar com ele. Ana vai descobrindo aos poucos mais detalhes sobre o passado de Christian enquanto ele tenta exorcizar seus demônios e viver esse romance intensamente.

A segunda parte do romance entre Anastasia e Christian Grey, começa exatamente onde terminou o primeiro livro; Ana deixou a casa da Grey e está sofrendo com essa decisão. Há dias não se alimenta ou dorme direito, e agora está trabalhando em uma pequena editora, mas faz tudo mecanicamente, apenas para passar o dia e chegar em casa para chorar e remoer seus sentimentos.

A exposição de fotos do seu amigo José está chegando, mas, em seu estado de torpor, ela nem se lembra  disso, até que Christian lhe manda um e-mail perguntado se ainda pode ir com ela. Uma pequena chama se acende no coração de Ana, mas ao mesmo tempo ela não quer encontrar com ele, sabendo que será uma tortura ficar perto do homem que ama, mas que não corresponde esse amor da mesma forma. Enfim ela cede, e eles vão juntos ao evento, onde Grey aproveita para começar a se desculpar e tentar a reconciliação. 

O presente que Christian dá para Anastasia ao deixá-la  em casa no final da noite é tão lindo que eu fico imaginando qual seria a minha reação se ganhasse algo parecido. A partir dali, não há como ela ficar mais longe dele, e a relação dos dois volta mais apimentada que nunca.

Nesse livro, começam a aparecer outros personagens, que vão dando mais dinâmica à história, e tornando a trama mais interessante que no primeiro, como por exemplo Jack, chefe de Ana na editora, que tenta seduzi-la desde o primeiro momento e Leila, a antiga submissa de Christian, que está perturbada mentalmente e volta para atormentar a vida de Ana. 

Há, sim, muito mais romance agora, mas também há suspense, perseguição e até situações extremamente perigosas, que os põe em risco de morte.

Diante dessas ameaças, Anastasia deixa de ser tão insossa e, em pelo menos duas ocasiões, mostra uma força e um auto-controle que até então seria impensável que ela possuísse. Nessas situações, ela estava sob pressão, acuada, correndo risco de ser atacada ou morta, e manteve a calma, pensando antes de tomar qualquer atitude precipitada e conseguindo se defender de forma surpreendente.

Aqui, vemos um Christian mais receptivo, mais aberto a novas experiências, e muito, mas muito mais apaixonado por Anastasia (ou seria apenas consciente de seu amor?). Ele está disposto a mudar todo o seu modo de vida para ficar com ela, do jeito que ela deseja, e assim acaba mostrando um lado dele que não conhecemos no primeiro livro. Sim, ele é capaz de amar e deixar suas práticas sexuais em segundo plano, para que Ana se sinta segura e consiga se entregar totalmente. Em alguns momentos ele se mostra, apesar da natureza de dominador, um pouco inseguro e carente, precisando de Ana em todos os momentos do seu dia. Entretanto, a protagonista ainda passa  boa parte do tempo perguntando sobre o passado dele, deixando-o, muitas vezes, irritado e frustrado, com medo de contar toda a verdade e perder a mulher que ama. 

Como em todo romance, nem tudo corre as mil maravilhas, e eles têm que se esforçar para ficar juntos no final. É um processo longo, que envolve o analista de Christian, e muita paciência do casal; ora eles brigam praticamente sem motivo, ora se amam loucamente. 

Enfim, essa segunda parte da trilogia tem mais romance, novos personagens que desafiam Christian e Anastasia e põem a prova seu relacionamento e a confiança mútua, e alguns segredos são revelados, que amarram algumas pontas soltas no primeiro volume, além de situações que ficam em aberto para o terceiro livro.

Eu já tinha gostado de "Cinquenta tons de cinza", e gostei ainda mais de "Cinquenta tons mais escuros", exatamente pelo enredo mais romântico desenhado por E.L.James. Para quem espera só sexo e BDSM, pode se decepcionar um pouco aqui, já que o relacionamento dos personagens fica mais intenso nesse livro. Além disso, o lado psicológico de Christian fica mais exposto, tornando-o mais sensível e cativante. 

Cinquenta tons mais escuros
E. L. James
485 páginas
Editora Intrínseca

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!