terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Filhos da Terra - resenha


"Filhos da Terra é um romance como poucos na literatura brasileira. A narrativa do personagem Iusfen conduz a leitura num ritmo crescente até o final. Os irmãos que se apaixonam pela mesma mulher, a moça tão bonita que precisa ser escondida dos olhos dos homens, o construtor perseguido pelo vento e o assassino míope formam histórias antológicas que se entrelaçam num épico memorável."

Ganhei esse livro do meu marido há uns 10 anos atrás, e já o li duas vezes. A estória é incrível e conta a dura vida de alguns imigrantes italianos que vieram para o sertão de São Paulo para trabalhar com café e, que, num momento tinham tudo, mas de repente não tinham mais nada. 

Iusfen é o mais novo de 9 irmãos, e seu pai, Mauro Marzo, tentando fugir da miséria que tomava conta da Itália no final do século 19, chega à terra prometida para o cultivo do café.

Ainda criança, Iusfen ouve de uma velha cigana, que ele acredita ser uma bruxa, que ele será o último de sua linhagem e sua família não deixará descendentes. Esse é o enigma que segue por todo o livro e que dá o tom mágico e romântico à estória. 

Thales consegue envolver o leitor com pequenas estórias paralelas, mas que são interligadas entre si, de cada irmão e de alguns personagens secundários que vão surgindo durante a narrativa, mas que também ganham a sua importância no desenvolvimento da trama. Apesar de o ritmo parecer lento, ele foi planejado para ser exatamente assim; com descrições minimalistas de lugares e pessoas, para que cada leitor se sinta parte daquela família e queira seguir até o final de sua leitura para saber como será o final de cada personagem, alguns heróis e outros nem tanto.

Os irmãos de Iusfen têm seu espaço e sua própria estória em desenvolvimento; aqui, acompanhamos cada passo da vida deles, crescemos e caímos junto com eles, torcendo e acreditando nos ideais de cada um. Guilherme, o filho mais velho, é advogado com ideais românticos que o deixam um tanto quanto deslocado no mundo sem lei em que vivem, e que acaba perdendo o amor de sua vida, Luisa, para o irmão e rival Geraldo, por força de um acordo entre as famílias. Geraldo é engenheiro e acredita ser perseguido pelo vento, que quer acabar com sua obra e sua felicidade. Mariana, a irmão tão linda que enlouquece os homens com sua beleza, se vê obrigada e entrar para um convento tentando fugir de sua maldição. As jovens irmãs Argia e Alzira são assediadas por um capataz no meio do cafezal e planejam matá-lo. Já Angelim, o irmão mais criativo da família e cria vários mecanismos para tornar mais fácil o trabalho no cafezal, se envolve numa confusão e acaba capturando um perigoso assassino míope, procurado pelo delegado da cidade. Ele vira herói e, como recompensa, ganha a confiança do delegado, que lhe permite frequentar sua casa e namorar uma de suas filhas. O único problema é que ele se apaixona pela irmã dela, e não sabe como resolver a situação sem trair ninguém.

Com tantos personagens passionais, vivendo intensamente suas vidas sem medo do futuro e sem saber para onde serão levados por suas experiências, nos sentimos muito próximos dessas pessoas, nos envolvemos com elas intensamente, torcendo para que seu final seja feliz. Isso deixa a narrativa ainda mais rica e interessante.

O autor revelou escrever esse livro inspirado pelas estórias que o avô lhe contava, e ele realmente lembra um pouco uma dessas fábulas que nossos avós nos contam na infância.

O livro tem alguns trechos cheios de significado, como pequenos conselhos, inseridos naturalmente sem deixar a narrativa com cara de auto-ajuda. Além disso, o final é uma metáfora do tempo, contundente, carregada de realismo e que nos faz pensar na nossa própria existência, ao mesmo tempo em que faz uma homenagem à literatura.

A leitura é envolvente e apaixonante, com forte presença da natureza, personagens marcantes com seus dramas psicológicos e seus caprichos, perfis psíquicos bem definidos, conflitos sociais e muito individualismo. Todos esses elementos formam uma narrativa mágica, que nos transporta da riqueza e da ostentação até a falência completa dessa família italiana, tão especial e tão comum, como as nossas próprias famílias.

Em seu blog, o autor fala sobre o longo processo que foi escrever esse livro, desde o primeiro momento em que começou a registrar as estórias contadas pelo avô, até finalizar a obra, anos depois. Lá também é possível ler ótimas crônicas e contos escritos por ele, além de conhecer seus outros livros. Clique aqui  para acessar o site.

Filhos da Terra
Thales Guaracy
Editora Mandarim
460 páginas

Um comentário:

  1. Não conhecia o livro.
    Parabéns pela resenha e pela dica!! Adorei!!

    Gostei muito de tudo, inclusive do seu blog. E já estou seguindo!!

    Desejo todo sucesso do mundo!!

    Bjkas

    Alessandra Tapias
    http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!