sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Sexta de música #13


Essa sexta de música vai ser um pouco diferente, mas bem igual, rsrs. Há tempos não posto nenhuma trilha sonora para os livros que estou lendo, e acreditem, sempre tem uma. Além disso, fui olhar minhas leituras no Skoob e descobri que li 8 livros esse ano, sem me dar conta. Por isso, achei interessante reunir todas essas leituras e escolher uma música (ou duas) que fosse a cara de cada livro e definisse bem o enredo ou o perfil do protagonista. 

Comecei bem 2013 com a leitura dessa maravilhosa estória. Se você quiser saber mais sobre ela, leia a resenha aqui.

O personagem principal de Marquez, que nunca tinha se apaixonado,  de repente se vê caído de amor por uma jovem que ele mal conhece, sequer sabe seu nome. E essa situação o atormenta, já que ele não sabe como agir. Ele tenta fugir, não pensar mais nela, mas não consegue.

Acho que o protagonista estava se sentindo um tanto quanto preso, com sua liberdade, que ele tanto prezara até então, cerceada, e por isso, a escolha da música "Unchain my heart", na linda voz de Hugh Laurie:



"... unchain my heart, baby let me be
unchain my heart, 'cause you don't care about me
I'm under your spell, like a man in a trance, baby
you know darn well that I don't stand a chance..."

"... liberte meu coração, querida deixe-me ser
liberte meu coração, porque você não se importa comigo
estou sob o seu feitiço como um homem em transe
mas eu conheço bem a maldição, não posso perder a chance..."


A leitura seguinte foi "Os insones", um universo totalmente diferente do abordado no livro anterior, porém, muito mais real e fascinante.

Para ler a resenha clique aqui.  

Os personagens têm perfis muito diferenciados, com características muito marcantes e todos eles são relevantes para a estória. Por falar sobre a violência, assunto muito atual e comum ao nosso dia a dia, não paravam de passar pela minha cabeça canções que criticassem a sociedade, ou a polícia, ou qualquer outra instituição dessas. Vez por outra, também lembrava de algum funk, mas deixa pra lá, rs. A música escolhida retrata bem as a ideologia do personagem principal e resume seu sentimento de estar lutando sozinho contra algo que, a certa altura, nem ele sabia mais o que era.


"... killing in the name of!
and now you do what told ya
now you're under control
fuck you, I wont do what they tell me.."

"... matando em nome de!
e agora você faz o que te disseram
agora você está sob controle
foda-se eu não vou fazer o que você me diz..."


Logo depois de um autor contemporâneo encarei um clássico, e reli o drama romântico de Catherine e Heatcliff, que já tinha lido há algum tempo atrás mas não tinha gostado, talvez por não ser o momento certo, e eu não consegui entrar em sintonia com a estória, não me identifiquei com a trama e acabei dizendo por aí que o livro era chato demais. Eis que, durante as aulas de Literatura de Língua Inglesa, acabamos estudando a fundo esse romance, analisando seus personagens e os motivos que os leva a agir de forma tão extrema, o tempo todo, seja amando demais ou odiando na mesma proporção. E a estória sorriu para mim: acabei gostando muito do livro e o indico para todo mundo que conheço.

Apesar de ainda não ter postado ainda a resenha, já falei sobre ele aqui e aqui,  onde já citei a música feita especialmente para a trilha sonora do filme, da Kate Bush, mas, além dela, consegui escolher outra que eu achei combinar perfeitamente com o clima de romance e drama desse clássico.


"Quem inventou o amor?
me explica por favor...
vem e me diz o que aconteceu
faz de conta que passou...
Daqui vejo seu descanso
perto do seu travesseiro
depois quero ver se acerto
dos dois quem acorda primeiro...
Enquanto a vida vai e vem
você procura achar alguém
que um dia possa lhe dizer
quero ficar só com você
quem invetou o amor?
me explica por favor
quem invetou o amor?
me explica por favor..."


Li "Feios" em janeiro e postei a resenha aqui.  No começo eu pensava: "esse futuro narrado aqui é um absurdo!", mas depois comecei a acreditar que não era tanto assim. Nós não vivemos mesmo num mundo totalmente individualista em que o que vale é o exterior, e não o que a pessoa tem por dentro? Ao longo da leitura você acaba refletindo sobre algumas atitudes e percebe que, apesar de parecer cruel a forma como vivem na época criada pelo autor, ela não é de todo ruim, já que vivem em uma sociedade muito organizada, onde cada um sabe o seu lugar, e, apesar de só os perfeitos terem valor, isso acaba não prevalecendo muito, já que todo mundo acaba virando perfeito. Atualmente já não é assim? Quanto mais bonita a pessoa, mais as portas se abre para ela?

Enfim, a intenção aqui não é comentar o livro, mas sim, envolver a leitura numa música que tenha tudo a ver com o enredo, e tenho certeza de que, quem já leu esse livro vai entender a minha escolha:


"Follow through
make your dreams come true
don't give up the fight
you will be alright
'cause there's no one like you
in the universe

don't be afraide
of what you're mind conceals
you should make a stand
stad up for what you believe
and tonight we can truly say
togheter we're invencible..."

"Vá em frente
faça nossos sonhos se realizarem
não desista da luta
você ficará bem
porque não há ninguém como você
no universo

"Não tenha medo
do que a sua mente esconde
você deveria resistir
resistir pelo que você acredita
e essa noite nós poderemos verdadeiramente dizer
que juntos, somos invencíveis..."


"Cabra-cega" é um livro que ganhei numa promoção do blog "Enquanto escrevo um livro" e outros blogs parceiros, e, quando o recebi, já li rapidinho por ele ser curtinho e fácil de ler. Também teve resenha que pode ser lida aqui.  E por seu conteúdo permeado de sofrimento e medo, acho que a trilha tem que ser bem dramática também, por isso, "Lullaby", com seus sussurros e melodia taciturna, capaz de assombrar até o marido doente da protagonista:


"... searching out fear in the gathering gloom...
quietly he laughs and shaking his head
creeps closer now, closer to the foot of the bed
and softer than shadow and quicker than flies
his arms are all around me and his tongue in my eyes...

"... buscando pelo medo em sua triste colheita...
calmamente ele sorri balançando a cabeça
vem rastejando bem próximo agora, perto do pé da cama
e mais vagaroso que a sombra e mais rápido que uma mosca
seus braços me agarram e passa a língua em meus olhos..."


Minha próxima leitura foi a continuação de "Feios": "Perfeitos", com resenha já postada aqui. Assim como o primeiro livro, esse é utópico e nos faz pensar sobre nossas próprios valores enquanto acompanhamos o crescimento da protagonista. Tally é ousada e atrai todo tipo de problema, cheguei a pensar que ela é a reencarnação do McGyver! Mas apesar de tantas enrascadas, ela vai se arranjando, com muita coragem e determinação.

Várias músicas poderiam combinar com seu espírito aventureiro, mas escolhi uma que reflete não apenas o que ela sente, mas toda a trama desse livro.


"You can't go home, no I swear you never can
you can walk a milion miles and get nowhere
I got nowhere to go and it seems I came back
just filing in the lines for the holes and the cracks..."

"Você não pode ir para casa, não, eu juro que você nunca poderá
você pode andar um milhão de milhas e chegar em nenhum lugar
eu tenho para onde ir e parece que eu voltei
apenas preenchendo as linhas dos buracos e das fendas..."


Em seguida li "Os espiões", do Luis Fernando Veríssimo: brilhante! Ainda não postei a resenha, mas falei sobre ele no post "Li até a página 100 e...", que vocês podem reler clicando aqui  e compartilhando comigo as primeiras impressões que tive com essa leitura.

Quanto a trilha sonora, ela precisava ser leve e descontraída, e acabei descobrindo hoje uma música que tem essas características, e sua letra lembra um pouco as trapalhadas dos personagens do livro (o vídeo também segue a mesma linha).



"... sinceramente eu pensei que dessa vez fosse me regenerar
trabalhando honestamente com uma esposa ali cuidando do lar
uma vida normal pra envelhecer em paz
mas se o destino quis assim agora tanto faz
do bar não saio nunca mais..."


E por fim, terminei de ler hoje "Como se livrar de um vampiro apaixonado", e ele já figura aqui na lista de trilhas sonoras de hoje. Mas esse livro merece duas músicas, uma para Jéssica (ou Anastasia) e outra para Lucius Vladescu, o vampiro romeno super educado e cavalheiro, como um bom vampiro tem que ser.

Para ela, uma canção que represente a mudança de seu sentimento por Lucius, do desdém para o amor. O problema é quem quando ela percebe essa evolução, pode ser tarde demais, pois o vampiro parece não estar tão interessado em seus sentimentos, e Jéssica, por ter em suas veias o sangue da princesa vampira que ela deverá ser, não admite ser desprezada por ele:


"... perceba que não tem como saber
são só os seus palpites na sua mão
sou mais do que o seu olho pode ver
então não desonre o meu nome

não importa se eu não sou o que você quer
não é minha culpa a sua projeção
aceito a apatia, se vier
mas não desonre o meu nome

será que eu já posso enlouquecer
ou devo apenas sorrir?
não sei mais o que eu tenho que fazer
pra você admitir

que você me adora
que me acha foda
não espere eu ir embora pra perceber..."

Já para o vampiro bonitão que faz pose de malvado, a trilha tinha que ser marrenta, e quem no mundo da música é mais convencido que o vocalista do Oasis, Liam Gallagher? O cara se acha o mais importante do mundo, e ainda acredita que a banda dele conseguiria ser maior que os Beatles! Lucius não é tão arrogante assim, mas acho que essa música combina com seu perfil agridoce, e ainda fala sobre a garota mais importante da existência dele (e olha que, se você procurar lá no fundo, a música também tem um toque de romantismo):


"If I may be so bold could I just say something
come and make me my day
the clouds around your soul don't gather there for nothing
but I can chase them all away...

Is would you maybe, come dancing with me
cos to me it doesn't matter if your hopes and dreams are shattered
when you say something you make me believe
in the girl who wears a dirty shirt..."

"Se eu puder ser tão insolente posso dizer uma coisa?
venha e faça meu dia
as nuvens ao redor de sua alma não se reuniram lá por nada
eu posso mandá-las embora...

talvez você pudesse vir e dançar comigo
pois para mim não importa se seus sonhos e suas esperanças estão despedaçados
pois quando você diz algo você me faz acreditar
na garota que usa uma camisa suja..."

E vocês, o que acharam das trilhas de hoje; concordam, discordam? Vamos trocar ideias e enriquecer ainda mais nossas leituras. Até a próxima ;)

Um comentário:

  1. Achei muito interessante e diferente o seu post, mais eu sinceramente não consigo ler ouvindo música. Eu preciso de silêncio total para poder ter o máximo de atenção possivel. Eu já sou ao contrário (risos)

    Mais adorei o que você postou. Parabens Linda.

    Outra coisa, depois vc passa no meu blog que quero a sua opinião sobre meu post. Agradeço muito desde de já e peço desculpas por não ter comparecido no seu Blog antes. bjos

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!