quinta-feira, 30 de maio de 2013

A mulher só - resenha


"JeriLee Randall tem o grande sonho de vir a ser uma escritora famosa. Está, no entanto, convencida que para consegui-lo terá de deixar o marido e a sua família. decidida a lutar para alcançar os seus objetivos, dá início a uma vida dividida entre o jet-set de Hollywood e New York. Porém, nesta sua nova vida, o sexo, as bebidas e as drogas estão sempre presentes e fazem-na sentir-se cada vez mais sozinha. Com o tempo, acaba pro perceber  que a fama pode facilmente esfumar-se e os amigos podem desaparecer precisamente quando ela mais precisa."

Li esse livro quando tinha uns 11 ou 12 anos, não sei dizer como ele chegou às minhas mãos, mas eu o li e me apaixonei pela estória, apesar da pouca idade. E depois disso, reli diversas vezes até que ele sumiu da minha vida, da mesma maneira que apareceu. Mas eu nunca esqueci de alguns de seus detalhes e da essência da narrativa. Então, no ano passado, resolvi procurá-lo e comprei um exemplar bem amarelado, exatamente como era o meu, em um sebo no site Estante Virtual. E o legal dessa nova releitura, foi perceber que alguns detalhes dele nunca saíram da minha cabeça, mesmo que eu não me lembrasse de onde vinham aqueles pensamentos, frases e personagens, eles estiveram sempre permeando meus pensamentos.

A protagonista da estória é JeriLee Randall, que desde garotinha sonhava em ser escritora. Ela perdeu o pai muito cedo, e a mãe se casou com um banqueiro, que passou a ser a figura paterna para JeriLee e seu irmão. Ela tinha uma relação ótima com padrasto, ao contrário da mãe, com quem não conseguia manter um diálogo aberto. Essa falta de entendimento com a mãe lhe trazia grandes frustrações, principalmente na adolescência, quando ela não se sentia à vontade para compartilhar seus sentimentos, desejos e dúvidas com a mulher que deveria estar ao seu lado nesses momentos.

Mais tarde, JeriLee conhece um homem que se interessa por uma estória escrita por ela. Ele também é escritor e lhe dá alguns conselhos sobre a profissão. Então os dois ficam muito amigos e ela passa a se encontrar com ele regularmente para debaterem literatura.

Enquanto isso, ela vai descobrindo a sexualidade e o poder que tem sobre alguns garotos da cidade. Ela é extremamente sensual, mas, por mais que queira, não consegue se acertar com nenhum dos meninos, e, algumas vezes, acaba se envolvendo em confusões por causa disso, já que eles se aproveitam da confiança que ela deposita neles para tentar transar com ela.

JeriLee trabalha no clube da cidade durante as férias escolares e, numa noite tranquila, um dos garotos que estavam sempre por lá, se oferece para levá-la para casa. Ela aceita a carona mas acaba sendo levada para a casa dele, onde estão mais alguns meninos e meninas, já bêbados, fazendo uma festinha na piscina. Os meninos querem sexo, mas ela se recusa a fazer o que eles querem, e, por isso, acaba sendo violentada: eles batem nela, a queimam com um cigarro aceso, rasgam suas roupas e tentam estuprá-la. A coisa só não fica pior por que o amigo de JeriLee que a viu saindo do clube com o rapaz, chega e a salva.

A partir daí, a vida dela e da família fica muito difícil pois, morando numa cidade pequena e cheia de pudores, ela fica mal falada e os familiares são apontados nas ruas. Ela vai ficando cada vez mais deprimida, até se casa com o amigo escritor, que é bem mais velho que ela, e se muda para New York.

Sua vida fica realmente muito conturbada na nova cidade: ela continua escrevendo, mas apenas uma de suas peças fez sucesso, e muito por ela ser esposa de um escritor famoso. JeriLee também tentou trabalhar como atriz, mas não conseguiu muito êxito. Quando ela se se para do marido, tudo começa a desmoronar.

JeriLee tenta sobreviver sem ajuda nenhuma do ex-marido, mas não vende nenhuma estória e não consegue mais trabalho como atriz. Vai se envolvendo cada vez mais com os homens errados, que só a fazem sofrer, e nunca se sente realmente feliz. Ela abusa de bebida e de remédios, além de, em alguns momentos, o autor fazer uma leve insinuação sobre o uso de drogas.

Os homens com quem ela se relaciona nunca a compreendem, então ela acaba se envolvendo com uma mulher; elas ficam juntas por algum tempo e JeriLee pensa que vai melhorar sua situação, já que a namorada é pessoa influente no meio artístico, mas a relação acaba se desgastando e elas se separam.

Tudo vai dando errado e, num certo momento do livro, ela muda de nome e passa a ser Jane Randolph, uma dançarina erótica que trabalha nas piores boates de New York para tentar se manter. Os vícios, a essa altura, estão cada vez piores, e ela chega ao fundo do poço, perdendo a casa, o emprego e a dignidade.

JeriLee sempre buscou a felicidade a qualquer preço; queria ser uma escritora reconhecida e uma mulher amada e satisfeita, mas nunca conseguiu alcançar seus objetivos, vivendo durante muito tempo numa tristeza profunda e totalmente sozinha. Mesmo quando ela tinha alguém, ela se sentia só, desamparada e perdida, e nunca foi plenamente feliz. Até que, no pior momento de sua vida, um homem a ajudou e a tirou das ruas. Depois disso... bem, depois disso não posso revelar o que acontece, ou estaria estaria contando o final da estória.

O livro é bom, tem forte apelo sexual, se considerarmos a época em que foi escrito, e mostra um pouco como as mulheres foram, durante muito tempo, desvalorizadas profissionalmente e vistas apenas como esposas, mães ou prostitutas. 

O autor Harold Robbins tem muitos best-sellers nos Estados Unidos, e, nesse livro, fez uma crítica forte à sociedade da época, que levava mais em conta a aparência e a fama do que as qualidades de cada pessoa, principalmente, das mulheres. O romance pode ser perturbador em alguns momentos, mas é bem realista, e muito bem escrito. Para quem gosta desse tipo de literatura, recomendo. Para quem não gosta ou ainda não leu nada desse gênero, aconselho que comece a ler a série "Júlia", aquela que é vendida em bancas de jornal, para ir se acostumando com o estilo.

"A mulher só"
Harold Robbins
editora Círculo do Livro
459 páginas

Um comentário:

  1. São ,esse que procuro um personagem, sem conseguir lembrar o livro... Me identifiquei quando você diz "Alguns detalhes dele nunca saíram da minha cabeça, mesmo que eu não me lembrasse de onde vinham aqueles pensamentos, frases e personagens, eles estiveram sempre permeando meus pensamentos" talvez você pudesse me ajudar: Neste livro tem um personagem secundário chamado Roy, muito fãmoso, com uma linda namorada, mas que na realidade tem um problema neurológico (o cara é muito infantil) que os acessos escondem da mídia, e da própria namorada, revelando pra ela o problema dele só quando ela finalmente consegue engravidar?

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!