quarta-feira, 12 de junho de 2013

Ele é o cara #20

Dicas: ele é lindo, inteligente, usa metáforas o tempo todo e tem uma prótese em uma das pernas. Claro! Ele é Augustus Waters! ***Mas, se você faz parte do ínfimo grupo de pessoas que ainda não leu "A culpa é das estrelas" e quiser continuar lendo, saiba que o post tem alguns spoilers do livro. 


Essa é a carinha que ele vai ter nos cinemas. O ator Ansel Elgort foi escolhido para interpretar Augustus na adaptação do livro, e estou torcendo para que ele faça jus à escolha. Ele não tem muita experiência em cinema, mas também está escalado para fazer o filme "Divergente", baseado na obra homônima. 

Mas Augustus é um personagem tão intenso que nem precisava saber qual o seu rosto para se emocionar com ele no livro. Suas frases, seus sentimentos, suas piadas e seu grande amor por Hazel fizeram com que a grande maioria dos leitores também se apaixonassem por ele.


Já nas primeiras páginas, quando Hazel Grace encontra Gus pela primeira vez no grupo de apoio, ela o descreve assim: "Alto e magro, mas musculoso, ele fazia a cadeira de plástico, daquelas usadas em sala de aula, parecer minúscula. Cabelo acaju, liso e curto. Parecia ter a minha idade, talvez um ano mais velho, e estava sentado com cóccix na beirada da cadeira, uma postura péssima, com uma das mãos enfiada até a metade no bolso da cala jeans escura."

E só para termos certeza de que ele é muuuiito lindo, ela complementa: "Na boa, vou logo dizendo: ele era um gato..."


Mas o mais bacana no Augustus não é a beleza física, e sim, sua beleza interior. Ele gosta da Hazel assim que a vê, e vai aos poucos conquistando sua confiança. Só para lembrar, a garota não queria se apaixonar nem se relacionar com ninguém pois se achava uma granada prestes a explodir. Ela tinha medo de morrer a qualquer momento e fazer as pessoas ao seu redor sofrerem muito. 

Em contrapartida, Gus achava que, exatamente pela incerteza do dia de amanhã, eles tinham que aproveitar a vida. Ele sabia que ela podia morrer a qualquer momento em decorrência do câncer, ou que ele poderia perder a vida, talvez por uma recorrência do osteossarcoma, ou por qualquer outro motivo idiota que tira a vida das pessoas de repente, mas ele não tinha medo perdê-la, e queria viver seu sentimento, queria ficar com ela, queria fazer tudo o que quisesse fazer para aproveitar intensamente cada minuto de sua existência. A certa altura ele faz essa declaração fofa para Hazel:


Falando de momentos românticos, todo mundo se lembra do primeiro beijo deles, quando estavam no museu de Anne Frank, na Holanda:

"Augustus Waters - falei, olhando para ele, pensando que talvez não fosse certo beijar alguém dentro da casa de Anne Frank, mas então imaginando que a Anne Frank, no fim das contas, devia ter beijado alguém na casa da Anne Frank, e que ela provavelmente gostaria de sua casa ter se tornado um lugar no qual os jovens e irremediavelmente perfeitos se entregam ao amor."


É claro que Gus não seria tudo isso sem a Hazel, e vice-versa, mas focando na personalidade dele, e em suas atitudes muitas vezes radicais, podemos entender seus motivos e concordar com a forma como ele desafia a própria doença para continuar tocando a vida.

No próprio título do livro está implícita essa força de Gus: o autor John Green revelou que o nome foi baseado numa frase do personagem Brutus, na peça "Júlio César", de Shakespeare: "A culpa, caro Brutus, não é de nossas estrelas, mas de nós mesmos, que somos subordinados.". Ou seja, não adianta ficar se lamentando, sofrendo por causa das limitações impostas pelo câncer, já que só levamos dessa vida aquilo que vivemos. Sabendo disso fica mais fácil entender a filosofia de Augustus, de que não devemos ser subordinados, devemos, apesar de tudo, assumir aquilo que temos e aprender a lidar com isso, viver bem apesar disso. E essa é a verdadeira beleza de Gus, é esse sentimento de amor à vida que o torna grande.


Ele sabe que é arriscado fazer promessas. Mas não é arriscado para todos nós? E mesmo assim, as fazemos quando achamos que devemos fazê-las. Ele quer ficar com Hazel pelo tempo que for, sabendo que alguns infinitos são maiores que os outros.

Augustus é um personagem incrível, que nos dá muitas lições, como no momento em que explica para Hazel o por quê de estar sempre com um cigarro apagado na boca: "Eles não matam se você não acender. E eu nunca acendi nenhum. É uma metáfora. Tipo: você coloca a coisa que mata entre os dentes, mas não dá a ela o poder de completar o serviço.", ou quando ele explica que tem medo de não ser lembrado depois que morrer, por isso, quer fazer algo grande para deixar sua marca no mundo. Pode parecer egoísta da parte dele, mas "o mundo" pode ser muita coisa e ter qualquer tamanho, depende do que você pretende alcançar. No caso de Gus, foi importante deixar para Hazel a mensagem do carpe diem, e assim ele deixou sua marca nesse mundo, o mundo deles.


4 comentários:

  1. Oie minha linda, tudo bem com você ?
    Que saudadesss...Sei que andei sumidinha, mas é que estava doente e também meia sumida dos blogs mesmo... Sorry.
    Mas fiquei feliz de ver as novidades aqui de seu blog. Nossa, seu cantinho é tão gostoso de ler, até porque eu adoro as coisas que você escreve. Te desejo muito sucesso minha amiga.
    E me desculpa viu ?
    Estou passando por alguns blogs justamente para me explicar e por isso estou meio que na pressa, mas espero que compreenda, pois na proxima postagem estarei por aqui de novo.

    bjokas e fica com Deus

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina Silvana, não precisa se desculpar. O tempo é curto para todas nós ;)
      Bom saber q vc gosta daqui, volte sempre q puder!
      bjos!

      Excluir
  2. Sensacional! Adorei! Lindo de bonito!
    Beijo, Vi!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabia q vc ia gostar, rsrsrs. Vc, como eu, é fã do Gus ;)

      Excluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!