domingo, 1 de setembro de 2013

Filmando #11 - Os instrumentos mortais

A blogosfera ficou agitadíssima quando o filme "Os instrumentos mortais - Cidade dos ossos" estreou nos cinemas, e eu fui conferir. Infelizmente, não achei que merece tanto burburinho.


Algumas pessoas me disseram que preciso me distanciar do livro e analisar apenas o filme em si. Acho mesmo que estar com a estória original tão fresca na memória atrapalhou meu julgamento da adaptação. Fiquei esperando acontecer algumas coisas que gostei no livro, mas elas simplesmente não estão no filme.

Entendo que ao passar a estória do livro para os cinemas é necessário fazer várias adaptações no original para conseguir um roteiro consistente e transformar as mais de 400 páginas escritas por Cassandra Clare num longa com duração de duas horas, mas acho que limaram demais o conteúdo do livro e modificaram muitas coisas que, ao meu ver, não deveriam ter sido modificadas.

Não estou nem considerando o fato de não ter me identificado com os atores escolhidos, pois acho que o filme não ficou ruim por causa deles, que até tiveram boas atuações. A atriz Lily Collins conseguiu representar bem a protagonista Clary Fray, mantendo suas características e não fugindo muito do básico para um filme desse tipo; ela tem boas expressões faciais que mostram claramente diversos sentimentos da personagem e combinou muito bem com o que eu imaginava ser a Clary. Meu descontentamento é com o restante do elenco, por exemplo, Magnus Bane (Godfrey Gao) de olhos puxados e nenhuma imponência como o bruxo mais poderoso da estória; Hodge, o tutor dos Caçadores de Sombras, vivido por Jared Harris, não inspira nenhuma confiança ou sabedoria, como pode ser o ponto de apoio de Jace e seus amigos?

Por falar neles, Isabelle (Jemima West) e seu irmão Alec (Kevin Zegers) ficaram muito aquém de seus correspondentes no livro, um pouco pelo fraco roteiro e um pouco por sua atuação simples, que não se destaca em nenhum momento do filme. É óbvio que, quando lemos um livro, criamos mentalmente o rosto e as características de cada personagem, e ao vê-los ganhar vida nas telas dos cinemas, essa imagem dificilmente corresponde com aquela que imaginamos, mas, na maioria das vezes, acabamos substituindo nossa criação pelo rosto do ator escolhido e fica tudo bem. Sabendo disso, estava preparada para aceitar de braços abertos o Jace do filme, mas não consegui me identificar com Jamie Campbell Bower (só com seu sotaque britânico, rs).


Grande parte da estória do livro, sua essência, está no filme, mas algumas cenas sofreram tantas adaptações que, para mim, foram deixando o filme mais pobre, tirando o brilho do original e me fazendo perder um pouco o interesse por ele.

Senti falta da forte presença dos vampiros na festa de Bane, e da situação que criaram com Simon, melhor amigo de Clary: esse foi um momento importante no livro pois, além de mostrar o quão forte é a lealdade da protagonista, também introduziu os lobos no enredo, que são de grande importância na conclusão dessa primeira parte da estória. Durante o resgate de Simon, Jace e Clary passam por diversas situações que fortalecem seu relacionamento e são importantes para criar o laço de confiança necessário para o futuro dos dois.

Também não me agradou a conclusão do filme, quando Valentine faz a grande revelação a Jace e Clary: tudo pareceu ser apenas jogado na cena, como se não houvesse mais tempo para contar a estória, e fosse preciso correr para acabar logo o filme. Tudo o que acontece nesse momento é bastante diferente do livro, e não sei se, futuramente, nos próximos filmes, não será necessário fazer adaptações ainda maiores para encaixar as peças da estória.

Não sei se alguém que não conhece o livro vai gostar do filme, mas, para aqueles que perguntam minha opinião, digo que a adaptação é fraca, e vale a pena pegar a sessão mais barata do cinema, para não desperdiçar dinheiro. A qualidade visual do filme deixa a desejar e parece ter sido produzido com baixo orçamento: algumas cenas são escuras demais (até para um filme de deveria se passar num universo sombrio) e parece que o filme foi feito como uma aposta, se render alguma coisa, investirão mais no próximo, se não, não terão perdido muito.

O filme tem dois pontos positivos: as cenas de luta são incríveis e conseguem empolgar depois de tantos momentos lentos, e os Irmãos do Silêncio representam com perfeição as criaturas criadas pela autora do livro, e conseguem transmitir aquela sensação de medo e frio que pensei que sentiria perto de um deles, quase como os dementadores da série Harry Potter.



Uma coisa me deixou triste e preocupada: algumas pessoas, inclusive dentro do cinema, dizendo que esse filme é igual "Crepúsculo". Por favor, não cometam esse sacrilégio! Um filme não tem nada a ver com o outro, apesar de "Cidade dos Ossos" também mostrar vampiros e lobisomens, o enfoque aqui é totalmente diferente, e essas criaturas estão mais para o estilo clássico do que para os brilhos e egos criados por Stephanie Meyer. 

Como nada é totalmente ruim, vale assistir ao filme, até para poder emitir uma opinião. A minha é que "Cidade dos Ossos" poderia ter ficado muito melhor.

4 comentários:

  1. Joe não li o livro porém o filme não me agradou :/
    Gostei mto da resenha, tá profissa rsrs
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Valeu Carol!
    O livro me agradou só no começo, o final tbm achei fraco.

    ResponderExcluir
  3. eu vi o filme e estou na metade do livro, e intendi perfeitamente o que vc disse porque vejo que o livro é tão rico em detalhes que no filme não foram sequer citados, eu não gostei muito do final do filme porque deu realmente esta impressão do tipo "O tempo esta acabando" e acabou desvalorizando, gostei muito da Lily Colins no filme ela estava linda e fez com que Clary sofresse aquela mudança necessária, passando pela fragilidade e medo, para segurança e controle.O Ator que faz o Jace( não lembro o nome); Achei bonito sim mas, no livro ele parece mais imponente, com mais presença e atitude ja o ator não se sobressaiu tanto, ele chamou a atenção por fazer papel de importância mas nada além.Ja sobre Isabelle e Alec eu não gostei, no livro isabelle é Linda, forte uma mulher que chama atenção , no filme a atriz foi muito sem graça e eu não me lembro de uma cena sequer aonde tenha prestado muita atenção nela. Alec realmente no filme passou a imagem de ser apaixonado por Jace e não de ser como irmão dele, o ator que faz o Alec é lindo, e tem um olhar firme ja vi outros filmes com ele e fiquei meio desapontada porque ele poderia ter sido melhor.Como disse estou na metade do Livro ate agora estou mais satisfeita com ele do que com o Filme,se você tiver dicas de livros legais por favor me mande eu amooo ler...Amei seu Blog estarei sempre por aqui bjuus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom Ju, temos que nos conformar que o filme nunca será tão rico quanto o livro, mas nesse caso, nem um nem outro é tão interessante.

      Excluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!