sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Sexta de Música ##46 - Guns'n'Roses e seus fãs

A banda Guns'n'Roses tem até hoje muitos fãs espalhados pelo mundo, mesmo depois de ter trocado todos os integrantes, menos Axl, e ficado anos sem gravar uma nova música sequer, prometendo por muito tempo lançar um álbum, o conhecido "Chinese Democarcy", que acabou não se mostrando tão bom quanto se esperava.

E alguns desses fãs malucos fizeram uma homenagem ao Guns, gravando um clipe com várias imagens deles ao som de "Better". Dois jovens brasileiros, Léo Xavier e Daniel Dss criaram o "FanVideos Project", uma espécie de rede social para fãs de diversas bandas, com o intuito de organizarem homenagens através de clipes. E parece que deu certo!

Aproveitando a ideia, vou compartilhar com vocês as minhas músicas preferidas dos caras, além do vídeo feito pelos fãs, claro.

Quer conhecer a fanpage do FanVideos? Clique aqui.


1. FanVideos Project
2. November Rain
3. Live and Let Die
4. You Could be Mine
5. Welcome to the Jungle
6. Simpathy for the Devil
7. Knocking on Heavens Door
8. Patience
9. Sweet Child O'mine
10. Paradise City

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

As crônicas de Kira - resenha


"Uma princesa guerreira. Uma profecia antiga. Uma missão sagrada. Kira, a Princesa de Hisipan, terra de fabulosas mulheres guerreira, parte em uma jornada heroica por reinos distantes, à procura de um rtefato mágico. Uma narrativa épica, repleta de reviravoltas e personagens complexos, guerreiros, batalhas espetaculares em terra e mar, criaturas fantásticas, monstros saídos de histórias de terror, belas mulheres e feiticeiros sinistros, que irá hipnotizá-lo do início ao fim. As Crônicas de Kira é leitura obrigatória para os apreciadores do gênero Espada & Magia, que tornaram famosos personagens como Conan, o Bárbaro, e Elric, o cavaleiro albino."

Kira é uma princesa guerreira, que saiu de sua cidade, Hisipan, a fim de encontrar e reunir todas as pedras do poder do toten de Hisipan, que foram separadas depois de uma grande batalha entre os deuses. A jornada da princesa amazona vai sendo contada em três partes, que talvez possam ser vistas por alguns leitores como três contos, mas elas se completam e são fases importantes para o conhecimento de Kira e o desenvolvimento da personagem.

Todo o caminho percorrido por Kira é cheio de desafios e surpresas que vão envolvendo tanto a protagonista quanto o leitor, que espera o desfecho da estória a cada página. Na primeira parte a princesa enfrenta um gigante a desconfiança do atual guardião de uma das pedras e de todo o seu povo. Além disso, demônios das montanhas que tentam ataca o povoado a noite acabam quebrando as barreiras da segurança e invadindo o local, forçando Kira a lutar com eles para tentar salvar aquelas pessoas que mal conhece.

A viagem prossegue e ela volta a enfrentar uma criatura fantástica, que vive no mar e ataca o barco onde Kira está. Ela, mais uma vez, salva a todos e prossegue em sua busca.

Em sua próxima parada, Kira ainda é a responsável por evitar uma guerra iminente entre homens e sereianos, descobrindo uma trama armada para que as criaturas do mar fossem totalmente dominadas. Nessa parte, a princesa mostra um lado bastante humano e todo o seu senso de justiça, e acaba descobrindo que sua missão tem um propósito bem maior que aquele que ela acreditava.

Finalmente, quando ela acreditava chegar ao local onde encontraria a última pedra, ela se depara com uma situação estranha, que lhe desperta um sentimento nunca sentido antes. Ela sabe que precisa buscar uma solução para o que está acontecendo naquela cidade. Ela acaba envolvida numa briga para defender um jovem ladrão, e vai presa. É aqui que a trama começa a ficar um pouco confusa, envolvendo alienígenas que querem salvar sua espécie, usando humanos e os transformando em escravos mortos-vivos. Depois que tudo é explicado a Kira, ela decide ajudar e completar sua missão, não da forma como havia planejado, mas consciente de que fez o melhor que podia para ajudar a todos.

O livro é bem curtinho e dá pra ler com facilidade. Tem ilustrações muito legais dividindo cada fase da viagem de Kira e, pelo que li na internet, parece que é a primeira parte de uma trilogia. Então, leitores que curtem o gênero, aguardem a continuação dessa estória.

Vale comentar que nesse livro a autora diversifica seu estilo de escrita, em comparação com o outro livro que li (e que foi resenhado aqui). Se lá ela usou algumas estórias e lendas já conhecidas para criar contos fantásticos, aqui ela desenvolve uma aventura épica, exatamente como ela descreveu, "ao estilo Conan", mostrando muita habilidade em contar estórias.

"As crônicas de Kira"
Georgette Silen
editora Giz
150 páginas
nota: 3,6
nota no Skoob: 4,1
onde comprar: Cultura  

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Um pouquinho de...



"- E um bom Corinthians e Palmeiras? - perguntou Lucas, fazendo graça.
- Ah! Bons tempos aqueles. Sou palmeirense fanático... mas isso a gente não viu mais... nunca mais.
- É... uma pena, não?
- Às vezes, acorda um jogador de futebol conhecido, é raro, mas já aconteceu. Tem uma fortificação perto de onde foi a cidade de São Paulo, chamada Esperança. Sabe quem é soldado lá?
Lucas encolheu os ombros, achando impossível adivinhar.
- O Cafú.
- O Cafú do penta?! - perguntou admirado, a ponto de interromper a marcha.
- O Cafú do penta.
- Grande capitão."


capítulo 18, página 146

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Sexta de música #45 - Nirvana Unplugged

Há 20 anos a banda Nirvana gravou o seu show Unplugged para a MTV americana, e surpreendeu a todos ao excluir do setlist a maioria de seus grandes sucessos e tocar inúmeros covers de artistas famosos ou de bandas menos conhecidas.



O show todo foi envolto num clima bastante sombrio, que foi criado com a escolha do cenário por Kurt Cobain (dizem que ele queria simular o próprio velório), cheio de velas e flores, e pelo tom melancólico das músicas. Envoltos por luzes roxas e azuis, os músicos da banda executaram as canções de maneira impecável, com Dave Grohl mostrando um lado mais sensível na bateria, Krist tocando acordeão em um dos covers e Kurt com sua voz rouca e quase depressiva imprimindo bastante emoção às suas interpretações.


Naquele longínquo 19 de novembro se reuniram ao Nirvana para a apresentação que se tornaria memorável, e seria, mais tarde, o primeiro disco lançado após a morte de Kurt, a banda Meat Puppets, o guitarrista Pat Smear e o músico Lori Goldston, tocando cello.

A banda optou por deixar de fora seus maiores hits, que aquela época já eram vários (com 3 discos lançados), e tocou apenas "Come as you are", para alegria dos fãs. Claro que há outras músicas do Nirvana no álbum, mas eles escolheram aquelas que não tinham tanto apelo junto ao grande público e que seriam mais adaptáveis ao estilo acústico, como por exemplo "Polly". Dentro as canções de outros artistas estão "Lake of fire" dos Meat Muppets, "The man who sold the world", de David Bowie e "Where did you sleep last night", do cantor folk Leadbelly, que originalmente era "In the pines", mas Kurt trocou o título da música.


Talvez pelo cuidado que a banda teve na escolha e na preparação das canções, ou pela aura de mistério que envolvia a apresentação naquela noite, o fato é que o Nirvana mostrou ali o que tinha de melhor, cumprindo a contento aquilo que se espera de um músico que faz essa releitura de suas criações, trazendo-as para o estilo acústico, que expõe o artista como ele é. No caso de Kurt, que já vinha atormentado por tantas complicações em sua vida pessoal, cumulados com problemas psicológicos acarretados pelo sucesso repentino, as interpretação ficaram ainda mais sinceras e emocionantes, conseguindo, assim, alcançar um grande número de pessoas, mesmo aquelas que antes não gostavam muito da banda.


Para entender tudo isso, só ouvindo o disco e saboreando todas as músicas, lentamente, aproveitando cada palavra cantada por Kurt, e se deixando envolver pelas melodias suaves executadas pela banda. Foi através desse álbum que me apaixonei pelo Nirvana e passei a conhecer melhor o seu trabalho. É impossível ouvir "About a girl" ou "The man who sold the world" e não se encantar com a voz e a interpretação melancólica de Cobain. Então, curtam a playlist:

1. About a girl
2. Come as you are
3. Jesus doesn't  want me for a sunbeam
4. The man who sold the world
5. Pennyroyal tea
6. Dumb
7. Polly
8. On a plain
9. Something in the way
10. Plateau
11. Oh me
12. Lake of fire
13. All apologies
14. Where did you sleep last night

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Harry e seus fãs - resenha


"Os bastidores do fenômeno Harry Potter, contado por quem entende a magia causada pela chegada do bruxinho à vida de centenas de milhares de pessoas: Melissa Anelli, o principal nome do portal "The Leaky Caldron", fansite que conquistou o respeito da editora americana Scholastic e da própria J. K. Rowling. Entre outras façanhas, Melissa conseguiu uma longa entrevista com a criadora do bruxinho em 2005, deixando centenas de jornalistas\ ao redor do mundo com inveja. Com tiragem inicial de 50 mil exemplares, Harry e seus fãs traz um caderno de fotos e tem prefácio assinado pela própria Rowling. Dez anos após o lançamento do 1º livro da série Harry Potter, a história de leitores e fãs que ajudaram a transformar a saga do jovem bruxo em um dos maiores fenômenos culturais do planeta é contada em detalhes por Melissa Anelli. A jovem fã do bruxinho descreve o encantamento provocado pelo maior fenômeno literário de todos os tempos, revive grandes momentos, e lista informações exclusivas e detalhadas que aproximam ainda mais o leitor de Harry Potter e sua criadora."

Como o próprio título do livro diz, o livro é para os fãs de Harry Potter, e não conta apenas a ascensão do saga de J.K.Rowling, mas a reação dos leitores, seu apego emocional com a estória, a forma como foram crescendo junto com o bruxo e aprendendo os valores transmitidos pela estória.

A autora narra sua trajetória de conhecimento e de paixão pela saga, desde o primeiro contato até o dia mais emocionante dessa aventura, que foi quando conheceu Rowling. É interessante perceber como, aos poucos, Melissa foi mostrando seriedade e competência em seu trabalho de receber informações legítimas sobre a série Harry Potter e passá-las aos fãs através de seu site.

Durante todo o tempo em que administrou esse canal de notícias, Melissa conviveu com muita gente bacana, fez várias amizades, e descobriu que existiam milhares de pessoas como ela, apaixonadas por Harry Potter, e tão envolvidas com a estória, que eram capazes de lutar para defender suas opiniões e seus personagens favoritos.

Para o leitor que também se envolveu com a saga, assim como aconteceu comigo, esse livro é uma gostosa viagem por cada um dos volumes da série HP, que nos faz relembrar tudo o que sentimos à época, cada sorriso, tristeza, emoção que vivemos com Harry e seus amigos.

E para causar inveja em todos nós, Melissa não só conheceu J. K. como também desenvolveu uma amizade verdadeira com ela, ganhando presentes e visitando a casa da autora na Inglaterra. Qual fã nunca sonhou em fazer o mesmo?

O ponto negativo do livro não está na estória em si, mas na edição da Rocco, que veio com muitos erros de concordância e dá pra perceber que faltou uma boa revisão depois que a tradução foi feita. Isso não atrapalha a leitura, mas para mim, que sou exigente, graduada em Letras e tenho algum conhecimento em Linguística, foi ruim notar que em alguns parágrafos faltou coesão ou houve muita repetição de uma mesma palavra.

O fã de Harry Potter deve ler esse livro. Quem não é tão fã, mas conhece a saga, pode ler para, quem sabe, entender como ela se tornou tamanho fenômeno no mundo todo e é até hoje um dos maiores sucessos editoriais de todos os tempos.

Harry e seus fãs
Melissa Anelli
editora Rocco
368 páginas
nota: 3.8
nota no Skoob: 3.8
onde comprar: Saraiva, Skoob 

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Sei Que Eu Sei News #4


Vejam que novidade interessante: Tammara Webber postou em seu Twitter a capa de "Breakable", a versão de "Easy" contada pela perspectiva de Lucas. Para quem ainda não leu, eu super recomendo esse romance, e a resenha, que já foi postada aqui.


O lançamento nos Estados Unidos está previsto para 6 de maio de 2014, e aqui no Brasil ainda não foi anunciado, mas deverá ser publicado pela Editora Verus.

Mesmo se você não leu "Easy" pode ler tranquilamente "Breakable", já que ele não é uma continuação, mas a mesma estória narrada pelo ponto de vista de outro personagem. A sinopse abaixo contém spoilers do enredo, então, se não quiser descobrir nada sobre a trama, pule esse parte, ok?

"Quando criança, Landon Lucas Maxfield acreditava que sua vida era perfeita e vivia na expectativa de um futuro cheio de promessas - até uma tragédia destroçar sua família e fazê-lo duvidar de tudo o que acreditava. Tudo que ele mais queria era deixar o passado para trás. Quando conheceu Jacqueline Wallace, seu desejo de ser tudo o que precisava se realizou tão fácil... Tão fácil como poderia ser para um homem que aprende que a alma é frágil e que tudo que você acredita pode ser arrancado de você num piscar de olhos."


E os americanos realmente sabem como ganhar dinheiro. Os Correios anunciaram que vão lançar em 19 de novembro uma coleção de selos com imagens da série Harry Potter. Para os colecionadores (ou não) é um prato cheio, já que tudo relacionado aos personagens de J. K. Rowling causa alvoroço entre os fãs. 


Serão colocados no mercado 5 milhões de livros com 20 selos da série e as imagens mostra momentos que certamente estão na memória de todos os apaixonados pelo universo Potter, como Hermione bem novinha, Edwiges, Dumbledore e cenas do duelo final entre Harry e Aquele-que-não-deve-ser-nomeado. Vejam alguns modelos:

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Sexta de música #44 - Feriadão

Feriadão para mim é sinônimo de... casa! Eu que não me dou bem com o sol, prefiro ficar em casa a ir para a praia, como prefere a maioria dos brasileiros. E uma música boa sempre cai bem né! Então, vamos com uma playlist só de músicas que tenham feriado (hollyday também serve) no nome ou na letra:



1. Summer Hollyday - Terry Winter
2. Hollyday - Hi-5
3. Hollyday - Scorpions
4. Hollyday - Green Day
5. Hollyday in Camboja - Dead Kennedys
6. Hollyday - Madonna
7. Domingo - Titãs
8. Feriado Pessoal - Bruna Caram
9. Feriado - Chico César
10. Dia da Saudade - Raul Seixas

Bom feriadão a todos!

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Divergente - Resenha, por Heitor Oliveira


"Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções - Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição - e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. Ela deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem realmente é, e acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a si mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive."

O livro se passa em uma Chicago do futuro em que a sociedade, depois de passar por inúmeras guerras, se dividiu em facções que procuram erradicar qualidades que acreditavam ser as culpadas pela desordem do mundo. São elas:



-Abnegação: culpam o egoísmo. São altruístas e sempre se preocupam com o bem dos outros. Todos usam roupas cinza, têm o mesmo corte de cabelo, moram em casas idênticas, e costumam atuar em trabalhos voltados à comunidade ou administrativos;

-Amizade: culpam a agressividade. São pacíficos, alegres, bondosos e neutros. Geralmente se vestem de vermelho ou amarelo e seu trabalho é conseguir alimentos e trabalhar com as artes;

-Audácia: culpam a covardia. Bravos e destemidos, vestem-se sempre de preto e têm tatuagens e piercings pelo corpo. Cuidam da proteção da cidade contra perigos externos e internos;

-Erudição: culpam a ignorância. Sábios e curiosos, chegam a ser até um pouco metidos por causa de sua grande inteligência. Costumam usar roupas azuis e cuidas das aulas, dos livros e da tecnologia da cidade;

-Franqueza: culpam a duplicidade. São muito sinceros e imparciais, porém, confiantes. Usam roupas em preto e branco e de dedicam mais ao trabalho administrativo.

Nesse modelo de sociedade, quando um adolescente faz 16 anos, ele tem que escolher uma facção para fazer parte e, para conseguir isso, tem que enfrentar um teste de iniciação. Esses testes avaliam suas habilidades e determinam para que facção ela vai seguir - essa pode ser a mesma em que foi criado ou qualquer outra - e aqueles que não obtêm sucesso nos testes são considerados "sem facção" e têm uma vida muito difícil.

Notei que algumas distopias têm algo em comum: a idade de 16 anos. Na série "Feios", por exemplo, essa é a época em que os jovens passam pela cirurgia que os torna perfeitos (leia a resenha aqui), e também é a idade em que Katniss é selecionada para participar dos Jogos Vorazes.

Aliás, "Divergente" é muito comparado com a série "Jogos Vorazes", devido ao seu estilo de narrativa, feito em primeira pessoa - como se os personagens estivessem comentando o momento em suas cabeças - a trama criada em torno das facções e os testes de iniciação a que os jovens são submetidos, muitas vezes bem crueis.

A estória aqui gira em torno de Beatrice Prior, que nasceu na Abnegação, e todo o processo que ela enfrenta ao tentar escolher sua própria facção.

Assim como "Jogos Vorazes", "Divergente" também vai ganhar adaptação para os cinemas, com estreia marcada para março de 2014. A atriz escolhida para viver Beatrice foi Shailene Woodley, que também estará em outra adaptação, "A culpa é das estrelas", de John Green.



Não li "Jogos Vorazes", por isso não posso comparar as duas séries, mas na minha opinião, "Divergente" é muito bom. Sinceramente, quem gosta do gênero distopia vai adorar, e, quem ainda não está acostumado com esse tipo de estória, pode começar a se interessar com esse livro, que tem uma narrativa bem simples, facilitando a leitura. Ele foca na vida dos adolescentes, com todas as dificuldades físicas e psicológicas que eles enfrentam, e a autora aproveitou esses dramas para construir seus personagens de forma que eles consigam atingir principalmente o público jovem.

Divergente
Veronica Roth
editora Rocco
502 páginas
Nota: 4,5
Nota no Skoob: 4,6
Onde comprar: Submarino e Saraiva

PS.: Leitores, essa é a resenha de estreia do Heitor por aqui, leiam e comentem para que ele possa voltar mais vezes ;)

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Sei Que Eu Sei News #3



A Intrínseca anunciou em seu Twitter que publicará no Brasil, em 2014, o livro que marca da estreia de J.J.Abrams como escritor. Para quem não ligou o  nome à pessoa, ele é o criador das séries "Lost", e "Almost Humans", que ainda não está passando por aqui, mas vai entrar na grade da Warner ainda esse mês. "S" é uma parceria de Abrams com Doug Dorst e é descrito como um quebra-cabeças literário que homenageia a era analógica.


Na verdade o projeto é como se fosse um livro dentro de um livro. Abrams disse que aproveitou a fato de trabalhar com um objeto físico para criar uma brincadeira em várias camadas: dentro de uma caixa com o título do projeto vem um livro de aparência antiga chamado "Ship of Theseus" e que teria sido publicado em 1949 por V.M.Straka. Assim criou-se o cenário para desenvolver uma segunda trama nas margens da história. Existem algumas marcações feitas a caneta, com cores e caligrafias diferente, ao longo das páginas do livro, que mostram a interação entre pelo menos dois leitores que vão discutindo a obra, o autor e suas implicações. Bem ao estilo J.J.Abrams.


Os fãs de Tolkien deve estar contentes com a última notícia que chegou sobre ele recentemente: está sendo produzido um filme sobre sua vida e a de Lewis, autor de "As crônicas de Nárnia". Os dois foram muito amigos, durante muito tempo, e depois acabaram se separando, ninguém sabe ao certo o motivo, mas especula-se que Tolkien queria que Lewis se convertesse ao catolicismo, e o amigo não aceitava deixar o ateísmo. No resumo do filme a produtora inseriu uma frase bastante curiosa: "... algumas amizades duram para sempre. Outras duram até que não sejam mais necessárias."

Ainda não há nomes escolhidos para o elenco, que está sendo cuidadosamente selecionado, mas a previsão para o lançamento é 2014. Uma equipe bastante competente já está trabalhando no roteiro e na produção executiva, como Marl Cooper ("Chocolate", "Shakespeare apaixonado") e Joan Lane ("O discurso do rei").


A série "American Horror Story", que atualmente é transmitida no Brasil apenas pelo canal pago Fox, teve seus direito de exibição comprados pela Band, que pretende colocá-la no ar em janeiro do ano que vem, desde a primeira temporada, junto com a terceira de "The Walking Dead".


E para o pessoal de Belo Horizonte, começa hoje na cidade o FIQ - Festival Internacional de Quadrinhos, em sua 8ª edição, que vai até dia 17. Esse é o maior evento do gênero na América Latina e é referência para os quadrinistas e os apreciadores de quadrinhos. O festival, que vai homenagear Laerte Coutinho, conta com palestras, mesas redondas e exposições, além de participações de artistas nacionais e internacionais. Para saber mais detalhes, acessem o blog Louca Escrivaninha, que foi onde eu fiquei sabendo da notícia. Lá tem um post mais completo e cheio de informações sobre o festival.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Cheiro de livro novo #12




Tem muitos livros novos na estante hoje, e quero compartilhar com vocês:



Chegaram os marcadores que a Lueme me mandou, do livro dela "Instituição para jovens prodígios". Se você ainda não conhece, entre no blog dela e saiba tudo sobre a série clicando aqui.


Também chegaram os livros do Itaú, com um marcador de páginas que também serve como dedicatória, caso você vá presentear uma criança com eles. Minha sobrinha com certeza vai amar!


"E o dente ainda doía", de Ana Terra, é uma gracinha, li rapidinho, assim que abri o envelope =)


E "O mundo inteiro" de Liz Garton Scanlon e Marla Frazee, é todo escrito em rimas, dando musicalidade à leitura, e certamente vai encantar os pequeninos, falando sobre cada pequeno pedaço e as coisas que compõem o mundo.


Também comprei mais 2 de John Green para a coleção: "Quem é você Alasca?", já lido e resenhado aqui.


E "Deixe a neve cair", livro de contos natalinos que ele escreveu em parceria com Maureen Johnson e Lauren Myracle, que vou ler na época do Natal.


Tomara que eu goste mais de "Desastre Iminente" do que de "Belo Desastre". Mas depois eu volto para contar para vocês a minha opinião ;)


Esse livro sobre a série "Game of Thrones" é da HBO, e é lindo! Cheio de fotos dos atores, detalhes da produção, cenários, perfis das casas e dos personagens e até alguns esboços da criação de alguns figurinos:


As fotos não ficaram boas (como sempre), mas tentei mostrar algumas fotos do livro, como essa aqui em cima de John Snow e os irmãos da Patrulha da Noite, e essa outra, de Tyron Lannister, um dos meus personagens preferidos, durante a batalha de Água Negra.


Junto com ele comprei a HQ incrível da saga de Martin.


Para fechar a semana, encontrei no site Estante Virtual esse livrinho que li quando era criança, e que acho muito bacana para ler para os pequenos.


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Um pouquinho de...



"O grito depois do seu nascimento, o grito sob a mesa de limpar peixe, o grito com que ele se tinha feito notar e levado a mãe ao cadafalso, não fora um grito instintivo de compaixão e amor. Fora bem pesado, que se poderia dizer um grito maduramente pensado e pesado, com que o recém-nascido se decidira contra o amor e, mesmo assim, a favor da vida. Nas circunstâncias, isto era possível sem aquilo e, se a criança tivesse exigido ambos, então teria, sem dúvida, fenecido miseramente. Também teria podido, no entanto, escolher naquela ocasião a segunda possibilidade que lhe estava aberta, calando e legando o caminho do nascimento para a morte sem esse desvio pela vida, e assim teria poupado a si e ao mundo uma porção de desgraças. Mas, para se omitir tão humildemente, teria sido necessário um mínimo de gentileza inata, e isto Grenouille não possuía. Foi um monstro desde o começo. Ele se decidiu em favor da vida por pura teimosia e maldade."


página 25, capítulo 4


sábado, 9 de novembro de 2013

1, 2, 3... PIN!

Fãs de "Jogos Vorazes", enquanto vocês esperam a estreia de "Em Chamas" nos cinemas, que tal um pedaço de bolo?


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Sexta de música 43 - Joia Rara

Olá leitores! Não sei se já comentei por aqui, mas gosto muito de novelas. Ultimamente, não tenho tido muito tempo para assisti-las, mas costumo acompanhar aquelas mais interessantes. A última que vi do início  ao fim foi Avenida Brasil, e agora estou seguindo a Joia Rara, que é exibida pela Globo na faixa das 18h00.


A novela tem uma trama que por um lado é bem inocente e delicada, e por outro, é cheia de egoísmo e maldade. A menininha que fez a Nina Jovem na própria Avenida Brasil, Mel Maia, está de volta aqui, protagonizando uma garota que é a reencarnação de um monge budista e o tema principal do enredo gira em torno dessa descoberta, tratado de uma maneira muito singela. Ela atua ao lado do lindíssimo talentosíssimo Bruno Gagliasso e de Bianca Bin, que são seus pais, e José de Abreu, que faz o papel de avô da pequena Pérola.


Mas hoje não é dia de falar sobre enredo, atrizes, ou qualquer coisa nesse sentido, vamos falar sobre a trilha sonora da novela, que é muito rica, repleta de grandes nomes da MPB e canções já consagradas, começando pela própria abertura, que é interpretada por ninguém menos que Gilberto Gil:


Além dele, também estão presentes Milton Nascimento, Tim Maia e até Chico Buarque, cantando uma de minhas músicas favoritas dele. Vamos ouvir?

1. Valsinha - Chico Buarque
2. Amo você - Tim Maia
3. Eu não existo sem você - Maria Bethânia
4. Gayana - Caetano Veloso
5. Folhetim - Gal Costa
6. Nascente - Milton Nascimento
7. Não tem solução - Dick Farney
8. Acalanto para Helena - Ana Cañas
9. Flor da idade - Filipe Catto
10. Beatriz - Zizi Possi (a versão da novela é cantada por Luiza Possi)
11. A menina dança - Novos Bahianos
12. Ai se eles me pegam agora - As Frenéticas

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Easy - resenha



"Quando Jacqueline segue o namorado de longa data para a faculdade que ele escolheu, a última coisa que ela espera é levar um fora no segundo ano. Depois de duas semanas em estado de choque, ela acorda para sua nova realidade: ela está solteira, frequentando uma universidade que nunca quis, ignorada por seu antigo círculo de amigos e, pela primeira vez na vida, quase repetindo em uma matéria. Ao sair de uma festa sozinha, Jacqueline é atacada por um colega de seu ex. Salva por um cara lindo e misterioso que parece estar no lugar certo na hora certa, ela só quer esquecer aquela noite - mas Lucas, o cara que a ajudou, agora parece estar em todos os lugares. A atração entre eles é intensa. No entanto, os segredos que Lucas esconde ameaçam separá-los. Mas eles vão ter de descobrir que somente juntos podem lutar contra a dor e a culpa, enfrentar a verdade - e encontrar o poder inesperado do amor."

A história criada por Tammara Webber é bem sublime, apesar de ter como tema base um assunto muito delicado, a violência sexual. O cenário é uma universidade americana e os personagens principais são jovens que ainda estão formando sua própria identidade: Jacqueline só está lá por causa de Kennedy, seu namorado, que acaba a abandonando um ano depois. Se sentindo perdida, ela vai a uma festa de fraternidade com sua amiga e o namorado dela, e mais tarde resolve voltar para seu dormitório sozinha. Já no estacionamento, ela é abordada  por Buck, um colega de Kennedy, que a ataca, jogando-a com violência dentro do carro para estuprá-la. Nesse momento surge, misteriosamente, um rapaz que tira o agressor de cima de Jacqueline e lhe dá uma surra. Após tentar acalmar um pouco a garota, ele a acompanha até seu quarto.

Depois dessa noite, muito envergonhada e com medo, Jacqueline vai ficando cada vez mais reclusa e não conta a ninguém o que aconteceu. Depois de perder vários dias de aula, e já quase reprovando numa matéria, ela retorna à sua rotina e, para sua surpresa, encontra o cara que a salvou do estupro na mesma sala de aula. Eles passam a se encontrar diversas vezes, em lugares diversos, mas a cada vez que ela vê aquele garoto se lembra da agressão que sofreu.

Apesar de ainda muito abalada, Jacqueline precisa correr atrás das matérias e tentar se recuperar, e um de seus professores lhe indica um tutor, Landon, que passa a ajudá-la com o conteúdo que perdeu. Eles sempre se comunicam  por e-mail, já que seus horários não batem e por isso eles nunca se encontram.

A cada troca de e-mail, Jacqueline vai se soltando e acredita que está nutrindo algum tipo de sentimento pelo tutor, que é sempre muito atencioso e gentil em suas mensagens. Mas por outro lado ela também começa a conhecer melhor seu salvador, Lucas, com seus mistérios e seu dom para o desenho, e vai aos poucos se interessando por ele também.

Em meio a esses dois rapazes tão diferentes e carinhosos, ela ainda tem que fugir de Buck, o estuprador, que faz outras investidas tentando a força conseguir alguma coisa com ela. Seu coração vai ficando dividido entra Lucas e Landon e ela cada vez mais confusa e amedrontada.

Não há como comentar mais nada sobre esse triângulo amoroso estranho que vai se formando sem dar spoilers da estória, mas é importante dizer que Jacqueline, apesar da confusão, consegue aos poucos se encontrar e descobrir aquele que realmente mexe com seu coração, e passa a investir nessa paixão. 

Para se defender de Buck, Jacqueline passa a fazer aulas de defesa pessoal, onde Lucas é o instrutor, e ele vai a ajudando nesse processo de aprendizado e descoberta de uma força que ela nunca tinha imaginado ter. Ao mesmo tempo em que a menina trabalha seus medos, ela também vai desvendando alguns mistérios da vida de Lucas, acontecimentos passados que marcaram sua vida e fizeram dele a pessoa boa que ele é agora, mas que também o tornam arredio, distante, até um pouco inseguro com novos relacionamentos. Claro que o medo e a dor de um ajuda a curar as feridas do outro, e assim eles vão se entendendo e deixando seus fantasmas para trás.

O livro vai muito além de um simples romance adolescente, e passa uma mensagem importante, a de que a mulher não é um objeto sexual e que qualquer tipo de abuso ou violência deve ser tratado como crime, aconteça onde acontecer, vindo de quem for, pessoa importante, conhecida, família ou amigo. E a autora também mostra as consequências que um estupro pode trazer à vida das pessoas envolvidas, tanto quando ela se abre e denuncia o agressor como quando não o faz.

"Easy"
Tammara Webber
editora Verus
308 páginas
Nota: 4,5
Nota no Skoob: 4,4
Onde comprar: Fnac, Saraiva e Skoob 

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Um pouquinho de...





"... É muito comum que garotas sensíveis se deixem envolver por histórias. Principalmente as de amor. E você, bom... Você é uma das garotas mais sensíveis que eu já conheci.
- Por que acha isso?
- Não sei. Mas leio bem as pessoas.
Sorrio, meio sem graça. Edward Cullen também lê as pessoas. Ele continua:
- Veja o caso dos livros da saga Crepúsculo, por exemplo. Minha irmã é totalmente fascinada por... como é mesmo o nome dele? Qualquer coisa Cullen...
- Pois essa não é a minha realidade, tá legal? - estouro. - Não mesmo! Você é um péssimo leitor de pessoas! Por acaso tenho cara de quem se envolve com histórias? De quem deixa a vida de lado por conta de um mundo encantado, de um amor arrebatado que só existe nas folhas dos livros ou nas telas do cinema? Hein? Acha que só penso nisso 24 horas por dia, sete vezes por semana e que coleciono fotos dos meus personagens favoritos? E que não consigo dormir? E que não faço mais nada na vida? Acha? Para seu governo, Pablo, nem conheço essa saga Crepúsculo. Nunca li. Nunca vou ler. - Bufo por fim, porque não quero chorar. Sei que estou vermelha, minhas bochechas estão pegando fogo."

página 85, capítulo 5


sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Sexta de música #42 - Room on Fire

Em outubro de 2003 a banda The Strokes lançava seu segundo álbum, "Room on Fire", que tinha a dura missão de continuar o grande sucesso alcançado por "Is This It" e seu hit "Last Nite"


"Room on Fire" estreou nas paradas americanas em 4º lugar e ganhou o disco de platina, principalmente pelo sucesso alcançado com as músicas "Repitilia" (que é minha segunda música preferida dos Strokes, perdendo apenas para "You only live once"), "12:51" e "The end has no end".


Dez anos se passaram e os meninos fizeram outros álbuns de sucesso, mas para os fãs "Room on Fire" traz algumas músicas clássicas da banda, que têm que fazer parte da playlist dos shows, com certeza.

Abaixo, o álbum completo para vocês ouvirem e, depois, o vídeo da música mais marcante desse trabalho dos Strokes, "Repitilia", para relembrar uma década de seu lançamento:





Promoção Natal Antecipado

Fim de ano chegando e aquela vontade de ganhar livros no Natal só aumenta. Pensando nisso, o Coisas que eu sei que eu sei se reuniu com mais sete blogs para realizar um sorteio que até Papai Noel vai ficar com inveja...


Serão sorteados dois kits para apenas um ganhador!



Blogs Participantes


Prêmios

Belo Desastre + Desastre Iminente | Coleção Emily Giffin - 4 livros





Informações Importantes

• É obrigatório curtir a página de cada blog no Facebook;
• Ter endereço de entrega no Brasil;
• O vencedor terá 72 horas para responder o e-mail com as informações para o envio dos livros;
• O prazo para envio dos livros é de 45 dias;
• Nenhum blog será responsável por extravio, roubo ou perda ocasionado pelos correios;
• Qualquer dúvida, deixe um comentário nesta postagem ou mande um e-mail para joana.masen@gmail.com.

O sorteio vai de 01/11 até 01/12

a Rafflecopter giveaway