sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Sexta de música #53 - Pelas Janelas


Ontem resenhei aqui o livro "Pelas janelas", de Juliano Cazarré, e aproveitei o assunto para criar a playlist de hoje só com músicas que falam sobre ou têm janelas no título. Ficou bem legal, espero que curtam =)

1. Esperando na janela - Cogumelo Plutão
2. Janela indiscreta - Lulu Santos
3. Quando o sol bater na janela do teu quarto - Legião Urbana
4. Esperando na janela - Gilberto Gil
5. Paisagem da janela - Ratto
6. Window in the sky - U2
7. Window to the soul - The Kooks
8. Window seat - Erykah Badu
9. Window blues - Band of Horses
10. Looking through the window - Jackson 5

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Pelas janelas - resenha


"Graças à qualidade de artista, de artista-poeta, Juliano Cazarré tem um jeito especial, contemplativo e sensível, de ver o mundo. É este olhar que ele apresenta em 'Pelas janelas', a primeira reunião de seus versos a ser publicada e que fala sobre as frestas por onde podemos espiar a vida. Impressionam as múltiplas facetas do autor, assim como o talento com que ele desempenha cada uma delas: roteirista, cineasta, ator (que ficou conhecido por viver o personagem Adauto na novela Avenida Brasil) e, a partir de agora, poeta. Como Wagner Moura destaca na orelha do livro, a melhor definição para o autor é artista; nesse texto de apresentação Wagner ainda completa: 'De todos, o poeta é sem dúvida o sumo do sujeito que faz arte, pois todo artista o que quer é criar poesia'. Através das janelas, Juliano enxerga o mundo: ora em um detalhe, ora com uma visão mais ampla. Todos os ângulos e distâncias, entretanto falam a uma gama enorme de pessoas - tudo porque seus poemas, que tocam no âmago, são universais."

Foi uma agradável surpresa descobrir que por trás daquela aparência simples de Juliano Cazarré mora um poeta sensível e com uma visão  tão peculiar de coisas simples da vida. Em seu livro de estreia, o autor/ator/cineasta nos apresenta uma série de poemas temáticos, alguns minimalistas, outros cheios de significados e referências inteligentes, que são, com certeza, suficientes para acrescentar mais uma habilidade a Juliano: poeta.

Eu costumo ler bastante poesia, também as escrevo, e encontrei nesse livro um estilo bem peculiar de retratar diversos assuntos e situações usando a poesia, de maneira rica e perspicaz. Não sei se eu seria capaz de desenvolver tantos poemas falando sobre o mesmo assunto, com conteúdo e todos muito bem estruturados e fazendo sentido, usando as palavras com inteligência, nos lugares certos.

Para citar um exemplo da facilidade com que Juliano trabalha assuntos complexos com maestria e faz referências a outros gêneros e personagens literários, o poema "Dois sonetos para Bartleby" fala sobre a criação do escritor norte-americano Herman Melville, e que deu origem ao termo Síndrome de Bartleby, que é usada quando um escritor, após atingir o ápice literário, decide parar de escrever. De forma lúdica o poeta insere a situação criada no conto de Melville no seu universo de janelas, sem que isso pareça forçado:

"Muito já foi dito
sem definitivo parecer,
sobre os motivos do escriturário
para preferir não fazer.

O enigma, entretanto,
é de fácil resolver. 
Era a vista de sua janela,
pobre de coisas para ver.

............................................

Mas janelas eram tudo
o que Bartleby não tinha.
Copiando não criava

e pela janela não via.
Desse jeito, eu também,
não fazer preferiria."

Chama a atenção também a facilidade com que o autor trabalha suas frases para dizer muito com bem pouco, como nas pequenas quadrilhas espalhadas ao longo do livro, denominadas "Quadrinhas infames". E alguns poemas de um verso só, espalhados ao longo do livro, mostrando algumas vezes verdades cruéis, e outras vezes um toque de humor.

"O olho mágico é uma janela que esqueceu de crescer."

Até quem não tem o hábito de ler poesia vai gostar desse livro; ele é de fácil leitura e compreensão. Os poemas de Juliano têm muitas janelas a serem desvendadas, desde as mais óbvias até aquelas mais secretas e encantadoras. Do vidro do metrô a janelinha deixada pelo dente que acaba de cair, as visões do autor através de cada uma delas vai encantar a todos.

Pelas janelas
Juliano Cazarré
editora Dublinense
nota do blog: 5
nota do Skoob: 3
onde comprar: Submarino, Americanas e Saraiva

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Trailer oficial de "A culpa é das estrelas" - ATUALIZADO







Enfim saiu o trailer oficial do filme "A culpa é das estrelas", adaptação do romance de John Green que tem estreia marcada para 6 de junho nos EUA e 15 de agosto aqui no Brasil.

Os atores Ansel Elgort e Shailene Woodley interpretam Gus Waters e Hazel Grace e o filme foi dirigido por Josh Boone

Sei Que Eu Sei News #8


 Uma das adaptações mais aguardadas para esse ano com certeza é o filme "A culpa é das estrelas", que, infelizmente, só vai estrear nos cinemas brasileiros 3 meses depois da estreia americana em 6 de junho. Isso mesmo, 3 MESES! Só mesmo esse atraso poderia chatear mais os fãs da estória de John Green depois da gafe da frase "doentes de amor" no poster do filme:


O trailer oficial sai hoje, mas já vazou no Youtube e algumas pessoas conseguiram assistir antes que ele fosse retirado do ar. Eu não vi, e por isso fiquei contente com o teaser de 15 segundos divulgado pelo próprio John Green:





E outro filme que vem sendo bastante comentado nas redes sociais é "Cinquenta tons de cinza", que só vai estrear em 2015, mas já teve seu primeiro poster divulgado:



Depois da escolha de Charlie Hunnam para viver Christian Grey e sua posterior desistência, resolvi me abster de comentar sobre o filme até que tudo estivesse confirmado e as fãs se conformassem com os atores designados a dar vida aos personagens no cinema. Eis que agora, com as filmagens em curso, a maioria das pessoas já se conformou e, como eu, já se acostumou com a carinha de Jamie Dornan como o bonitão Grey, e tudo parece que vai acabar bem, rs.

O que vocês acharam do poster? 



E o McDonalds vai substituir o brinquedo por livros infantis no McLanche Feliz. A partir de fevereiro a rede de fast food vai lançar uma campanha que promete distribuir 10 milhões de exemplares por todo o Brasil, a fim de estimular nas crianças o hábito da leitura. Cá entre nós, já era hora. Para uma empresa que tem tanto poder de influenciar pessoas, já deveriam estar fazendo isso há muito tempo.

De início serão seis títulos de autores nacionais, como Ana Maria Machado, Vinícius de Moraes, Toquinho, Caio Ritter e Marcelo Pires. A editora Planeta foi a escolhida para fazer edição dos livros.

A ideia é que a campanha seja feita de tempos em tempos, mas que se torne um hábito aqui no Brasil. O diretor de planejamento de marketing da empresa, Daniel Arantes, disse: "Se a gente fizer que uma criança saia das nossas lojas com um livro e compartilhe com um amiguinho, teremos a nossa missão cumprida. Dizem que poesia não enche barriga, mas enche a alma... Nossos clientes vão poder sair dos nossos restaurantes com a barriga e alma cheias agora".

A iniciativa é muito boa e poderia ser seguida por mais empresas, assim como já faz o Itaú. Tomara que consigam alcançar muitas crianças e disseminar de verdade o hábito da leitura.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Cheiro de livro novo #15

Novos livros (velhos) na estante essa semana. Velhos porque um veio do sebo e os outros não são tão novos assim, rs.


Fiz uma excelente troca pelo Skoob e finalmente vou ler "Budapeste":


Comprei no site Estante Virtual esse livro incrível de poemas escritos pelo ator Juliano Cazarré. Sério, ele é muito bom, vocês precisam conhecer:


Ganhei de aniversário da minha amiga Marina. Amei, agora tenho todos do John Green =)


Também comprei esse último livro do Veríssimo que eu vinha namorando há meses.


Para me ajudar nas leituras, comprei esses post-its fofos com tema londrino. Eles são pequenos e facilitam a marcação dos pontos interessantes dos livros, além de deixarem as páginas um charme ;)


E como um escritor nunca pode sair de casa sem papel e caneta, comprei meu caderninho de anotações para 2014. Lindo, com o Snoopy sendo fofo na capa.


E aí, o que vocês acharam dessas minhas aquisições. Comentem, façam uma blogueira feliz!

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Um pouquinho de...

"... a janela da poesia
é de todas a mais aberta.
Impossível fechá-la ou contê-la.
É ampla. É incompleta."

(Metajanela, página 77)

sábado, 25 de janeiro de 2014

1, 2, 3... PIN!

Esse tem sido o pedido de muitas pessoas no Facebook, citando a música de Djavan: um dia frio, um bom lugar para ler um livro... Que tal esse?



quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Desastre Iminente - resenha



"Travis perdeu a mãe muito cedo, mas, antes de morrer, ela lhe ensinou duas regras de vida: ame muito, lute mais ainda. Tendo crescido em uma família de homens que gostam de jogos e lutas, Travis Maddox é um cara durão. Musculoso e tatuado, bad boy até o último fio de cabelo, ele leva uma mulher diferente para casa a cada noite. Até conhecer Abby Abernathy. Determinada a se manter longe de problemas, Abby resiste com todas as forças ao charme de Travis, sem saber que assim só o deixa ainda mais determinado a conquistá-la. Será que o invencível Travis 'Cachorro Louco' Madoxx vai ser derrotado por uma garota?"

Esse livro não é uma continuação de "Belo Desastre" (resenha aqui) e sim, a mesma estória contada por Travis. Acho interessante esse exercício de inverter o ponto de vista e esmiuçar os pensamentos de um personagem que não era o narrador num primeiro momento, mas está virando modinha. A autora Jamie McGuire conseguiu desenvolver bem essa segunda versão dos mesmos acontecimentos do primeiro livro, mas mesmo assim, ele continuou lento.

Todos os principais conflitos que surgiram quando Abby era a narradora estão presentes aqui, alguns mais detalhados, outros apenas citados, mas em todos eles a visão de Travis é bem diferente daquela que eu imaginava. Ele se descobre um romântico quando se apaixona por Abby, ainda que não queira assumir esse seu lado.

As lutas ainda continuam, há momentos de violência e eles ainda bebem muito - do meu ponto de vista -, mas achei que narrativa num geral ficou focada mais nos sentimentos mais profundos de Travis, coisa que quase não existia em "Belo Desastre".

A mecânica do relacionamento deles é a mesma: se conhecem durante uma luta de Travis, vão ficando amigos por causa da proximidade de Abby com Shapley, primo que divide o apartamento com Travis e namora a melhor amiga de Abby, America. Da amizade vai nascendo um interesse de Travis em Abby, mas ela, aparentemente, não corresponde. E então vem a aposta, que faz com a garota passe 30 dias morando com Cachorro Louco, dormindo na mesma cama que ele, mas evitando qualquer tipo de contato mais íntimo.

É legal ver o que não ficou explícito no primeiro livro, ou seja, o imenso amor que Travis nutre por Abby e o quanto esse sentimento o faz sofrer quando ela vai embora, quando ela dá uma de idiota e tenta se envolver com outro cara pra esquecer Travis e até quando ele descobre que sua possessividade é quase uma doença.

A narrativa continua lenta... a estória tem muitas reviravoltas, mas tudo poderia ser contado com uma dinâmica diferente, que desse mais velocidade ao livro. Eu gosto de romances e ler um onde o narrador é o homem é muito interessante, pois nos aproxima do mito do príncipe encantado, alimentado desde a infância e tão complicado de ser encontrado na vida real, mas esse romance entre Travis e Abby não me conquistou 100%.

Também achei desnecessário o prólogo, com a cena da morte da mãe do Travis, só para inserir na estória uma explicação para a teimosia de Travis em correr atrás de Abby - a mãe pediu no leito de morte que ele lutasse pela mulher que viria a amar um dia.

O ponto positivo do livro é o epílogo: há uma mudança total no rumo da estória e uma abertura para um próximo livro, que poderá falar de um dos irmãos de Travis, e não apenas do casal. Foi uma ótima tática usada pela autora, mantendo a porta aberta para possíveis continuações com tramas diferenciadas.

Desastre Iminente
Jamie McGuire
editora Verus
405 páginas
nota do blog: 3.7
nota do Skoob: 4.6
onde comprar: Submarino, Americanas

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

30 anos de Dragon Ball



Em comemoração aos 30 anos da criação da saga Dragon Ball, 50 artistas brasileiros desenharam alguns dos personagens, imprimindo a eles seu próprio estilo. Todos essas obras estão reunidas numa conta do Tumblr, que pode ser acessada clicando aqui.


Para os fãs do mangá criado pelo japonês Akira Toryama, seguem alguns desses trabalhos abaixo:







terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Sei Que Eu Sei News #7


Na última semana li nas redes sociais uma notícia muito legal e outra nem tanto...

A editora Galera Record anunciou que já tem a data para o lançamento da 3ª parte de "Métrica". Quem acompanha o blog já sabe que esse foi um dos meus livros preferidos do ano passado (e de todos os tempos).


A trilogia de Colleen Hoover tem feito muito sucesso entre os leitores brasileiros, e está programada pra terminar no segundo semestre desse ano. Nesse próximo livro a estória do primeiro será narrada por Will, assim como aconteceu em "Pausa", mas ele vai contar sua perspectiva dos acontecimentos de "Métrica". As resenhas podem ser lidas aqui e  aqui. 

E para quem também é fã do romance entre Layken e Will, aguardem, pois os direitos de adaptação da obra para os cinemas já foram negociados pelo mesmo produtor de "Transformers", Lorenzo di Boaventura. Tomara que ele consiga fazer um bom trabalho.


A segunda notícia se refere a adaptação de "1984" para os cinemas com Kristen Stewart interpretando Julia, a mulher que se envolve com Winston no clássico de George Orwell. O filme se chamará "Equals" e será uma versão romântica (?) do livro. O ator que viverá Winston será Nicholas Hoult, que já trabalhou em "X-Men: Primeira Classe".


Eu não gosto da Kristen, então sempre tenho minhas ressalvas com qualquer um de seus papéis, mas a rejeição não foi só minha: muitos fãs da obra de Orwell protestaram nas redes sociais contra a escolha da atriz e se mostraram preocupados com a transformação do livro num romance, questionando como será retratado o famoso "quarto 101", onde os prisioneiros do Grande Irmão eram apavorados por seus piores medos e fobias. A hashtag #romantic1984 logo alcançou o primeiro lugar entre os assuntos mais comentados do Twitter.

Claro que tudo tem seu lado bom, e nesse caso as fãs ardorosas da saga "Crepúsculo" certamente irão comprar "1984" para ler e conhecer a estória que será vivida por Stewart... e seja o que Deus quiser!

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Um pouquinho de...

"Minha única diversão era procurar lugares de onde eu pudesse ver, nos fins de tarde, o pôr-do-sol. Não perdia um. No topo de edifícios, nas praças, nos morros. Via a cidade, o céu e o avermelhado do pôr-do-sol. Não sei por que fazia aquilo. Alíás, eu nunca sabia por que fazia uma porrada de coisas. Mas eu gostava de ver as muitas tonalidades que o céu ganhava nos fins de tarde. Gostava principalmente de ver o sol afundando no horizonte. 'O sol não é apenas novo a cada dia, mas sempre novo continuamente', era o que estava pichado numa pracinha. O universo em expansão. Assim são as coisas."

(pág. 82)

sábado, 18 de janeiro de 2014

1, 2, 3... PIN!

Vai um gelinho ai?


Com esse calorão, não se esqueçam de beber muito líquido!

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Sexta de música #52 - Blecaute

Ontem eu postei aqui a resenha do maravilhoso livro "Blecaute", e se você ainda não leu, não sabe o que está perdendo. Aliás, tem promoção rolando também, acessem o post e participem ;)

E como hoje é dia de música, montei uma pequena playlist com canções que poderiam compor a trilha sonora desse livro, quem sabe até de uma possível adaptação dele para o cinema... quem sabe?

São 5 músicas escolhidas para momentos específicos da estória: para o relacionamento tenso entre Rindu e Martina, para a aparição de animais selvagens na cidades, para o ataque de Mário ao bunker e seu desaparecimento logo depois e para a sensação de vazio dos personagens diante da cidade abandonada. A última música representa a constatação de que, mesmo tendo São Paulo inteira para eles, Rindu, Mário e Martina não conseguem se livrar de seus próprios temores e frustrações.

Então curtam a playlist e deixem seus comentários dizendo o que acharam, ok?

1. What if I do? - Foo Fighters (letra e tradução aqui)
2. Bichos escrotos - Titãs (letra aqui)
3. I disappear - Metallica (letra e tradução aqui)
4. Lonely day - System of a down (letra e tradução aqui)
5. De você - Pitty letra aqui)

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Blecaute - resenha + sorteio


"Três amigos - os inseparáveis Rindu e Mário, mais a estudante de Letras, Martina - saem em uma expedição às cavernas do Vale do Ribeira. A aventura desanda em desastre. Após um cochilo num dos salões da Gruta da Rainha, os exploradores se veem presos na caverna. Um dos riachos internos enche e bloqueia a saída. Sem saber o que fazer, Rindu, Mário e Martina aguardam as águas baixarem. Três ou quatro dias depois, eles conseguem emergir da caverna para fazer uma absurda constatação: todas as pessoas à sua volta viraram 'duros', paralisados como estátuas de cera ou bonecos de plástico. Um estranho fenômeno ocorreu e os três se tonaram os únicos habitantes vivos no planeta."

Há tempos eu elogio esse livro e seu autor aqui, e já era hora de resenhá-lo. Reli para relembrar os detalhes e não escrever besteira. E ainda adicionei um sorteio para vocês: quando a página do blog no Facebook alcançar 450 seguidores (tá fácil), vou sortear um exemplar de "Blecaute" entre todos os participantes. Mas para tornar a experiência do leitor ainda mais interessante, o exemplar sorteado será de um sebo, e não um livro novo, ok? Quero que todos leiam e se apaixonem pela mais incrível obra de Marcelo Rubens Paiva.

Logo no início do livro, o autor explica que se inspirou no antigo seriado "Além da imaginação" para escrevê-lo, e só com o decorrer da leitura é que podemos entender porque: tudo aqui é muito absurdo, mas com uma capacidade de nos fazer confrontar a realidade e nossa importância no mundo.

Depois de uma expedição a uma gruta, os amigos Rindu - que narra a estória -, Martina e Mário voltam para São Paulo e já na estrada começam a perceber coisas estranhas: caminhões atravessados na pista, nenhum movimento de veículos... até que chegam a cidade e contatam que todo mundo está paralisado, como que plastificado, e eles são os únicos seres vivos restantes.

Durante algum tempo eles esperam algo mudar e procurar por respostas, ou por mais sobreviventes, mas não encontram nada, então resolvem aproveitar as oportunidades que aquela imensa cidade lhes oferece. Entram em hotéis de luxo, catedrais, museus e até batalhões da polícia, ao mesmo em que têm esperança de encontrar alguém vivo, vão pegando algumas coisas e destruindo outras.

O trio acha interessante quando percebem que os animais não foram afetados pelo fenômeno, já que veem ratos, gatos, cachorros e pombos soltos pela cidade. Num certo momento, até um puma aparece. Eles decidem se mudar para uma grande casa na Avenida Paulista e passam a viver ali, tentando parecer normais, mas isso era difícil, já que para todo lado que iam, as pessoas paralisadas lhes lembravam do que estava acontecendo.

Nem só de drama viveram os três amigos, eles também se divertiram bastante. Martina tomou conta de uma rádio durante um tempo, de onde tocava várias músicas e tentava passar algumas notícias. Mário, já mostrando instabilidade emocional, recolhia armas na ROTA e no exército e reforçava a segurança da casa, quase transformando-a num bunker. E Rindu gostava de passear pela cidade e imaginar as histórias das pessoas que estavam duras, mas sempre questionando sua própria existência e o por quê de tudo aquilo. 

Num dos momentos mais descontraídos do livro, Mário diz a Martina que fará tudo o que ela desejar e ela pede para que ele derrube a antena da Rede Globo na Paulista. Eles sobem no prédio, enchem uma coluna de explosivos e a antena cai. Em outro dia, Mário e Rindu usam um caminhão de bombeiros para tingir a mesma avenida de vermelho, como que marcando seu território e mostrando que podiam fazer tudo o que quisessem, já que eram os únicos na cidade.  

Em meio a essa busca por sobreviventes e a luta pela própria vida, começaram a surgir os conflitos entre eles: Mário e Martina eram namorados, mas viviam brigando e se desentendendo, e Rindu era muito tímido e tinha uma certa tendência à depressão. Muitas vezes Mário saiu da casa e passou algum tempo fora, deixando os amigos sozinhos, e quando Martina sugeriu que eles tivessem filhos e repovoassem a terra, ele achou um absurdo. Aos poucos a menina ia ficando mais próxima de Rindu, que era mais sensível e a entendia melhor, e, apesar de Mário muitas vezes demonstrar que não dava a mínima para ela, ele começou a sentir ciúmes.

Claro que o que afastaria os amigos seria um triângulo amoroso, meio desajeitado, e que despertou a ira de Mário. Ele se afasta mas não consegue aceitar a proximidade de seu amigo com Martina, e os ataca. Rindu se defende e Mário some. Como são melhores amigos desde a infância, ele acaba saindo a procura de Mário, lembrando de coisas que já tinham vivido e de lugares onde já tinham passado, e a estória vai caminhando para um final curioso.

O livro tem diálogos interessantes, que podem não parecer muito profundos, mas que questionam inteligentemente a rotina de trabalho, os estudos, a família, quem somos e o que fazemos, percebendo que tudo pode acabar em um segundo e nada disso terá importância. É aqui que fica claro o talento do autor em nos conduzir para uma estória absurda, mas carregada de reflexão sobre nossos valores.

O final é brilhante, e cada leitor pode fazer sua própria leitura do significado de tudo aquilo que viveram Rindu, Mário e Martina.

Para participar do sorteio, basta seguir o blog no Facebook e responder a pergunta sobre a resenha (únicas regras obrigatórias), e, se quiser mais chances de ganhar, é só seguir os demais passos. Boa sorte!


a Rafflecopter giveaway



Informações Importantes

• É obrigatório: curtir a página do blog no Facebook e responder a pergunta sobre a resenha;
• Ter endereço de entrega no Brasil;
• A promoção começa em 16/01/2013 e termina quando a fanpage alcançar 450 400 seguidores (alterei para 400 para o sorteio ser mais rápido). O resultado será divulgado nesse post e nas redes sociais;
 • O vencedor terá 72 horas para responder o e-mail com as informações para o envio do livro;
• O prazo para envio do prêmio é de 30 dias;
• O blog não é responsável por extravio, roubo ou perda ocasionado pelos Correios;
• Qualquer dúvida, deixe um comentário nesta postagem.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

TAG: The Name Game Book


Hoje vou fazer mais uma TAG. Essa eu vi no blog 500 days of Sam, e consiste em encontrar na minha estante livros cujas primeiras letras de seus títulos formem o meu nome. Parece fácil, mas fui um pouco exigente e não quis usar nenhum livro que começasse com "os" ou "as", e por isso ficou um pouquinho complicado, principalmente na letra "o".

Ah! Só para reforçar, meu nome é J-O-A-N-A, ok? rsrsrs.


J - Jane Eyre, Charlotte Brontë: ainda não li, mas está na meta para esse ano.
Engraçado que o nome do livro também é um nome próprio ;)











O - Orgulho e Preconceito, Jane Austen: outro que ainda está na fila, mas antes de ler quero completar essa coleção linda da editora Martin Claret. Quem sabe na próxima Bienal né...










A - Alice no país das maravilhas, Lewis Carroll: já li? nãããããão! Mas vi o filme, rsrs. Outro livro com nome próprio =)










N - Nunca fui santo, Mauro Beting: também não li, mas meu marido leu e adorou. Foi um presente de aniversário para ele, e acho que vale porque está na minha estante. Essa letra foi bem difícil, já que eu não queria títulos iniciados por artigo, como  "no" ou "na".








A - Amor de perdição, Camilo Castelo Branco: enfim um que eu já li!!!! Faz tempo, foi na época do colégio e acho que já está na hora de reler.











Espero que tenham curtido a TAG e se quiserem fazer fiquem à vontade.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Um pouquinho de...

 "O coração de um homem
não é um coração
se seu coração não for amado por uma mulher.
O coração de uma mulher
não é um coração
se seu coração não estiver amando um homem.
Mas o coração de um homem e de uma mulher apaixonados
pode ser pior do que não ter um coração
pois ao menos se você não tiver um coração
ele não morre quando partir aos pedaços."

(página 172, capítulo 10)

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Sexta de música #51 - TAG 5 CDs & 5 músicas favoritas


A coluna musical hoje vai ser um pouquinho diferente: vi no blog Livros & Travessuras? uma TAG criada pelo Geovanne que lista os 5 CDs preferidos dele e uma música de cada um, e achei muito legal, por isso, vou fazer também.



Foi difícil escolher só 5 CDs, já que tenho muitos e todos eles têm sua importância pra mim, mas optei por aqueles que mais ouvi desde que comprei:


Impossível calcular quantas vezes ouvi esse álbum desde o seu lançamento em 1997... ele é perfeito! Tem todos os integrantes do Titãs participando e a melhor seleção de músicas que seria possível na época. Ouvi durante toda a minha gravidez e acreditava que o bebê gostava, e quando ele nasceu, colocava o CD pra ele dormir... Agora, muito anos depois, perguntei se ele conhecia "Pra dizer adeus" e ele disse que lembra da melodia. Bacana né? Minha música preferida são todas, mas como tenho que escolher uma vou de "Nem 5 minutos guardados", faixa 5.


E o que dizer desse próximo CD? Não sei como ele não gastou de tanto tocar!


Assisti ao MTV ao vivo Raimundos e pirei. Quando comprei o CD não conseguia passar um dia sem ouvi-lo, e isso durou meses e meses. Já conhecia a banda, mas foi com esse álbum que eles me conquistaram de vez. Como o CD é duplo vou escolher uma música de cada ;)




Na minha seleção na podia faltar Legião Urbana, e esse é o meu álbum preferido deles, desde que o ouvi em vinil.


"As quatro estações" tem as melhores músicas da banda, entre elas "Eu era um lobisomem juvenil", que é a minha preferida, ao contrário da maioria das pessoas que gosta de "Pais e filhos":


Assim como "Faroeste caboclo", aprender a letra dessa música também era um desafio. Ainda mais quando só tinha o disco para ouvir.


Qual a banda que não pode faltar em nenhuma seleção? Skank. Eles sempre têm uma música boa para qualquer ocasião, e não é a toa que nas duas últimas edições do Rock in Rio o show deles agitou a galera.


"Maquinarama" é o melhor disco deles, com certeza. E as minhas músicas preferidas são "Ali", "A última guerra" e "Canção noturna".


Como não gostar de Red Hot? Lembro que quando comprei esse CD paguei caro e tive até que parcelar, rsrsrs. Era uma época em que todo mundo ainda comprava CDs  (mesmo que caros).


Quando ouvi o riff de "Around the world" pensei: se a primeira música já é assim, não tem como as outras serem ruins. E não eram. Dá pra ficar ouvindo o dia inteiro sem enjoar, e no dia seguinte ouvir de novo. Tem muitos clássicos nesse álbum: "Scartissue", "Road trippin", "Otherside" e "Californication".


É isso galera. Com muita dificuldade escolhi esses 5, mas poderia fazer essa TAG mais umas 10 vezes para conseguir mostrar a vocês meus CDs e minhas músicas preferidas.

Quem quiser responder a TAG fique a vontade, o Geovanne autorizou, no blog dele mas pediu que usassem a imagem criada por ele, aquela do início do post. E não deixem de nos avisar nos comentários para que possamos ver suas seleções.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Pausa - resenha


"Destinados um ao outro, Layken e Will superaram os obstáculos que ameaçavam seu amor. Mas estão prestes a aprender, no entanto, que aquilo que os uniu pode se transformar, justamente, na razão de sua separação. O amor pode não ser o bastante. Depois de testado por tragédias, proibições e desencontros, o relacionamento de Layken e Will enfrenta novos desafios. Talvez a poesia desse casal acabe num verão solitário... Sem direito a rimas ou ritmo. A ex-namorada de Will retorna arrependida de ter deixado o rapaz e está disposta a tudo para reconquistá-lo. Insegura, Layken começa a ler novas reações no comportamento de Will e, na insistência para adiar a 'primeira vez' de ambos. Presos em uma ironia cruel do destino, eles precisam descobrir se o que sentem é verdadeiro ou fruto da extraordinária situação que os uniu. Será que é amor? Ou apenas compaixão?"

A continuação de "Métrica" traz um pouco menos de poesia do que eu esperava, mas isso é totalmente justificado; aqui o foco é mais no relacionamento de Layken e Will e em como eles têm que aprender a viver contando apenas com o apoio de um ao outro.

Depois de grandes perdas sofridas pelo casal, agora eles estão mais unidos que nunca e compartilham as alegrias e desventuras de ser responsável por uma criança, já que cada um tem um irmão mais novo que tem que cuidar.

Apesar de se amarem muito, agora esse amor é colocado à prova, pois Will reencontra sua ex-namorada na faculdade, e, aparentemente, ela quer reatar o namoro. Ele fala que está apaixonado por outra, mas a garota não desiste e acaba colocando Will numa situação complicada com Layken, que se afasta e não sabe mais se devem continuar juntos. 

Então Will tem mais uma vez que provar que a ama pelos motivos certos, e não apenas por compaixão devido a situação ímpar que os uniu, e ele lança mão de sua poesia para conquistar Layken definitivamente.

O mais bacana de "Pausa" é que a estória é narrada por Will e não por Layken, como foi no primeiro livro, mas não é a visão dele de "Métrica", mas sim, a continuação dele. E a autora também inseriu novos personagens que se encaixaram perfeitamente na trama, como a menina Kiersten, que tem a mesma idade que os meninos Kel e Caulden, mas parece infinitamente mais madura que eles, e a mãe dela, que é bem descolada e muito consciente.

Os amigos que apareceram no primeiro livro estão lá, com um pouco menos de destaque, mas com sua importância dentro do enredo, além da participação de um antigo amigo de Will, que se mostra não tão amigos assim.

O livro também tem a sua pitada de drama, como não poderia deixar de ser: mais uma perda repentina ameaça a relação de Will e Layken, mas as coisas são lentamente se resolvendo.

Também tem momentos emocionantes durante o slamm, que é a apresentação onde pessoas declamam seus poemas. Para quem quiser saber mais sobre poesia e slamm, acesse os posts da semana especial "Métrica" aqui.

Gostei muito dessa leitura, mesmo que não tenha chorado nem me emocionado tanto quanto no primeiro, mas também passei por alguns trechos em que fiquei com os olhos cheios d'água. Agora é só esperar o desfecho no terceiro volume.


"Pausa"
Colleen Hoover
editora Galera Record
304 páginas
nota: 5
nota no Skoob: 4,5
onde comprar: Submarino, Saraiva

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

As leituras de Lisa Simpson


Acredito que todo mundo já tenha assistido a pelo menos um episódio de "Os Simpsons", não é mesmo? Então todos já devem ter visto que Lisa é uma menina inteligente, nerd e que adora ler. Aliás, ela já leu mais livros nos seus 25 anos de existência do que muita gente por aí.


Então criaram um Tumblr dedicado a mostrar todos os livros lidos por Lisa no desenho, o "The Lisa Simpson Book Club" (que você pode acessar clicando aqui), e algumas imagens estão nesse post. Vamos conferir?

Aqui com Asterix 

Lisa feliz com o clássico "Os irmãos Karamazov", de Dostoievski

Tintin, de Hergé

Apesar de admitir que não gosta, ela também leu "Harry Potter"

"Folhas da relva", de Walt Whitman, para mostrar que também aprecia poesia.

 Passeando entre os mais diversos gêneros, Lisa lê os contos dos Irmãos Grimm e...

... uma revista de celebridades!

Conheçam o site, além de livros reais e fictícios lidos por Lisa, ele também mostra imagens de outros personagens do desenho com referências literárias ou brincadeiras com algumas obras. Vale a visita.


"Qual o problema querida? O personagem do livro está com dificuldades?"