segunda-feira, 3 de março de 2014

Carnaval literário: A droga da obediência - resenha


"Num clima de muito mistério e suspense, Os Karas enfrentam uma trama internacional macabra, que está testando uma perigosa droga em adolescentes dos melhores colégios de São Paulo. Essa droga pretende reduzir a humanidade inteira à obediência absoluta e aos desígnios do sinistro Doutor Q.I."

Na primeira aparição do grupo de amigos auto denominado Os Karas, conhecemos os jovens Calu, Crânio, Miguel, Magri e Chumbinho, alunos de um colégio particular de São Paulo, o Elite, e que, aparentemente, são apenas estudantes comuns, mas que se mostram muito corajosos e inteligentes, capazes de resolver grandes mistérios que nem a polícia consegue solucionar.

Um caso vem desafiando as autoridades da cidade: adolescentes desaparecem sem deixar rastros, e o único detalhe conhecido é que somem dois alunos de cada colégio renomado da cidade. Esses jovens nunca deram nenhum tipo de trabalho antes, sendo alunos exemplares e ótimos filhos, o que só aumenta a curiosidade da imprensa e da polícia.

No colégio Elite um menino sumiu, e seguindo o mesmo padrão, mais cedo ou mais tarde outro aluno irá desaparecer. É ai que entre o grupo dos Karas. Os meninos se reúnem no forro do ginásio da escola para tentar traçar um plano e impedir o sequestro de mais um jovem inocente. Calu, Crânio, Miguel e Magri já estão acostumados a trabalhar juntos resolvendo alguns enigmas - nada tão sério quanto agora - e têm até um código secreto para se comunicar. De repente eles descobrem que um menino bem mais novo que eles quer entrar para o grupo, e que já sabe de todos os detalhes sobre Os Karas, incluindo o local onde se encontram e até o código secreto.

Os três acabam cedendo à pressão de Chumbinho, mas pretendem apenas distraí-lo com pistas falsas enquanto investigam o caso realmente. Eis que, para surpresa do trio, é o pequeno Chumbinho quem fica cara a cara com o possível sequestrador de estudantes, e acaba sendo a sua próxima vítima.

Chumbinho é levado para um lugar estranho, afastado de tudo, sem nenhuma janela e muito bem guardado por seguranças armados, onde os outros jovens raptados estão servindo de cobaia para um homem misterioso, que está testando uma nova droga. Os meninos e meninas que já estão sob o efeito dessa droga agem como robôs, só fazendo o que lhes é mandado e sem ter nenhum tipo de emoção ou reação espontânea. Chumbinho se mostra muito esperto e consegue enganar os homens que trazem a droga não ingerindo o comprimido, e, assim, ele consegue ver e sentir tudo o que está acontecendo ali.

Enquanto isso, os outros Karas vão tentando descobrir o que aconteceu com o membro mais novo do grupo, que eles julgavam ser apenas um adolescente deslumbrado, mas que se mostra digno de fazer parte da turma. Ele deixou algumas pistas que só os Karas são capazes de decifrar, e com elas os meninos conseguem encontrar o local onde as cobaias estão, com a ajuda do detetive Andrade, que depois se tornará um amigo do grupo.

O homem misterioso por trás da droga da obediência é o Doutor Q.I., que pretende lançar no mercado esse comprimido que controla todo e qualquer sentimento dos adolescentes, fazendo com que eles não pensem por si mesmos nem tenham vontade própria. Ele quer assim controlar a mente das pessoas e fazer com que elas percam a noção de autopreservação, de medo e de dor, passando a ser super humanos, sem nenhum limite físico. Um mundo onde ninguém pensa, ninguém opina e faz tudo o que é mandado é o sonho de qualquer ditador maluco: não seria mais preciso enfrentar revoltas ou desobediências, e todos seriam submissos e passivos ao controle do ditador.

Os Karas conseguem invadir o laboratório Pain Control, onde a droga é fabricada e testada, e salvar todos os jovens que ainda estavam ali sob o domínio do malvado Doutor Q.I., que foge e por um curto período ainda mantém sua identidade em segredo. Até isso os Karas conseguem descobrir, e o detetive Andrade faz as prisões e dos envolvidos e elucida todo o caso.

"A droga da obediência" tem todos o elementos necessários para uma boa estória policial: um vilão malvado, um policial bom contra um ruim, planos bem traçados, perseguição e até um toque de romance. Talvez sejam essas características que tenham conquistado tantos leitores através dos anos, ou mesmo a forma como Pedro desenvolve sua narrativa, o fato é que todos os jovens que leem esse romance se encantam com Os Karas, e levam essa experiência para o resto de suas vidas.

A droga da obediência
Pedro Bandeira
editora Moderna
140 páginas
nota do blog: 4.9
nota do Skoob: 3.9
compre pelos links: Cultura ou Saraiva  

2 comentários:

  1. Boas lembranças ao ler a droga da obediência na escola.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Época boa em que o tempo para ler era bem maior que o de hoje, rsrs.

      Excluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!