quinta-feira, 20 de março de 2014

The walking Dead, O caminho para Woodbury - resenha



"Há alguns meses que Philip Blake, o temido e ao mesmo tempo adorado Governador, organizou Woodbury para que a cidade murada fosse um local seguro no qual as pessoas pudessem viver em paz em meio ao apocalipse zumbi. e paz e segurança é tudo o que Lilly Caul, que tenta desesperadamente sobreviver a cada dia que nasce, quer. Porém, mal sabe ela que seguir em direção a Woodbury é estar a um passo do perigo. Uma horda de errantes famintos não é nada perto do que se pode encontrar por lá."

Depois de tomar à força o poder da cidade conhecida como Woodbury, Philip Blake administra friamente seu espaço, aliciando alguns homens e formando um exército fiel a ele, capaz de lutar até o fim para proteger o Governador e sua cidade.

Nesse livro temos a entrada de novos personagens: Lilly, Bob, Megan e Josh, que inicialmente estão com outras pessoas num acampamento, onde tentam se defender dos ataques dos zumbis e levar uma vida boa na medida do possível. Alguns incidentes acabam forçando o grupo a se afastar do acampamento, e eles caem na estrada em busca de um lugar seguro para ficar.

No meio do caminho, são encontrados por alguns homens de Woodbury, que os convencem a ir até a cidade com eles, dizendo que lá é vão encontrar a segurança que procuram. Lilly e seus amigos aceitam a oferta mas, ao chegarem ao local, percebem que nem tudo são flores.

Na cidade paira um falso clima de tranquilidade, mas, na verdade, algumas pessoas tiram proveito da insegurança da maioria dos moradores e abusam do pouco poder que têm. E o próprio Governador prefere usar a violência como principal recurso para manter a ordem dentro dos muros da cidade.

Insatisfeita com o rumo que as coisas vão tomando, Lilly planeja derrubar o Governador, acreditando que ele é o principal problema do local e que, sem Philip por perto, todos vão poder reconstruir Woodbury juntos e democraticamente.

Lutando contra o medo que sentiu a vida toda, Lilly decide por em prática seu plano para tirar Philip de cena, acreditando que assim vai conseguir aplacar um pouco do sofrimento pelas perdas que sofreu, além de proporcionar uma vida melhor para todos os moradores de Woodbury. Mas talvez sua vontade não seja o suficiente para operar tantas mudanças.

O livro é bastante intenso, repleto de encontros terríveis com hordas de zumbis e tentativas de fuga, além de alguns momentos de romance. A personagem Lilly é muito passiva no começo da estória, e em alguns momentos me fez desejar que algo bem ruim acontecesse com ela. Aos poucos ela vai crescendo e ficando mais forte, mas nem isso conseguiu me fazer criar uma empatia com ela. Mesmo depois de tudo o que ela passou, a dor que ela sofreu e as perdas que ela teve, não consegui sentir pena ou afeição por ela.

Megan, amiga de infância de Lilly, é o oposto da mocinha: ela aproveita cada minuto de sua vida como se não houvesse amanhã, e na maioria das vezes até exagera, fazendo sexo com qualquer um em troca de roupa, comida e drogas. Mas não é possível julgá-la, diante da situação horrível em que ela se encontra.

Já Bob, o médico do exército que vive sempre bêbado, acaba se apaixonando por Megan mas sabe que ela jamais vai corresponder a esse amor, e acaba se tornado um aliado do Governador logo que chegam a Woodbury. E Josh se envolve com Lilly, faz planos para um futuro juntos, mas v~e tudo desmoronar quando a moça revela que não se sente da mesma forma em relação a ele.

Em paralelo aos conflitos pessoais, o Governador cria uma arena onde põe para lutar alguns homens que estão há tempos presos nos porões da cidade com zumbis capturados por ele e seus capangas. Essas disputas, segundo Philip, servirão para alegrar e entorpecer o povo, criando ao mesmo tempo uma distração e uma ligação entre a população da cidade e seu Governador.

Assim como na série, o Governador é cruel e implacável, passa por cima de qualquer um que o desafie para manter o poder. A única coisa capaz de mostrar algum traço de carinho em Philip é sua filha, que foi transformada em zumbi, mas ainda é mantida por ele escondida em seu quarto.

Sabendo que o livro tem continuação, não é necessário falar que a estória não se encerra aqui, e o final cria um suspense para o próximo livro, aumentando a ansiedade do leitor.

The walking Dead, O caminho para Woodbury
Robert Kirkman, Jay Bonansinga
editora Galera Record
331 páginas
nota do blog: 4,5
nota do Skoob: 3,9
compre pelos links: Americanas ou Submarino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!