segunda-feira, 14 de abril de 2014

Um pouquinho de...

"O rosto calejado de Max camuflara-se entre o material de pintura e os panos. Ele estava sentado ali, com os olhos e lábios perplexos.
Quando todos se aproximaram, voltou a falar.
- Não pude evitar - disse.
Foi Rosa quem respondeu. Agachou-se para fitá-lo.
- De que vocês está falando, Max?
- Eu... - lutou ele para responder. - Quando ficou tudo quieto, subi até o corredor, e havia uma frestinha aberta na cortina da sala... dava para eu ver o lado de fora. Espiei, só por alguns segundos.
Fazia vinte e dois meses que ele não via o mundo lá fora.
Não houve raiva nem censuras.
Foi o pai quem falou.
- E o que lhe pareceu?
Max levantou a cabeça, com enorme tristeza e assombro.
- Havia estrelas - disse. - Elas queimaram meus olhos."

(página 330, parte sete)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!