terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Mentirosos [Resenha]


"Cadence vem de uma família rica, chefiada por um patriarca que possui uma ilha particular no Cabo Cod, onde a família toda passa o verão. Cadence, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat (os quatro 'Mentirosos') são inseparáveis desde os oito anos. Durante o verão de seus quinze anos, porém, Cadence sofre um misterioso acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos, tentando juntar as lembranças sobre o que aconteceu."

Com um enredo envolvente e uma forma bem peculiar de escrever, esse livro prende o leitor, e, no meu caso, mostra que nem tudo o que parece é real. No momento em que comecei a leitura, fiquei encantada com a prosa da autora, bem parecida com a de Markus Zusak em "A menina que roubava livros", com aquele toque poético que deixa tudo mais agradável, Eis que, para minha surpresa, a estória tomou um rumo totalmente diferente do que eu imaginava, e não deixou a desejar.

Logo de cara conhecemos Cadence, uma jovem muito sagaz, que mora com sua mãe (os pais se separaram), e vive uma vida normal para a sua idade durante o ano todo, exceto quando está em férias de verão e vai para a ilha particular de sua família. Lá, o avô construiu uma casa para cada uma de suas filhas, e nelas cada família se hospeda para suas férias, e compartilham juntas bons momentos na casa principal, que é do patriarca. Cadence fica sempre na companhia de seus dois primos e um enteado de sua tia, Gat, um rapaz bonito e muito inteligente, que ela define como "ambição e café forte". Pela descrição fica claro que Gat tem a pele escura, diferente dos Sinclair, que têm como característica cabelos muito loiros, pele e olhos claros.

A convivência que vem desde a infância de Cadence e Gat acaba se transformando numa grande paixão, mas que só floresce quando eles estão na ilha, já que, depois, cada um vai para a sua cidade, viver sua própria vida. Ainda assim, Cadence sabe que é apaixonada por Gat, e essa é uma das coisas que lhe ajuda a, mais tarde, desvendar um mistério.

No verão em que fizeram 15 anos, Cadence sofreu um terrível acidente quando nadava sozinha à noite; aparentemente, ela bateu a cabeça em algum lugar e teve um trauma que lhe deixou com fortíssimas dores de cabeça, que a impediram de viver normalmente. Ela saiu da escola, passou a viver reclusa em casa, e dependia de muitos remédios para suportar a dor.

Ao contrário do que aconteceu durante todos os verões de sua vida, no ano seguinte ao acidente a mãe não ia para a ilha nas férias, e arranjou uma viagem para Cadence fazer com pai, o que a afastaria dos mentirosos. Ela não queria, mas acabou cedendo. Era muito difícil contrariar a mãe da menina, que levava ao pé da letra o lema da família Sinclair: "ninguém é carente, ninguém erra", por isso, sempre cobrava de Cadence um comportamento digno de pertencer a essa família. Mas, com o acidente, a menina foi mudando suas opiniões e seus pontos de vista sobre muitas coisas, inclusive, sobre o relacionamento da família.

No verão dos dezessete anos, a mãe resolveu voltar à ilha, e tudo parecia muito estranho a Cadence; a casa principal fora totalmente reformada, os cachorros de seu avô tinham sumido e todo mundo a tratava de forma diferente, como se ela fosse explodir a qualquer momento, menos seus primos mais novos, que achavam que ela era viciada em remédios e ficavam o tempo lhe perguntando sobre isso.

Já os primos Johnny e Mirren junto com Gat, os mentirosos, pareciam distantes e nunca falavam sobre o acidente. Cadence não se lembrava do que tinha acontecido naquela noite, tinha apenas alguns lampejos de memória e visões que não lhe diziam nada. Ela questionou os primos diversas vezes, para que a ajudassem a descobrir o que a tinha levado a nadar sozinha àquela hora da noite, mas eles eram sempre evasivos e diziam que ela se lembraria de tudo no seu próprio tempo.

E então começa a montagem de um quebra-cabeças complicado: de um lado, Cadence anotando cada pequena lembrança que ela tinha ao longo do verão, em meio a crises de dor de cabeça e conversas estranhas com Gat, e de outro, o resto da família que não queria que ela sofresse, mas também não a ajudava a forçar a memória.

Em grande parte do livro acompanhamos esse dilema de Cadence, e em certos momentos ficamos até com raiva de seus primos, por não responderem diretamente a suas perguntas, e até de Gat, que uma hora a tratava como namorado apaixonado, para no minuto seguinte dizer que tudo estava errado e eles deveriam recomeçar de onde tinham parado no verão dos quinze anos. É para dar dor de cabeça em qualquer um!

Cadence usa sua perspicácia e vai juntando os caquinhos, até lembrar da primeira coisa que fez no dia do acidente, e assim começa a relembrar cada passo, cada decisão, e como foi parar no meio da praia sem seus melhores amigos.

Algumas passagens são realmente emocionantes, mas não cheguei a chorar enquanto lia. Para um leitor como eu, que não fica procurando pistas nem ligando pontos enquanto lê, o final é muito inteligente. Gostei muito do desenvolvimento do enredo, da construção dos personagens e da forma como E. Lockhart descreve cada um deles, dando características abstratas tão peculiares que é possível formar o rosto de cada um na cabeça.

"Johnny é estalo, iniciativa e sarcasmo."
"MIrren é açucar, curiosidade e chuva." (página 18)

Gosto muito desse estilo de escrita, e quando estava na página 100 já tinha marcado uns 20 quotes! Alguns parágrafos são construídos de forma muito poética, e isso me agrada bastante:

"E eu vi Gat,
e vi aquela rosa na mão dele,
e, naquele momento, com a luz do sol entrando pela janela e brilhando sobre ele,
as maças debruçadas sobre a bancada da cozinha,
o cheiro de madeira e maresia no ar,
eu rotulei de amor." (página 27)

Além disso, as descrições dos sentimentos de Cadence são profundas, usando palavras que as mesmo tempo os amenizam e exageram, dão vida, transformam o sofrimento em algo muito palpável para o leitor:

"Minha cabeça e meus ombros derreteram primeiro, seguidos pelo quadril e pelos joelhos. Logo me transformei em uma poça , infiltrando-me nas lindas estampas do algodão. Ensopei a colcha que ela nunca terminou, enferrujei as peças de metal de sua máquina de costura. Eu era puro líquido naquele momento, durante uma ou duas horas." (página 42).

A surpresa, para mim, foi o enredo não focar na estória dos mentirosos em si, nem explicar o por quê desse apelido antes do acidente. Apesar dos protagonistas serem conhecidos como os mentirosos, o título me fez pensar que tudo seria sobre eles, e sobre como eles ganharam a fama, mas a trama se desenvolve a partir do acidente de Cadence, enquanto critica o relacionamento familiar, mostra as consequências do acidente e, por último, o que o causou. Quando li o título e vi a capa com a imagem desfocada daquelas quatro pessoas, tudo me levava a acreditar que se trataria de um grupo de adolescentes ricos e entediados, que aprontariam todas nas ilhas vizinhas e ficariam conhecidos por isso.

Esse detalhe não desabona o livro em nada, pelo contrário: ter uma grata surpresa no final valeu a leitura. A estória é muito bem escrita, a trama é bem construída e o desfecho pode tanto emocionar quanto surpreender. Super indicado a todos. 

"Mentirosos"
E. Lockhart
271 páginas
editora Seguinte
nota do Skoob: 4.5
nota do blog: 4

13 comentários:

  1. Eu sou, completamente, louca pra ler esse livro.
    Me apaixonei por livros de investigação há muitos anos, quando eu li Corrida pela Herança, do Sidney Sheldon. Desde então, qualquer livro nesse estilo, me agrada. Porém, Mentirosos é meu desejo maior. kkk'
    Eu sou o tipo de leitora que procura pistas e liga pontos. Mesmo assim, espero que o livro me impressione.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma dica Priscila: não analise demais enquanto lê esse livro, para não estragar a experiência ;)
      Bjos!

      Excluir
  2. Eu amo reviravoltas! Sabe quando você tem a história inteira da maneira que você acha (ou quer) que aconteça na sua mente? Pois é, nunca vai dar certo comigo, haha'
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Eu necessito desse livro, urgentemente. Que resenha foi essa ? É para enlouquecer qualquer leitor que goste de um suspense e um quebra cabeça ( eu adoro *-*).
    Mentirosos tem um enredo mega surpreendente, pelo que entendi.
    Eu confesso, vivo procurando as pistas que o autor deixa, ligo os pontos, tento entender as palavras aparentemente sem sentido, sou uma "detetive nata" ><.
    Esse livro me lembrou um pouquinho, bem pouquinho, de "Não conte a ninguém" de Harlan Coben.
    Estou muito ansiosa para ler "Mentirosos" e espero me surpreender, positivamente, também.

    ResponderExcluir
  4. Pela critica de narração da resenha pensei que o livro fosse um pouco mais do que 273 págs.
    Também pensei a mesmo coisa e relação a capa, pelo título ser "Mentirosos" pensei que seria um estória com uma mentira bem cabeluda, mais parece ser diferente do que pensei. Gostei!
    E pela nota no skoob, vai pra lista de desejados. :)
    Bj

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus. Como gente, o final deste livro é devastador, não acreditei D:' pra que aquilo? Lockhart queria me matar só pode. Fiquei chocada, espero que quem ler, adore de uma forma diferente, por ser surpreendente. Eu cheguei a ficar irada com os primos mesmo, não respondendo as cartas :( Não chorei também, mas me choquei com tudo.
    Abraços Joana,
    ThayQ.

    ResponderExcluir
  6. Eu já ouvi falar muuuuito desse livro, mas já tinha esquecido dele.
    Amei sua resenha e aproveitei pra colocar ele na meta desse ano. :D
    Beijo

    http://canastraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou torcendo para que vc leia logo e escreva a sua resenha. Preciso saber as opiniões dos outros leitores ;)
      Bjos!

      Excluir
  7. Oi Joana, estou muito ansioso para ler este livro. Tenho ele na minha estante, mas ainda não criei coragem para ler. Eu amo E. Lockheart, nossa, ela escreve muito bem. Não li muito da sua resenha, pois quero que esse livro me surpreenda do início ao fim, mas quando eu acabar, vou vir aqui comentar, sem dúvidas!

    Beijos, www.setecoisas.com

    ResponderExcluir
  8. li metade da resenha... volto para ler o restante quando terminar de ler o livro.
    aí voltarei aqui para a gente discutir :)
    um beeijo!

    Visite o Mais um Trecho ;)

    ResponderExcluir
  9. Confesso que foi exatamente assim que pensei que seria o livro, Joana, tratando apenas dos mentirosos, focando neles. Mas é longe disso e estou gostando da leitura. Está sendo uma experiência boa.
    Adorei a resenha

    ResponderExcluir
  10. Hey, Joana!
    To querendo ler esse livro desde o ano passado, mas grana me falta! Huahiauhaiah Já li muitas resenhas sobre ele e a história tem um suspense que eu amo em livros!
    Gostei da sua resenha, mais ainda por ter inserido quotes/partes de livro.

    Abs

    ResponderExcluir
  11. Parece ser uma história muito boa de ler, embora não tenha lido nada parecido com ela, mas eu quero "assistir" à montagem desse quebra-cabeça.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!