quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Momento HQ - Constantine, volumes 1 ao 10





















Uma rápida pincelada sobre a origem de Constantine: criado por Alan Moore, teve suas primeiras aparições nas histórias do Monstro do Pântano na década de 80. Pouco depois passou a aparecer no selo Vertigo com frequência até ter sua carreira solo em Hellblazer e, mais tarde, fazer parte da Liga da Justiça Dark.

Publicada pela DC, a série de Hellblazer chegou ao número 300 e foi cancelada para dar origem ao Constantine nos Novos 52. Para alívio dos fãs,  Hellblazer volta a ser produzido pela Vertigo. Aqui não faremos uma comparação entre as duas vertentes.

Os Novos 52 - Toda magia tem um preço, muitas vezes alto demais.

Já nas primeiras páginas, o bruxo londrino mostra que não é confiável e deixa um menino morrer para descobrir sobre a Bússola de Croydon. Um artefato que pode mostrar qualquer recurso místico no planeta, quem a possuir estará sempre um passo a frente na busca pelo poder. Porém, o equipamento está desmontado e cada parte se encontra em um lugar do mundo. Constantine tem que encontrá-los antes que o Culto da Chama Fria chegue primeiro.




Sinceramente esse desenrolar da bússola não motiva o leitor. A história começa a ficar boa a partir do terceiro volume, quando é iniciada a Guerra da Trindade: a Caixa de Pandora foi aberta por uma mulher por volta do ano 8000 a.C. e desde então todo o mal foi libertado. Pandora, como a mulher passou a ser conhecida, foi amaldiçoada com a vida eterna; viu toda a sua aldeia morrer, e presencia o sofrimento de toda a humanidade como a mãe de todo o mal na terra. O único desejo de Pandora é descobrir uma forma de se matar para acabar com o infinito pesar de ser a mãe de todos os males.

Vale destacar que a história de Pandora é contada apenas na terceira edição. Mesmo sem ter os quadrinhos da personagem publicados no Brasil, a saga é explicada de forma excelente.

Chegando aos dias de hoje, a Caixa de Pandora foi encontrada pela Liga da Justiça Americana (LJA), que viu o Superman matar o Dr. Luz sob o efeito do artefato. Agora a LJA está dividida sobre o que fazer com o objeto. Uma parte do grupo, liderados pela Mulher Maravilha, vai atrás da Liga da Justiça Dark (LJD) para descobrir como lidar com o misticismo presente na caixa, enquanto a outra parte, comandada pelo Batman, tenta impedir que a caixa seja usada novamente, pois isso só causaria mais terror no mundo.




O Universo DC entra em uma briga interna para saber o que fazer com a Caixa de Todos os Males, enquanto isso, Constantine e Shazan saem em busca do Papa Midnight: uma magia foi erroneamente conjurada fazendo com que todos os heróis desaparecerem da dimensão natural da Terra, sobrando apenas o feiticeiro.

À procura de ajuda, Constantine se alia a Enfermeira Pesadelo e ao Monstro do Pântano para encontrar os amigos das Ligas da Justiça, Americana e Dark. Na verdade, a única motivação de Constantine é encontrar Zatanna, seu antigo e eterno amor, então o trapaceiro usa a ajuda que consegue para chegar aonde quer.

Sem muito sucesso, o feiticeiro apela para a Trindade do Pecado: Pandora – responsável por liberar todo o mal do mundo; Vingador Fantasma – acusado de trair o grande salvador ele vaga entre mundos balanceando o mal e o bem; e o Questão – acusado de libertar os sete pecados capitais que estavam presos em uma ânfora no tempo de Cristo.

Enquanto cada segundo se passa, o mundo está sendo tomado pelos pecados de cada ser humano. Toda a maldade que habita o homem passa a alimentar uma entidade que Constantine batiza como Mosléstia (um dos vilões mais maneiros que já vi). E agora os novos heróis tentam achar um jeito de ferir uma entidade que aparentemente não pode ser tocada.




A nova série do Constantine é uma reformulação total, assim como aconteceu com toda a DC Comics e seus Novos 52, então o lado negativo, e talvez seja essa a reclamação geral dos fãs de Hellblazer, é que até agora o Constantine não trabalhou sozinho. Sempre tem alguém com ele e isso deixa visível a jogada de marketing da DC, ligando toda a sua série para puxar o leitor para as outras sagas.

Todavia, o roteiro de Ray Fawkes não deixou a desejar mesmo com um crossover a cada página. O sarcasmo, os inseparáveis cigarros e a deslealdade fazem de John Constantine um personagem emblemático, então não importa a situação, ele sempre faz o que tem que fazer, usando a boa vontade dos outros para seu próprio bem.




Reforço que não fiquei impressionado com os dois primeiros volumes, mas depois a história passa a ter um contexto mais profundo e intenso. Os problemas que enfrentam são muito curiosos e os vilões são indecifráveis. Enfim, quando menos esperar, você estará conjurando feitiços em sotaque britânico.

Lembrem-se: Toda magia é corruptora e cobra um alto preço. Esteja disposto a pagar e seja bem vindo ao inferno!















João Oliveira, jornalista, aficionado por quadrinhos, livros e cinema. Mochileiro em busca de sua próxima aventura.
@oliveira_jh

7 comentários:

  1. João!
    Confesso que não sabia que tinha HQ do Constantine, embora tenha acompanho alguns capítulos da série televisiva.
    Para quem gosta de HQ espero que a mudança tenha sido boa.
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. João, não sabia que Constantine era uma HQ, e olha que sou super fã da série de TV.
    A história me prende totalmente, acho super diferente. A sua resenha das HQs me fizeram ficar com uma vontade enorme de lê-las. As ilustrações são super bem feitas. Já estava super triste com o possível cancelamento da série, mas com essas HQs, estou mais alegre!
    Parabéns pela resenha, Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Interessante, nunca tinha ouvido falar sobre! rsrs
    Mas me interessei principalmente por ter a caixa de Pandora! Acho muito legal esse mito.
    Porém, acho que não leria, enfim, quem sabe um dia! kkk
    bjooos

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    Do Constantine eu apenas assisti a um filme. Não tenho grande interesse em sua história e não tenho lido HQ'S então com certeza eu passo essa leitura.

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR // Participe: Sorteio

    ResponderExcluir
  5. Constantine só assistir o filme, e não curti muito. Nem sei se tem haver com o HQ's, pois não curto muito HQ's, quase nunca leio. Por isso, não tenho nenhum interesse em ler esse.

    ResponderExcluir
  6. Oi João,
    Que preguiça, dez livros O.o
    Por enquanto vou ficar somente com o filme haha.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  7. Oi João!
    para a minha surpresa fui descobrir que existia Constantine, além do filme, através da Joana, quando ela disse que estava afim de comprar mas estava caro :/
    eu gosto do filme e estou tentando "entrar" nesse mundo de HQ's, então me interessei :)
    ótimo post.
    beeijo!

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!