domingo, 1 de março de 2015

Filmando #14 - Cinquenta tons de cinza

Não me lembro se comentei com vocês nos posts anteriores que minha expectativa para esse filme estava bem baixa, mas que eu esperava que ele me surpreendesse. Pois bem, não aconteceu isso: ele é fraco mesmo, e não conseguiu me empolgar.


Para não dizer que foi totalmente decepcionante, por incrível que pareça achei a interpretação de Dakota bem convincente. Ela realmente sabe se passar por uma menina sem sal nem açucar que ficou parada nos anos 80. O único problema é que, dependendo do ângulo da câmera, fica bem visível que ela já passou dos 21 anos. Enfim. além de salvar o trabalho da atriz, também preciso elogiar a trilha sonora, que é incrível: músicas bem sensuais para dar o clima necessário ao filme. Apesar de ter gostado muito das canções, achei que o filme ficou tão lento quanto elas.

O que dizer de Jamie Dornan? Ele nunca será meu Christian Grey, infelizmente. Tá, ele pode até ser um bom ator, e ter convencido e conquistado muitas fãs do livro, mas eu tenho uma visão mais crítica: acho que ele não tem a beleza nem o porte que o personagem exige. Ao olhar para ele, não me sinto intimidada, não acredito que ele é um bilionário controlador e mandão. E o pior, nas cenas de sexo, em que ele deveria passar a imagem de dominador, Jamie ficou longe disso! Mas acredito que a culpa não seja totalmente dele; além da sua atuação depender bastante das decisões da diretora do filme, não consegui sentir uma ligação entre ele e Dakota, parece que não têm química.



Algumas cenas são bem próximas do original, como a do elevador, que ficou com uma fotografia boa, a do planador, e a da entrevista que Ana faz com Grey, logo no início do filme, o que me deu a esperança de que ele seria bom. Já em outras, lamento pelas pessoas que não leram o livro e não conhecem a estória, pois deixaram muitas coisas sem explicação, como, por exemplo, antes deles saírem para jantar na casa da família Grey, quando ele pergunta se ela tem tudo o que precisa. Se vocês leram, sabem do que estou falando, e se não, saibam que não vão descobrir pelo filme, rs.




Para mim, faltou um pouco de ousadia no roteiro, deveriam ter se arriscado mais nas cenas íntimas, pois tudo ficou meio caricato. Além de explorarem demais a nudez de Dakota, não mostraram nada que escadalizasse os espectadores. Aliás, como eu já disse na resenha do livro, a estória não é escandalosa, não existe ali nada que as pessoas já não conheçam sobre sexo. Ok, em alguns momentos no quarto vermelho eles usam alguns acessórios incomuns, mas é só isso.

Outro detalhe que me chamou a atenção foi a simplicidade dos atores em geral, fisicamente falando. Claro que a beleza descrita num livro é bem diferente da real, e é quase impossível trazer para a tela do cinema aquela imagem que fazemos de cada personagem, mas os escolhidos para atuarem nesse filme não chegam nem perto de serem tão bonitos quanto os do livro. A amiga de Ana, no filme não chama a atenção de ninguém, e até parece ser uma irmã bem mais velha de Anastasia. A mãe de Christian também não tem a classe que deveria ter, não passa segurança. E sobre Elliot não sei nem o que dizer! Não consegui ver nenhuma característica marcante do personagem no filme.




Enfim, aconselho que, se vocês ainda não assistiram ao filme, assistam, pelo menos para construírem uma opinião própria, e não ficarem apenas lendo críticas, tanto positivas quanto negativas, e tirando conclusões precipitadas. Eu sai do cinema bem decepcionada, e fiquei vários dias pensando em como escreveria essa resenha, mas admito que algumas (poucas) cenas me agradaram. Talvez minha resistência em aceitar o ator tenha atrapalhado meu julgamento, mas a verdade é que achei tudo muito parado, muito lento e confuso. Faltou alguma coisa no filme, um tchan, uma faísca que fizesse meus olhos brilharem, é difícil explicar, já que gosto tanto da estória. Repito meu conselho: assistam ao filme e tirem suas próprias conclusões.



Cinquenta tons de cinza
Fifty shades of Grey, EUA, 2015, Universal Pictures
Diretora: Sam Taylor-Johnson
Jamie Dornan, Dakota Johnson, Eloise Mumford, Victor Rasuk, Luke Grimes, Rita Ora, Max Martini.









Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
@joana_masen

9 comentários:

  1. Olá,
    Acho que eu fui a única que não ficou curiosa de fato pelo filme (e livro!). Não tenho nada contra, apenas não é o estilo de leitura/filme que me agrada, entende? Mas muita gente está falando bem demais do filme!
    Beijos.
    Memórias de Leitura - http://memorias-de-leitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. A Inês não é a única. rs

    Eu também não tive nenhuma curiosidade. O enredo todo é muito fraco.
    Bela resenha.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Não tive curiosidade para assistir esse filme, uma vez que os livros me decepcionaram...

    xoxo
    http://acordes-coloridos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho uma opinião bem parecida com a sua. A trilha sonora foi perfeita e a Ana até deu uma enganada mas o Cristian eu não curti muito. Na verdade eu não curti nenhuma das escolhas dos atores.
    As cenas que eu mais senti falta foi a do relacionamento deles. No filme quase não mostrou.
    O filme não soube demonstrar exatamente como os personagens eram e ficou todo mundo sem sal.
    Eu saí bem decepcionada do filme.

    Beijos, http://ohamoramia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu ainda não assisti. Ainda não sei terei coragem kkkkkkkk
    Mas eu achei os atores muito desconcertantes. Pelo menos, no trailer.
    Ele não é tão bonito como é descrito no livro e não passa mesmo aquela coisa de controlador!
    E ela tem o jeito da Ana fisicamente sim, eu acho, porém, percebe-se que é mais velha.
    No trailer, não deu nem pra perceber que seriam tão "atraídos", parecia que estavam conversando com uma pessoa qualquer, não achei que rolou uma química. Mas realmente não posso afirmar bem, porque ainda não assisti.
    beijooos,
    Ana

    ResponderExcluir
  6. Eu não li o livro, apenas assisti ao filme.E gostei! Talvez, por eu não ter lido a história , os atores me convenceram, pois eu não tinha um modelo anterior para comparação. Apesar das críticas, gostei das canções, ambientação e pricipalmente da atuação da Dakota. Quanto a história, percebi que não se trata do sexo em si, mas das perspectivas individuais do sexo, felicidade e formas de relacionamento.
    Bjs!
    Patricia Baikal

    ResponderExcluir
  7. gostei muuito da trilha sonora Joe <3
    e para ser bem sincera, eu estava esperando muito mais cenas de sexo... se teve 20 minutos durante todo o filme foi muito hahahaha
    eu achei fraco, sei lá os atores são sem sal hahaha não rolou química ahh não sei!. Te explico melhor pessoalmente.
    um beeijo!

    ResponderExcluir
  8. Oi Jô,
    Como (acredito que) você sabe, nunca li o livro nem tenho intenção, o mesmo com o filme, você não é a primeira que vejo falando que se decepcionou com o filme, e por tudo que o povo falava de Christian Gray eu também achei o ator estranho, mesmo (novamente falando) sem ter lido o livro... mas estou adorando as paródias que vem sendo feitas internet a fora...

    Grande abraço Jô!
    Leitor Antissocial

    ResponderExcluir
  9. Não assisti ao filme e não sei se quero ler o livro. Talvez apenas assista ao filme para matar minha curiosidade de todo esse hype que teve. Esse tipo de história não chama minha atenção. A maioria das pessoas que leram e assistiram, falaram que o filme não teve muito do livro, mas acho que colocar tudo do livro seria meio pesado, não? A vantagem de tudo acho que foi a trilha sonora, gostei muito das músicas!!

    Tudo que Motiva

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!