quinta-feira, 9 de abril de 2015

Adultos sem filtros, e outras crônicas [Resenha]

onde comprar: Extra//Casas Bahia//Ponto Frio//Fnac

"Fenômeno editorial com mais de 1,3 milhão de exemplares vendidos, a musa teen Thalita Rebouças volta-se agora para um leitor mais maduro na coletânea 'Adultos sem filtro'. Dessa vez a autora fala sobre os mais variados assuntos - de relações familiares e amorosas à ditadura da beleza, de seus encontros com fãs, celebridades e taxistas a autocríticas impagáveis. Atravessando todos os textos, estão o humor rasgado, a simpatia e a desenvoltura que fizeram de Thalita sinônimo de sucesso, em crônicas que mais parecem bate-papos informais."

O segredo para uma leitura se tornar interessante é fazer com que o leitor se identifique com a personagem, fazendo florescer dentro de si um carrego de parecer. Portanto, é possível reparar que o todo reune o mundo, e só levamos de diferença nossa própria identidade. Talvez foi essa percepção que me fez gostar tanto desse livro.

Em Adultos Sem Filtros e outras crônicas, Thalita Rebouças, narra em primeira pessoa, assuntos de um cotidiano similar ao da gente, sem deixar de lado sua disposição para o bom humor. Para o livro se tornar dissemelhante na comparação de todos os seus outros títulos já publicados, a autora resolveu contar situações reais vivenciadas por ela mesma.  Algumas das proezas descritas tende a apontar risos das mulheres.

"A minha bunda caiu. Do nada. De repente. Assim, sem avisar, sem nem uma preparação, uns tapinhas no ombro ou um chororô. Fui dormir com ela redondinha e alegre. Acordei com ela triste e alasanhada - quadrada e compacta." (pág. 15)

As crônicas são divididas em assuntos como "Linda e magra", "Celebridades e subcelebridades", "Hipocondríaca? Eu?!", "Fala sério, taxista!", "Fofura em pessoa", "Ai, ai... humanos...", "Grande família", "Eu te amo", "Lisboa, querida Lisboa", "Eu, uma escritora".  A princípio a escrita é leve e, no desenvolver das páginas, adquire um pouco mais de desenvoltura no refletimento do leitor, que cogita em crer até que ponto os seres humanos podem chegar com suas atitudes. Como descreve o seguinte trecho:

"Filas as vezes podem revelar o verdadeiro caráter das pessoas, e isso as vezes me assusta - outras vezes me encanta. Ed Motta contou que o mundo é fabuloso, o ser humano é que não é legal. Eu, que adoro o Ed Motta, mas sou fã do ser humano, prefiro acreditar que ele estava falando de uma minoria." ( Pág. 188)

Folheei o livro inteiro com a sensação de estar conversando com uma amiga mais velha. Fiz questão de condensar as mensagens e sintetizar algumas em forma de conselhos, como quando a escritora conta sua experiência nas primeiras bienais, aonde subiu em cadeiras vestindo perucas: usando espontaneidade, conseguiu atrair um pequeno público que até hoje não para de se expandir.    

Foi esse tipo de artimanha que fez seu maior sonho se realizar, e o segredo? Simples! A persistência. O término é acompanhado de conclusões que dependem de quem e como está lendo. Eu por exemplo armazenei comigo que objetivos são criados para serem alcançados.
.
"Respeito a opinião de quem não gosta de Paulo Coelho, assim como respeito quem não gosta dos meus. Mas sua importância para a divulgação da literatura brasileira no mundo é inegável. Ninguém faz mais do que ele, os números não mentem. As portas que Paulo Coelho abriu para outros autores brasileiros continuam lá. Quem quiser que corra atrás." (pág. 190)

Dentre as várias exposições em forma de letras, conhecemos uma hipocondríaca tagarela que sonha em fazer endoscopia, é sujeita aos mais bizarros diálogos com taxistas, gosta de vizinhos desde que não façam barulhos matinais, anormais, tem fãs de todos os tipos, conserva as mais malucas experiências e acima de tudo é humana. Assim, ela simplesmente se tornou protagonista de uma história repleta de satisfação que vale a pena ser lida. Se você é adolescente, recomendo que leia este livro e imagine, se você é adulto, prefiro que filtre este livro e relembre.


Adultos sem filtros e outras crônicas
Thalita Rebouças
editora Rocco
192 páginas
nota do Skoob: 4.1 
nota do blog: 4.5



Rafa Peres, resenhista e crônista, mantém o blog Minha Versão das Coisas, onde posta todos os seus textos.
@Rafaela Peres

8 comentários:

  1. Caraca, me convenceu a ler o livro.....

    ResponderExcluir
  2. Não sou muito fã de crônicas mas essa chamou minha atenção. E o toque de realidade dado pela autora ajuda bastante a nos prender na leitura mesmo.
    Tudo que Motiva

    ResponderExcluir
  3. Haha, até eu que não curto crônicas fiquei interessada haha, amei o quote, com certeza quero lê-lo, acho que será um bom começo para conhecer a escrita da Thalita.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  4. Ai vou ler,gosto de crônicas...Curtos e a maiorias são legais,sla shsushnusj

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!