quinta-feira, 2 de abril de 2015

Ensaio sobre a cegueira [Resenha]

onde comprar: Americanas//Extra//Submarino 

"Um motorista parado no sinal se descobre subitamente cego. É o primeiro caso de uma treva branca, que logo se espalha incontrolavelmente. Resguardados em quarentena, os cegos se perceberão reduzidos à essência humana, numa verdadeira viagem às trevas. Esse livro é a fantasia de um autor que nos faz lembrar ´a responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam'. José Saramago nos dá aqui uma imagem aterradora e comovente de tempos sombrios, à beira de um novo milênio. Cada leitor viverá uma experiência imaginativa única. Num ponto onde se cruzam literatura e sabedoria, Saramago nos obriga a parar, fechar os olhos e ver. Recuperar a lucidez, resgatar o afeto: essas são as tarefas do escritor e de cada leitor, diante da pressão dos tempos e do que se perdeu."


Ler esse livro é uma tarefa tão árdua quanto satisfatória: uma narrativa intensa, que exige do leitor toda a sua atenção e capacidade de raciocínio. Saramago criou brilhantemente um universo que apavora, mas que deixa bem claro a todo momento que não somos tão importantes como acreditamos ser.

Repentinamente, e sem qualquer explicação, as pessoas começam a ficar cegas, e esse mal súbito vai se espalhando como uma grave epidemia, atingindo muitas pessoas num curto período de tempo. Quando as autoridades decidem tomar uma providência, não sabem ao certo como agir, nem para cuidar daqueles que já cegaram, nem para proteger os que ainda exergam para que não sejam contaminados também. Então, para tentar resolver a situação, eles decidem isolar todos os cegos - e aquelas pessoas que já tiveram contato direto com algum deles - num manicômio desativado, que, teoricamente, teria capacidade para acomodá-los com o mínimo de conforto.


Conforme mais pessoas vão cegando e sendo enviadas para o manicômio, o caos vai se instaurando no lugar: faltam camas para muita gente, a comida é pouca, não existem remédios nem tampouco manutenção ou limpeza nas dependências do prédio. E é a partir daqui que o leitor passa a sofrer e avaliar a importância das menores coisas, daquelas que já são tão corriqueiras que pensamos que não podemos viver sem.

A cada dia os cegos vão perdendo toda a sua condição humana, passando a viver quase como animais, sem o mínimo que se é necessário para manter sua decência, sua dignidade. Quando se tem que lutar por um prato de comida, pela possibilidade de fazer suas necessidades num banheiro, ou de apenas tomar um simples banho, fica impossível de viver com civilidade. Os conflitos são inevitáveis, e começam a surgir quando, dentre os cegos, surgem aquelas pessoas que nunca tiveram boa índole, e que na cegueira só conseguiram ficar ainda mais malvados. Alguns doentes passam a controlar a distribuição da pouca comida que recebem, e exigem que os demais cegos paguem por suas refeições. Ora, como se dinheiro e joias pudessem tem algum valor real na situação em que estão vivendo.

O mais interessante nesse livro é observar o comportamento das pessoas quando estão em situação extrema. Fica muito fácil julgar uns aos outros por todo e qualquer motivo, ou descontar a raiva e a frustração naquele que está mais próximo. Num grupo de pessoas que nunca se viram antes e que é obrigado a conviver sob extremo estresse, não há como evitar os desentendimentos.

Para complicar ainda mais tudo o que está acontecendo, temos a mulher do médico, a única pessoa dentre os confinados que ainda enxerga, e que mentiu para os policiais dizendo que estava cega, só para ficar junto de seu marido. O dilema vivido por ela é se perguntar se deve manter-se calada sobre a sua condição e continuar vendo todo o sofrimento dos outros cegos (além de saber qual a real situação do lugar onde estão vivendo), ou revelar que enxerga e correr o risco de ser praticamente escravizada pelos doentes, sendo obrigada a cuidar de tudo e de todos, assumindo funções que deveriam ser de responsabilidade das autoridades.

Outro detalhe que deixa o livro tão interessante quanto complexo é o estilo do autor, a forma como ele monta a narrativa, não conferindo nomes a nenhum dos personagens, e mesmo assim, fazendo com que o leitor possa distinguir facilmente cada um deles. É totalmente possível, apenas pelas características de cada personagem, saber quando é ele que está falando, ou quando estão falando sobre ele.

"... tão longe estamos do mundo que não tarda que comecemos a não saber  quem somos, nem nos lembrarmos  sequer de dizer-nos como nos chamamos, e para quê, para que iriam servir-nos os nomes, nenhum cão reconhece outro cão, ou se lhe dá a conhecer, pelos nomes que lhes foram postos, é pleo cheiro que identifica e se dá a identificar, nós aqui somos como uma outra raça de cães, conhecemo-nos pelo ladrar, pelo falar, o resto, feições, cor dos olhos, da pele, do cabelo, não conta, é como se não existisse..."

Além disso, a incrível capacidade de Saramago para construir um parágrafo interminável onde ele mistura tanto a descrição de uma cena quanto o diálogo entre os personagens. Talvez fique difícil de entender apenas com essa explicação, e realmente é, mas é essa dificuldade que deixa a leitura tão espetacular (e complicada).

"Que situação a nossa, senhor doutor, disse o primeiro cego, já não nos bastava estarmos cegos, viemos cair nas garras de uns cegos ladrões, até parece sina minha, primeiro foi o do carro, agora estes que roubam a comida, e ainda por cima de pistola, A diferença é essa, a arma, Mas os cartuchos não duram sempre, Nada dura sempre, contudo, neste caso, talvez fosse de desejar que sim, Porquê, Se os cartuchos vierem a acabar, será porque alguém os disparou, e nós já temos mortos de sobra, Estamos numa situação insustentável, É insustentável desde que aqui entrámos, e apesar disso vamo-nos aguentando..."

Com todos esses elementos, "Ensaio sobre a cegueira" não tem como ser um livro chato ou enfadonho, apesar de ser uma leitura lenta e exaustiva. A função do livro não é apenas entreter, apresentando ao leitor um mundo distópico e inimaginável, e sim, ensinar, fazer refletir, escancarar o quão pequenos somos todos nós. Só nos colcando no lugar de cada um daqueles cegos é que podemos ter uma exata noção de que nós não valemos nada, que uma única disfunção em nossa sociedade pode instaurar o caos e acabar com tudo o que nós conhecemos hoje.

"... mas o que ali verdadeiramente se necessitava era um poderoso jorro de mangueira que levasse à frente toda a merda, depois de uma brigada de canalizadores que viessem reparar os autoclismos, pô-los a funcionar, depois água, água em quantidade, para levar aos canos de esgoto o que ao esgoto deveria ir, depois, por favor, olhos, uns simples olhos, uma mão capaz de nos conduzir e guiar, uma voz que me diga, Por aqui. Estes cegos, se não lhes acudirmos, não tardarão a trnsformar-se em animais, pior ainda, em animais cegos."

Em diversos momentos, o autor nos atinge em cheio com suas considerações sobre a vida o universos e tudo mais, como que dando um tapa na cara de quem acredita que tem mais valor que outrem. Nesse livro Saramago reduziu todos os personagens a quase nada, tirando deles a identidade, para que ficasse muito claro que status, formação, profissão, poder aquisitivo não valem nada quando todos estão padecendo do mesmo mal: o distanciamento da condição humana e o afloramento do instinto de sobrevivência, que transforma a todos em seres quase irracionais, movidos pelo desespero e pela fome.

"... perguntar de que morreu alguém é estúpido, com o tempo a causa se esquece, só uma palavra fica, Morreu..."

A resenha ficou extensa e séria, quase tão complexa quanto o próprio livro, mas para quem chegou até aqui, é importante reafirmar que o livro é uma leitura única, e que, como foi dito na sinopse, cada leitor terá sua própria experiência sobre ela, e sua forma de encarar a vida vai mudar, aprendendo a valorizar até as menores coisas. Perder a visão, por si só, já é um desafio terrível, pior ainda seria perder a humanidade.


Ensaio sobre a cegueira
Jose Saramago
editora Cia. das Letras
312 páginas
nota do Skoob: 4.5
nota do blog: 4.8 


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
@joana_masen

9 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    Faz tempo que não faço uma visitinha em?! Eu já ouvi falar muito sobre esse livro, porém nunca li, mas depois da sua resenha fiquei muito curiosa, colocarei ele na fila.
    Beijos de sua blogueira parceira,
    Neyla Ellen.
    cladeleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Neyla, quanto tempo!
      Coloque sim o livro na sua lista, e leia assim que puder, é uma experiência única.
      Bjos!

      Excluir
  2. Geeeente, que livro!!!
    Preciso muitoooo ler ele!
    Nunca tinha lido uma resenha sobre ele, mas sempre quis ler algo do Saramago, agora, me surpreendi!!!
    Que caos total!!
    Precisooooo!
    bjooos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, vc precisa ler! O livro é incrível, e espero realmente q vc goste.
      depois me conta o que achou.
      Bjos!

      Excluir
  3. Não imaginava que iria gostar tanto da leitura, eu assisti o filme logo depois de ler e fica bem evidente a decadência do ser humano, eles acabam vivendo como animais, é realmente uma leitura forte, mas que me fez pensar muito.
    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lizi!
      É a segunda vez q leio esse livro, e pela segunda vez ele me faz pensar na vida. Não tem como ficar imune ao sofrimentos dos personagens e se colocar no lugar deles. Como seria nossa vida?
      Bjos!

      Excluir
  4. Olá!!
    Eu quero muito ler alguns livros dele, tanto é que me propus a participar de um projeto de leitura dos livros dele, contudo eu estou tããão sem tempo...
    Acredito que o livro deve ser maravilhoso pelo que li na sua resenha, adoro livros que mexem os meus sentimentos e mudam minha forma de ver o mundo ^^
    Abraços!!
    Enjoy The Little Things

    ResponderExcluir
  5. Oi Jo,
    Não tive vontade de ler esse livro apesar de todas as recomendações e elogios, mas agora tenho vontade de conhecê-lo, para refletir um pouco, embora eu ache que a falta de nomes irá complicar um pouquinho, vou procurar esse livro na biblioteca.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  6. Deve ser bem interessante shsushu essa literatura
    Mas quem sabe quando a facul manerar mais

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!