segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Um pouquinho de... Poesia!

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.



Ao contrário das outras segundas-feiras, hoje não teremos quote, e sim, um poema inteiro, lembrando que hoje seria o aniversário de 102 anos do grande poeta Vinicius de Moraes.

Esse Soneto de Separação foi escrito por ele em 1938, na Inglaterra. Quer conhecer mais sobre a vida e a obra do poeta? Clique aqui e conheça o site oficial de Vinicius de Moraes.


Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

2 comentários:

  1. Joana, o Vinicius de Moraes possui sonetos e outros poemas incríveis, dignos de reflexão. Sempre nos dando a oportunidade de ir para outro mundo, um mais reflexivo, sem sair de nossa realidade. Parabéns para este grande autor que já se fora. "De repente, não mais que de repente.".

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!