quinta-feira, 5 de novembro de 2015

O espadachim de carvão e as pontes de Puzur [Resenha]

onde comprar:Amazon//Americanas//Submarino//Extra

"Lutando para se adaptar ao mundo dos mortais, Adapak se refugia no navio de Sirara, farto de lidar com os segredos do passado. Mas quando um antigo diário cai em suas mãos, o Espadachim de Carvão acaba por mergulhar nos registros de alguém responsável por influenciar não somente sua vida, mas a historia de Kurgala - uma menina forçada a acompanhar a jornada de um ladrão desesperado, disposto a violar as regras mais antigas que Os Quatro Que São Um deixaram para trás. Quem foi Puzur? O que procurava? Enquanto viaja pelas páginas do tempo, Adapak desconhece que sua curiosidade está prestes a colocá-lo sob a ameaça de algo que ele mesmo possa ter desencadeado."

Nesse retorno a Kurgala, acompanhamos o desenvolvimento de Adapak e de sua relação com Sirara, enquanto ele se esconde no porão de um navio, e tenta se adaptar à sua nova vida. Ele ainda tem as espadas e ainda consegue usar os Círculos para lutar, mas já não dispõe das facilidades e do conhecimento que tinha em sua antiga casa.

Da mesma forma que fez no primeiro livro (leia a resenha), aqui o autor também alternou os capítulos com dois tempos distintos: o passado, contando a história de Puzur e suas pontes, que podem transportá-lo rapidamente para lugares diferentes, e o presente, onde Adapak tenta descobrir, através da leitura de antigos arquivos, quem foi Puzur e de onde vieram suas espadas.

Esse recurso de interromper uma linha de pensamento para dissertar sobre outro personagem ou lugar totalmente diferentes é muito interessante, pois faz com que o leitor realmente dedique sua atenção à leitura, e transforma cada capítulo numa estória quase completa, que termina e depois recomeça no próximo capítulo, prorrogando o clímax por mais tempo.

Puzur é um personagem interessante. Num primeiro momento, ele é apenas um ladrão que quer colecionar cada dia mais relíquias poderosas e se drogar, mas conforme sua estória vai sendo contada, percebemos que ele é bem mais que isso, principalmente por causa de sua amizade com Laudiara, uma humana que estava no lugar errado e na hora errada e acaba prisioneira de Puzur.

No desenvolvimento da narrativa a participação de Laudiara se mostra muito importante, e em alguns momentos é revoltante a forma como Puzur a trata, sem nenhum tipo de consideração ou cuidado. Mas depois é fácil entender suas atitudes, tanto que a própria Laudiara o perdoa.

Esse livro é mais fininho que o primeiro, e aqui não tem tanta explicação sobre o universo criado por Affonso Solano, mas, apesar disso, achei a narrativa um pouco lenta e arrastada. Isso não a deixa menos interessante, mas pode fazer com que alguns leitores desistam no meio do caminho. Mas eu realmente espero que isso não aconteça e que vocês consigam chegar ao final do livro, pois os dois últimos capítulos fazem toda a leitura valer a pena.

O final é emocionante, e deixa coisas para serem resolvidas no próximo livro, o que me surpreendeu e agradou ao mesmo tempo. Estou realmente curiosa para saber como Adapak vai se virar, e se Puzur e Laudiara vão voltar a aparecer. Espero que o terceiro livro não demore.


O espadachim de carvão e as pontes de Puzur
Affonso Solano
editora Leya
192 páginas
nota do Skoob: 4.2
nota do blog: 4.0


Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen


7 comentários:

  1. Joana, eu não conhecia esta serie, porém gostei muito de sua resenha deste segundo livro. Fiquei realmente interessada sobre a história e fico feliz em saber o quanto te agradou mesmo que tenha sido de uma leitura arrastada, mas que te surpreendeu principalmente com o final.

    ResponderExcluir
  2. Quando vejo estes livros com capas deste formato e títulos como O espadachim de carvão e as pontes de Puzur, logo associo com Rick Riordan, risos. Enfim, fico triste pela narrativa ser arrastada, mas O Espadachim de Carvão conseguiu me conquistar por conta da história de um personagem que furta, as espadas e as lutas. Considerei como diferente.

    ResponderExcluir
  3. Joana!
    Gosto quando o autor usa do artifício de passado e presente, ainda mais contando duas histórias, me dá a impressão que lemos dois livros ao mesmo tempo.
    Sem contar que adoro essa história de passagem do tempo é bem emocionante.
    Gostaria de ler o livro e a série.
    “Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz.” (Madre Teresa de Calcutá)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  4. Oi Jo,
    Bacana esse recurso que o autor utiliza, acho que no começo seria difícil para mim haha. Não fiquei muito contente de saber que a narrativa é meio arrastada, mesmo assim num futuro não muito próximo haha (tenho que acabar algumas séries antes).
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  5. Oi, Joana!
    Eu adorei o primeiro livro, mas achei o final corrido demais, me decepcionou um pouco. Esse foi um dos motivos de eu ter criado o blog, pra falar sobre. Foi a primeira resenha que eu fiz e é horrível!!!! Ainda bem que o tempo passa, tô escrevendo bem melhor hoje!
    A fila de livros para ler tá imensa, mas eu necessito desse livro e muito me anima saber que os últimos capítulos são agradáveis!
    =D

    http://osdragoesdefogo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Joana, você conhece o canal do Youtube do Affonso Solano? Nunca li os livros do Affonso, mas ele, em si, é um cara bem legal.
    Procure depois por Matando Robôs Gigantes, no Youtube, e conheça o belo bigode de Solano.

    ResponderExcluir
  7. Eu pensava que eu inventava nomes difíceis/diferentes, mas depois de ler os nomes desses personagens eu vi que sou "café com leite' =P.
    Me apaixonei por essa capa <3, sério, ela é muito linda, rica em detalhes e com uma paisagem que me faz querer entrar lá dentro só para ter aquela vista também (e as cores ficaram muito bem trabalhadas).
    Quanto ao enredo, embora tenha gamado na capa e já tenha colocado na minha lista de leitura (sim, eu julguei um livro pelo título e pela capa ><), ainda não conhecia muito a fundo.
    Parece ser do gênero aventura com um toque de mistério, eu gostei, vai continuar na minha listinha ^^.

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!