segunda-feira, 21 de março de 2016

Um pouquinho de...

"Os espaços abertos que deveriam depreciar suas preocupações, aviltavam tudo: o empenho parecia inútil. Especialmente as sinfonias: lamentáveis explosões, manifestações bombásticas, tentativas vãs de erguer uma montanha de sons. Ingente esforço. E para quê? Dinheiro. Respeito. Imortalidade. Uma forma de negar a aleatoriedade com que fomos gerados, de manter distante o medo da morte."

(página 86, capítulo 3, parte III)









Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

sexta-feira, 18 de março de 2016

Editora Arwen - Lançamentos de março

Leitores lindos desse blog! Deem uma olhada com carinho nos lançamentos incríveis da Arwen para esse mês. É para se apaixonar à primeira vista:


Cat, meu amigo psicopata - Malu Ghiraldeli

Um estudante de psicologia, um estudante de medicina, uma garota albina, e um psicopata. Ou talvez uma gangue deles. Logan Davis sabia que aquilo não ia dar certo, sempre soube, mas como ele mesmo diz, a carne é fraca. Então, quando o jovem estudante de medicina William Miler pede sua ajuda para um projeto no mínimo impossível, ele acaba aceitando, e ambos agora são responsáveis pelo psicopata mais perigoso da cidade. O propósito? Fazê-lo se apaixonar, valendo o diploma do jovem médico e uma vaga preciosa num famoso hospital. Uma experiência que vai acabar trazendo de volta velhos inimigos, criando novos deles, derramando um pouquinho de sangue e virando suas vidas de cabeça para baixo.






A loira do banheiro e outras histórias de arrepiar - Deison Groff

Um dos mistérios da vida é: de onde vêm as lendas urbanas? Você não conhece ninguém que tenha inventado uma lenda urbana. Os que contam uma dessas histórias sempre a ouviram de outro, que ouviu de outro, que ouviu de outro, que não se recorda de onde a ouviu. Em geral, quem conta uma lenda jura que aconteceu com a melhor amiga do primo da irmã do namorado da vizinha. Ou seja, com um conhecido bem distante. As histórias que o povo conta podem até mudar um pouco aqui, outro pouco ali. Suas alterações de região para região são comuns, mas o importante é que elas continuam mexendo com o nosso imaginário, causando um misto de medo e curiosidade. Dieison Groff resgatou doze lendas urbanas que prometem atrair a atenção da galera do começo ao fim. Este livro reúne histórias arrepiantes como a do vestido de noiva, da loira do banheiro, do motorista funerário, da moça do táxi, do menino na foto, entre outras que provavelmente vão fazer você terminar a leitura com os cabelos em pé.


As GRANDES aventuras de Daniella - L. L. Alves

Bom, o que eu tenho a dizer sobre esta história maluca que estou prestes a contar? É simples: vocês não vão acreditar. Sério mesmo. Vai parecer loucura, com minha boca suja, dois pés esquerdos, noites inusitadas e quilinhos a mais (muito mais, mas não vamos entrar em detalhes...) Mas vou fazer o quê? É a verdade. E eu vou contar para vocês porque...Sei lá. Na verdade, eu nem devia estar contando, alguns de vocês vão se chocar. Ainda está aqui? Bom, o risco é todo seu. Prepare-se. Ah, é verdade, esqueci de me apresentar (típico). Meu nome é Daniella Fagundes, vinte e oito anos, namoro com o Thiago há dois anos e posso dizer que tudo está mais que perfeito! (xi, exagerei agora, né?). Também adoro comer e sou diferente de qualquer outra mulher que já tenha contado sua história para vocês. Por quê? Porque sou uma daquelas mulheres conhecidas como gordinha. Sabe como é? Eles não se referem a mim como a sagaz Daniella, ou a superconfiante Daniella. Sou apenas a gordinha do grupo. Sempre tem que ter um, não é? Bom, é isso ai, acho que deu para entender. Afinal, vocês estão prestes a conhecer as minhas aventuras de autoconhecimento e de... Comece a ler, ué. Não quer perder um segundo, quer?


Do Éden a luxúria - Ananda V.

Um bar esquecido pelo tempo chamado Devil's Throat - o Gênesis da queda de Melissa Saccer, uma garota que tem sido atormentada por um pesadelo do qual não se recorda ao abrir os olhos. Há centelhas de memórias, passagens de um conto de Edgar Allan Poe, mas nada substancial que possa lhe ajudar. William, um forasteiro enigmático que se comporta como um cavalheiro inglês da época vitoriana. Quantos segredos ele esconde por trás da imensidão de seus olhos azuis? Nessa jornada sombria e solitária que Melissa enfrentará, nada é como parece ser. A verdade, a mentira, o mal e o bem tem múltiplas faces, pontos de vistas conflitantes. Esteja preparado para se apaixonar, mas, acima de tudo, esteja preparado para a queda.






A irmandade de Copra, jogos de liderança - Caroline Defanti

A irmandade de Copra está com problemas. Enquanto Aeris vive com Dakarai e os Copranos, aprendendo a amar seu estilo de vida, a respeitar a deusa Copra e a viver na Terra, como seus ancestrais haviam feito antes de destruí-la, a Irmandade enfrenta uma fase difícil, onde planos sombrios são traçados. Anos depois de seu desaparecimento, Aeris volta a ter contato com um dos Irmãos, e descobre algo terrível: a Irmandade não é mais o que era antes. Os Irmãos estão um um jogo perigoso que mistura astúcia, trapaça e Dádivas. A liderança é o prêmio, os rivais têm suas cartas na manga e o maior medo de Aeris, Dakarai e todo o povo Coprano pode se tornar real. Com a ajuda do estrategista Chess e seus irmãos, Aeris vai precisar de muita coragem e inteligência para vencer esses Jogos de Liderança. No segundo volume da trilogia Irmandade de Copra, você vai encontrar muita ação, aventura e uma batalha perigosa a fim de manter a ordem, enquanto os Irmãos ainda têm que enfrentar dores de um passado triste. Prepare-se, os jogos vão começar!


Quantos todos já estão na lista de desejados de vocês??? Estou apaixonada por essa edição de As grandes aventuras de Daniella! E vai ter a versão hardcover também!!!

Então queridos leitores, não percam tempo e peçam os livros na Arwen Store agora mesmo, garantindo assim alguns brindes exclusivos, além de preços mais que especiais. Cliquem aqui e sigam direto para a loja. 



Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

quinta-feira, 17 de março de 2016

Se eu morrer [Resenha]

onde comprar: Amazon//Saraiva

"Depois de um longo tempo de espera para se encontrarem, Kate e Vincent veem desmoronar a perspectiva de enfim ficarem juntos. Ao serem traídos por alguém em quem achavam que podiam confiar, Kate perde Vincent. Agora o inimigo está determinado a controlar os imortais da França e até a iniciar uma guerra para conseguir o que quer. Mas Kate não desiste, ela sabe que Vincent em algum lugar e fará qualquer coisa para salvá-lo."

No final do segundo livro nos encontramos num momento muito tenso, em que Kate pensa que perdeu Vincent para sempre, depois de ser traída por uma pessoa em quem ambos confiaram durante um bom tempo. Agora, no volume final da série, começamos exatamente onde o segundo terminou (para relembrar, leia a resenha clicando aqui).

Esse terceiro livro é sem dúvidas o melhor da trilogia; já passamos pela fase das explicações e introdução ao universo dos revenants no primeiro (tem resenha aqui também!), depois atravessamos aquela fase de desenvolvimento da trama como um todo no segundo, para chegarmos a batalha decisiva, num livro onde acontecem muitas coisas o tempo todo. Por isso, ele certamente é o mais fácil de ler e mais difícil de largar.

Com personagens como Kate e sua irmã Georgia bem mais maduros, e outros como Jean Baptiste e Jules que nos mostram um pouco mais de seus verdadeiros sentimentos, é possível sentir que a autora teve um cuidado especial na sua criação, já que ela soube mostrar o desenvolvimento deles a cada parte da trilogia, e isso fica bastante nítido agora. Além disso, podemos reencontrar aqui alguns outros personagens que se ausentaram por algum tempo, mas que voltaram para desempenhar papel importante no desfecho da trama.

Todos os cenários das batalhas são descritos em detalhes, de alguém que certamente conhece bem a cidade de Paris e tem liberdade para ambientar sua estória ali. Amy Plum fala sobre pontos turísticos, paisagens e até do clima da cidade com propriedade, e isso é um ponto positivo no livro, principalmente para quem gosta e tem o sonho de conhecer a cidade luz.

A trama é bem estruturada e nesse último livro acontece uma reviravolta que pode mudar tudo o que parecia resolvido. E, ainda que o leitor consiga deduzir algumas coisas, é emocionante descobrir como elas acontecem no decorrer da leitura. O final é competente; a autora conseguiu reunir todos os elementos da estória num único cenário, e também teve coragem para sacrificar alguns deles, então, preparem-se, mortes serão inevitáveis.

Quando comecei a ler as mais de quinhentas páginas desse livro, pensei que passaria por períodos de enrolação onde nada aconteceria, mas por sorte isso não acontece: a cada capítulo um novo problema é apresentado e os personagens tentam resolvê-los antes que algo de pior aconteça. Tudo faz sentido na narrativa, cada pedacinho é importante para o todo, até chegarmos ao ápice num final emocionante.

A série Revenants precisa ser lida, e vocês vão perceber que, apesar de abordar assuntos do sobrenatural, nada é repetitivo. Mesmo tendo um romance que parece durar além da vida, e mortos-vivos como protagonistas, ele não é clichê e não desaponta o leitor.


Se eu morrer
Amy Plum 
editora Farol Literário  (Facebook: FarolLiterario)
512 páginas
nota do Skoob: 4.4
nota do blog: 4.4
(livro cedido pela editora em parceria)



Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

quarta-feira, 16 de março de 2016

O que eu li em fevereiro


Antes tarde do que mais tarde, chego para compartilhar com vocês as minhas leituras do último mês:


Beijos de vampiro (resenha aqui), Até que eu morra (resenha aqui) e Lexus (resenha aqui), abriram bem as leituras de fevereiro.


E logo em seguida li Inverso (resenha aqui), Nunca jamais (resenha aqui) e mais uma Graphic MSP, dessa vez foi Piteco Ingá, que ainda não ganhou resenha, mas já posso dizer a vocês que ela me surpreendeu positivamente.

Enquanto isso, o desafio do Alfabeto Literário ficou assim:

Título
A- Amor vampiro
B- Beijos de vampiro
E- Espadachim de carvão
J- Jogos mentais
L- Loving the band
M- Mônica é daltônica
P- Pavor espaciar

Nome de protagonista
C- Cláudia (Entrevista com vampiro)
E- Eva (Somente sua)
K- Kate (Até que eu morra)
L- Luna (Jogos mentais)
S- Silas (Nunca jamais)

Autores
A- Anne Rice
K- Karen Alvares
P- Paulo Henrique Bragança
S- Sylvia Day
T- Terri Tery

Ainda não sabem o que é o desafio e como participar? Leiam o post de janeiro (clicando aqui) e entendam como funciona. É bem simples, e tenho certeza que vocês vão curtir.




É isso amigos leitores, volto em abril com mais resumos de leitura. Kisses!


Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

terça-feira, 15 de março de 2016

Loving the band [Resenha]

onde comprar: Submarino//Americanas//Amazon

"E se você entrasse na vida da boy band dos sonhos de toda garota? Quando Jess e sua melhor amiga, Tegan, conhecem pessoalmente o The Only Truyh, a boy band mais badalada do momento, não imaginam o tamanho da aventura em que vão se meter. Jess começa a se envolver não apenas com um, mas com dois dos meninos da banda. Um é amigável e conquistador, e o outro é sério e mais fechado. Como decidir, se ambos são gatíssimos e carinhosos? Por tudo isso, ao final das férias, Jess se vê obrigada a tomar a maior decisão de sua vida."

Comprei esse livro numa ótima promoção, só porque li a sinopse e vi que era uma daquelas estórias beeem teen, que eu adoro. Durante a leitura essa primeira impressão se confirmou, mas eu não imaginava que seria tão simples.

A jovem Jess está de férias na casa de seu pai em Londres, junto com sua melhor amiga, Tegan. Numa noite em que saem para jantar se deparam com um grupo de garotos lindos e simpáticos, de quem acabam se aproximando por causa de um incidente. A princípio, Jess não sabe que se trata de uma super boy band. Logo ela se interessa por Shaq, e parece que os dois vão ficar, até que outro menino da banda, Riley, se aproxima dela e acaba atrapalhando a investida do amigo.

Jess passa muito tempo com eles, e mesmo estando com Riley, seu coração tem uma quedinha por Shaq, que fica o tempo todo por perto, observando e esperando, enquanto o amigo fica com os beijos e os abraços. Praticamente todo o enredo gira em torno desse triângulo amoroso adolescente e da decisão que Jess tem que tomar. Será que ela vai escolher a doçura de Shaq ou a ousadia de Riley?

Para uma leitura de entretenimento, o livro cumpre sua função. A escrita bastante simples, o vocabulário utilizado é muito básico. O ritmo narrativo intercala momentos dinâmicos, onde tudo acontece rapidamente, e outros mais lentos, principalmente quando Jess reflete sobre as atitudes dos seus dois pretendentes.

Os personagens são tão profundos quanto se pode esperar de uma estória que era uma fancfic, escrita por uma pessoa com pouca experiência.  Pelo que eu soube depois de terminar a leitura, a autora é muito fã da banda One Direction, e uma de suas fanfics inspiradas neles fez tanto sucesso que virou esse livro. Nada contra escritores inciantes, afinal, todos têm que começar de algum lugar, mas a realidade é que a maioria dos primeiros trabalhos de alguém é mais fraco que o restante de suas criações, pois só se aprende a escrever escrevendo. Na verdade o enredo é bem simples e não há reviravoltas ou surpresas que possam mudar o destino dos personagens. Quase não temos descrição de cenários, pois a autora prefere focar no relacionamento entre as meninas e a banda, e suas dúvidas e desejos adolescentes.

Não é uma leitura perdida, pois como já disse, ela serve para entretenimento. É possível ler o livro em poucas horas, por seu tamanho e também por sua simplicidade. Mesmo não sendo uma leitura que vai ficar entre as mais marcantes da vida, é um livro gostoso de ler, e vale pela nostalgia da época de adolescente, afinal, que menina nunca foi caidinha por uma boy band de sucesso? (eu ainda sou!)


Loving the band
Emily Baker
editora iD
200 páginas
nota do Skoob: 3.4
nota do blog: 2.5

Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

segunda-feira, 14 de março de 2016

Um pouquinho de...



"Ela é como poesia. 
Como prosa e cartas de amor e letras de músicas, cascateando página
abaixo 
bem 
no
meio
do
papel.
Rachel, Rachel, Rachel.
Repito o nome dela sem parar na minha cabeça,
pois tenho certeza de que é o nome da próxima
garota pela qual vou e apaixonar.
De repente, estou em pé. Caminhando na direção dela.
Talvez esteja sorrindo, fingindo não estar abalado pelos olhos
verdes que espero que um dia sorriam apenas para mim. Ou
pelo cabelo ruivo-da-cor-do-meu-coração que parece estar intacto 
desde que Deus o criou especificamente para ela."


(página 25, capítulo 2)


Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

domingo, 13 de março de 2016

Check in no afeto


De quantos olhares precisa para se apaixonar?

No meio da multidão a pressa é tanta que se torna impossível enxergar algum rumo, já é hora do embarque e eu adorei o seu casaco preto. Foi assim que nos conhecemos, e ainda não a conheço. O avião decola e nos corredores dele só consigo sentir o seu perfume. Dizem que é ficção sentir sem nunca ter tocado, mas só acredita nisso quem nunca foi amado, o amor transborda nos olhos, o amor é cinza como o cérebro (a respeito do meu daltonismo que me perdoem os doutores). O livro que você está lendo é o mesmo que li na semana passada, nele diz que o imprevisível é que dá sentido a vida, eu acreditei, quando terminei de ler olhei para os lados. Neste momento estará olhando ao seu redor, creio que já constou as páginas cheias. Seu próximo feito é sorrir. E sorriu. Que sorriso lindo. Não sou um maníaco mas foi assim que conheci a mãe dos meus filhos, sorrindo, porque é sorrindo que se termina e começa boas histórias.

Sr Comandante, não deixe o avião pousar ainda não conquistei o coração dela. Pensará eu.

Quanto tempo ainda falta para eu continuar nas nuvens? Pensará eu. Que belo tênis o daquele rapaz. Não é desperdício reparar nos pés, pois os pés é que são o nosso sustento, mas que se dane a sustentabilidade, que audácia é essa de reparar na poltrona ao lado? Foi assim que nos conhecemos, e ainda não o conheço.

Por causa dela, precisarei tomar um ar, acenderei um cigarro no banheiro que balança, só não mais que meus sentimentos com turbinas. A física diz que toda ação causa uma reação.

A minha foi quando a encarei.
A minha foi quando eu reparei que um dos meus assentos estava vazio.

<<A nossa reação foi essa>>

- Me permita a companhia cara tripulante? Só se for do meu lado pensará ela.
- Sim eu permito. Respondeu
E ocupei o espaço ao lado dela.

Toda proeza se inicia com o ‘’Sim eu permito’’ e todo avião pousa quando chega ao seu destino, mas ele não deixa nunca de fazer viagens.
- Quer me dar as mãos?
- Quero.

E estamos como passageiros de poltrona até hoje. Só que dessa vez, como companheiros no sofá da nossa casa.



Este post é válido para o Top Comentarista, participe!



Rafa Peres, resenhista e crônista, mantém o blog Minha Versão das Coisas, onde publica todos os seus textos.
Twitter: @Raafaperes

quinta-feira, 10 de março de 2016

Beijos de vampiro [Resenha]


"Novos moradores sempre causam impacto quando chegam a uma cidade pequena. Ainda mais se vão morar em uma velha mansão abandonada, que todos juram ser mal-assombrada. Quem são, ou melhor, o que são eles? Poderiam ser vampiros? Raven, uma garota de 16 anos, louca pelas criaturas das trevas, gostaria muito que isso fosse verdade. E ela gostaria de saber o que poderia acontecer caso o lindíssimo filho dos forasteiros a beijasse."

Raven é uma garota que ama o sobrenatural, e seu maior sonho é conhecer um vampiro de verdade que a transforme em vampira também. Na cidade em que mora a coisa mais diferente é ela, por se vestir sempre de preto e não ser como as outras meninas. Esse é o motivo pelo qual o garoto mais popular do colégio vive a implicar com ela, sempre a provocando e querendo tirá-la do sério. Numa dessas ocasiões é que Raven se vê frente a frente com um garoto estranho que acaba de se mudar para a cidade.

A mansão abandonada há anos agora tem novos moradores, entre eles o jovem Alexander, que é tão diferente quanto Raven, e que se parece muito com um vampiro. Eles se aproximam e passam a viver um romance adolescente fofo, enquanto lutam contra o preconceito de toda a cidade para aceitá-los como eles são. O final é muito interessante, e eu realmente não esperava pelo que aconteceu.

O livro tem um ritmo gostoso, que facilita bastante a leitura, o que me faz acreditar que ele foi escrito para o público juvenil. Além da linguagem utilizada ser bastante simples e direta, o próprio enredo deixa claro que se trata de uma obra para leitores jovens.

Os personagens são bem desenvolvidos e é possível conhecer bastante da personalidade de cada um durante a leitura; a autora detalha os sentimentos de cada um deles, e isso não diminui o ritmo da narrativa, nem deixa a estória desinteressante. A trama é bem construída, e, apesar de algumas coisas ficarem claras ao longo da leitura, o final não é previsível.

Os cenários criados pela autora são bem factíveis, desde o cemitério até o colégio onde Raven estuda poderiam muito bem existir numa cidade do tamanho de Tediolândia, nome pelo qual a protagonista se refere ao município. Por isso é fácil se sentir dentro da estória, e visualizar o ambiente onde a trama se desenrola.

Não há grandes reviravoltas na narrativa, mas o ápice da estória é um momento tenso, onde um personagem que parecia bastante inocente acaba prejudicando Raven e a afastando de Alexander. Essa tensão conduz o restante da narrativa até o seu desfecho, onde a protagonista consegue, com a ajuda de outras pessoas, resolver as confusões que a separam de seu amor, e desmascarar o responsável pela mentira que a prejudicou tanto.

No geral, é um livro interessante, mas bastante voltado ao leitor adolescente. Se você é um leitor mais maduro, mais experiente, talvez não seja recomendada a leitura. Porém, se você gosta de se aventurar num leitura divertida, despretensiosa, e que tem vampiros como parte do enredo, pode começar agora mesmo. 


Beijos de vampiro
Ellen Schreiber
ediora iD
238 páginas
nota do Skoob: 3,8
nota do blog: 3.5


Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

segunda-feira, 7 de março de 2016

Um pouquinho de...

"Ela está me observando. Mechas de cabelo se colocam entre mim e uma visão completa do seu rosto. Ela é linda, mas de um jeito infame. Algo que não sei se eu devia apreciar. Tudo a respeito dela é cativante, como as consequências de uma tempestade. As pessoas não deviam se deleitar com a destruição que a Mãe Natureza é capaz de causar, mas é algo que atrai nosso interesse mesmo assim. Charlie é a devastação que fica depois que o tornado passa."


(página 38, capítulo 4)



Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

domingo, 6 de março de 2016

Top comentarista março + resultado fevereiro










Leitores e leitoras lindos do blog, como estão? Espero que bem! O resultado do TC de fevereiro demorou um pouquinho, mas saiu. Foram pouquíssimos participantes, e por isso, quem comentou em todos os posts teve grandes chances de ser o ganhador. 

Das 7 pessoas que deixaram seus comentários nos posts, apenas 3 foram elegíveis para participar do sorteio, pois marcaram presença durante todo o mês por aqui. Bem, vamos ver quem foi o felizardo:



Camila Rosa, a portadora no número 4 foi a sorteada! Parabéns Camila, você ganhou A herdeira, de Kiera Cass, e vai receber um e-mail solicitando seus dados para envio. Caso o e-mail não seja respondido em 3 dias, um novo sorteio será realizado.

Para aqueles que não ganharam, meu conselho é: não desanimem! Um mês termina, outro começa, junto com um novo Top Comentarista para vocês. Com base nos comentários de algumas resenhas, decidi que vou dar 3 opções de livros em março, assim, o ganhador vai ter a chance de escolher o que mais lhe interessar.




Três grandes sucessos da Editora Arwen: Diários de extermínio - a guardiã (resenha aqui), A fada madrinha (resenha aqui) ou Lexus - o despertar da escuridão (resenha aqui). Um deles pode ser seu, basta colocar seus dedinhos para trabalhar e comentar, comentar, comentar! As regras são as básicas:

Comentar nesta postagem com nome de seguidor, e-mail válido e perfil no Facebook ou Twitter  para validar sua participação. É importante que esse dados estejam corretos, pois serão usados para contato com o vencedor. 

Curtir a fanpage do blog no Facebook clicando aqui;

- E claro, comentar em todas as postagens do mês.

Lembrando que:
  • Os posts de sorteios ou resultados de sorteios não valem para o TC;
  • Somente um comentário por post será validado, e ele precisa ser coerente com a postagem: não serão contabilizados comentários do tipo "gostei" ou "participando";
  • O ganhador deverá ter endereço de entrega no Brasil;
  • A promoção começa sempre no dia primeiro e vai até o último dia de cada mês. Mesmo que o post com o TC ainda não tenha sido publicado, valem comentários em postagens anteriores.
  • Se houver empate em número de participantes, o ganhador será definido por sorteio, realizado no site random.org ou no sorteador.com;
  • O ganhador será avisado por email e terá 72 horas para respondê-lo. O prazo para envio do prêmio é de 45 dias úteis, contados a partir da resposta do e-mail, e o blog não se responsabiliza por atrasos ou extravios por parte dos Correios;
  • O descumprimento de qualquer uma das regras resultará na eliminação do ganhador.

Como já estamos no dia 6 de março, alguns posts da semana passada já estão valendo para esse TC, e os links estão aqui, para facilitar a vida de vocês, leitores queridos do meu coração, basta clicar no título de cada resenha:

- Resenha Sweet
- Resenha Nunca jamais

Espero ler mutos comentários por aqui hein! Ótimo mês para todos =)




Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen


quarta-feira, 2 de março de 2016

Nunca jamais [Resenha]

onde comprar: Extra//Saraiva//Amazon 

"Charlie Wynwood e Silas Nash são melhores amigos desde pequenos. Mas, agora, são completos estranhos. O primeiro beijo, a primeira briga, o momento em que se apaixonaram... Toda recordação desapareceu. E nenhum dos dois tem ideia do que aconteceu e em quem podem confiar. Charlie e Silas precisam trabalhar juntos para descobrir a verdade sobre o que aconteceu com eles e o porquê. Mas, quanto mais eles aprendem sobre quem eram, mais questionam o motivo pelo qual se juntaram no passado."

Tem coisa mais emocionante do que um livro da Colleen? Acho que não! Mesmo escrevendo em parceria com outra autora, Tarryn Fischer, dá para reconhecer seu toque na narrativa, e seu estilo de escrita apaixonante/dramático.

Essa estória começa com um mistério: de repente, sem saber de onde veio ou quem é, Charlie 'acorda' no meio do colégio, com uma garota estranha à sua frente. Ela não se lembra de nada, nem mesmo de seu próprio nome, e vai tentando disfarçar sua desorientação em meio aos outros alunos e aulas onde o professor parece odiá-la, sem ela nem ao menos imaginar o motivo.

De outro lado encontramos Silas, que está vivendo a mesma situação, e que faz de seu encontro com Charlie uma razão para tentar descobrir o que está acontecendo com eles. O mais estranho é que eles conseguem lembrar de coisas aleatórias como quem canta alguma música ou informações sobre algum filme qualquer. Isso torna tudo ainda mais misterioso: como é possível duas pessoas, ao mesmo tempo, perderem a maior parte de sua memória?

Aos poucos eles vão juntando pequenas informações que vão lhes mostrando quem eles eram, e que tipo de vida levavam. Logo de cara eles descobrem que eram namorados há muito tempo, e que suas famílias eram amigas, mas agora, por algum motivo que eles ainda desconhecem, se tornaram inimigas mortais.

Silas é um fofo: o tempo todo tentando diminuir a tensão da situação em que se encontram, o que vai irritando Charlie cada vez mais, já que tudo o que ela quer é descobrir quem é aquela Charlie de ontem, uma pessoa que parece ser tão diferente dela. 

Como não poderia faltar num livro da Colleen, aqui também tem romance, mas ele se dá de forma muito delicada, aos poucos, como se pudesse se quebrar a qualquer momento. Também pudera, ao mesmo tempo em que Silas sente que pode se apaixonar facilmente por Charlie, ele percebe que ela luta contra esse sentimento, e aposta que vai conseguir conquistá-la novamente. Cada mínimo detalhe que eles descobrem sobre o relacionamento do qual eles não se lembram é delicado, e alguns deles podem arrancar suspiros da leitora mais emotiva.

A única razão que me fez não dar nota 5 de 5 para esse livro foi o final, e não foi por ser ruim, mas por ser tão repentino e surpreendente que me deixou revoltada. Eu já sabia que a estória não se fecharia nesse livro, já que é parte de uma trilogia, mas não estava preparada para as duas últimas páginas e, principalmente, para os últimos parágrafos desse primeiro volume. É cruel e ao mesmo tempo brilhante, deixando tudo em aberto, no momento mais crítico da amnésia dos personagens. Não posso falar mais para não dar spoiler, então, leiam e entendam o meu sofrimento. E juntem-se a mim na campanha pela publicação do segundo livro, pra ontem.

Nunca jamais
Colleen Hoover e Tarryn Fischer
editora Galera Record
192 páginas
nota do Skoob: 4.4
nota do blog: 4.6


Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

terça-feira, 1 de março de 2016

Sweet [Resenha]


"Boyce Wynn é um cara ferido e selvagem, mas resiliente. Pearl Frank sempre foi uma garota obediente, mas agora está inquieta. Quando volta para sua cidadezinha, em crise com sua escolha profissional, Pearl tem duas certezas: Boyce é exatamente aquilo que ela deveria evitar - e tudo o que ela mais quer. Ele é rebelde e barulhento. Indiferente ao que as pessoas pensam dele. Intenso. Forte. Perigoso. Mas Boyce tem mais uma característica - algo que ele esconde de todos, exceto de Pearl: ele é doce. Neste volume da série Contornos do coração, você vai conhecer a história de dois amigos conforme eles descobrem que sempre foram mais que isso, - além de rever personagens conhecidos, como Lucas e Jacqueline."

Sweet é o terceiro volume da série Contornos do Coração, que, nos dois primeiros, Easy (resenha aqui) e Breakable (resenha aqui), contou em detalhes a história de Jacqueline e Lucas, primeiro pela perspectiva dela e depois pela dele. Agora vemos novos protagonistas, que fizeram uma rápida aparição em Breakable: Boyce e Pearl, jovens que moram na mesma cidade que Lucas.

Quando chega a hora de escolher que faculdade fazer, Pearl decide que vai voltar para casa e estudar biologia marítima, que é sua verdadeira paixão desde criança. Com essa desistência, ela acaba deixando para trás o namorado, que tinha planejado todo o futuro dos dois juntos, na mesma faculdade, e que não aceita muito bem o rompimento. Além dele, Pearl ainda vai ter que enfrentar a própria mãe, que certamente não vai aceitar a decisão da filha, pois queria que ela fizesse medicina.

Chegando em casa, Pearl reencontra Boyce, o amigo que ela mantém desde pequena, e por quem sempre teve uma quedinha. O que ela não sabe é que ele também se sentia atraído por ela esses anos todos, mas, como ele era muito galinha e estava sempre rodeado de mulheres lindas, Pearl nunca admitiu que gostava realmente dele.

Depois de muitas idas e vindas, eles se aproximam novamente, e vão ficando cada vez mais íntimos. Ainda que Boyce tenha enfrentado inúmeros problemas com sua família, ele vê em Pearl um porto seguro, e sabe que poderiam viver bem juntos, mas tem medo de se declarar e acabar perdendo-a. E nessa confusão de trocar de faculdade e voltar para casa, Pearl acaba se desentendendo com a mãe, e vai morar no trailer de Boyce enquanto não consegue um emprego. Essa convivência acaba escancarando os sentimentos de ambos, e tornando mais fácil que eles demonstrem o que sentem de verdade.

Quando tudo parece se encaminhar para o final feliz, a mãe de Boyce aparece, e está apenas interessada nas poucas coisas que o filho construiu. Além dela, o ex de Pearl também volta para causar a maior confusão, e acaba colocando em risco a vida de Boyce.

Tudo isso narrado com a escrita delicada de Tammara Webber, que é capaz de envolver e emocionar o leitor ao compartilhar com ele os sentimentos mais sinceros de seus personagens, e fica impossível não se identificar com eles em algum momento. Ela mescla momentos de romance, dor, confusão e amizade verdadeira com muita leveza e transporta o leitor para dentro da trama naturalmente. Tanto que, quando o livro acaba, sentimos falta de Boyce e Pearl.

O que eu mais gostei no livro foram os capítulos narrados por ambos protagonistas, o que oferece ao leitor a chance de saber o que cada um pensa sobre cada acontecimento. Além da mudança de perspectiva, os capítulos também transitam entre o presente e o passado, com os protagonistas relembrando fatos de sua infância e adolescência, e que nos ajudam a entender melhor sua história, entender como e por quê eles nunca assumiram o que sentiam um pelo outro.

Sweet é uma leitura adorável, com um romance hora conturbado, hora fofo e delicado, e que vai conquistar os leitores que gostam de livros bem escritos, com estórias bem estruturadas, e que não exigem tanta dedicação quanto um Saramago, mas que são capazes de entreter. Certamente ele ficará entre os seus preferidos.


Sweet
Tammara Webber
editora Verus
322 páginas
nota do Skoob: 4.3
nota do blog: 4.0



Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen