domingo, 29 de maio de 2016

Semana especial Sangue de Lobo

Olá leitores! Durante toda essa semana vamos falar muito por aqui sobre o livro Sangue de lobo, das autoras Rosana Rios e Helena Gomes. Essa estória vem me conquistando a cada página, e tenho certeza que vai ganhar vocês também.

E fiquem ligados ao longo da semana, pois vai rolar sorteio!























"Como analisar as inúmeras narrativas sobre lobisomens? Uma forma é vê-las pelos olhos das vítimas dessa fera; outra forma é tentar enxergar os fatos do ponto de vista do lobo.
Em algumas histórias do folclore mundial, a maior preocupação é de se matar os lobisomens: eles são vistos como feras antropófagas e malignas, que devem ser exterminadas. Daí a necessidade das balas de prata ou untadas com cera benta.
Em outros contos, a questão já não é essa. A licantropia é mostrada como uma desdita, uma maldição, um castigo que atormenta um homem. A ênfase nesse caso está na ambiguidade, na angústia daquele que é humano mas também é fera, e está sujeito às imposições do instinto animal, quando se transforma: mata, dilacera, não reconhece nem mesmo seus entes queridos. No momento em que se retoma sua primeira natureza (a forma humana), o sofrimento do homem-lobo é intenso, pois o humano sabe o que pode fazer quando a segunda natureza se sobrepõe à sua humanidade - e embora em algumas histórias ele se lembre do que fez, horrorizando-se, em outras ele tem ao menos a benção (embora ambígua) do completo esquecimento.
Tais narrativas propõem, então, maneiras de dar fim à sina dos lobisomens. O folclore brasileiro é incisivo nesses casos: diz que basta que se faça seu sangue correr. E o sangramento do lobisomem não implica a sua morte, ele apenas deve ser feito para que o sangue corra.
Essa crença tem muita relevância, pois indica que o Fator Lobisomem - o que quer que sejo o que o faz virar lobo - corre em seu sangue. Por mais que as histórias e depoimentos variem, está aí uma coisa de que não se pode duvidar."

(Introdução do capítulo 5, página 229)



Esse livro é cheio de ação, mortes e muita mitologia, que dão a base para as autoras construírem a estória do personagem Daniel Lucas, o lobisomem de 120 anos que, ao longo de sua existência, se viu envolvido numa série de assassinatos macabros, que afetaram diretamente sua vida. Mas também há espaço para o romance, e apesar de se transformar em lobo a cada lua cheia, Daniel é capaz de amar, e muito.

Acompanhem essa semana especial e participem do sorteio, um leitor vai levar pra casa o incrível livro Sangue de lobo.


Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

5 comentários:

  1. Ótima oportunidade pra conhecermos um pouco mais sobre o livro e também de ganhar o livro, gostei muito, parabéns!! :)

    ResponderExcluir
  2. Oi Joana!
    Não sabia que o livro era escrito por duas autoras, apesar do quote interessante que você postou não achei a mesma coisa da introdução do capitulo 5, fiquei na duvida se leria o livro.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Até hoje ainda não li um livro que tenha sido escrito conjunto, acredita? Kkk
    tenho muita vontade de ler esse livro, faz tempo que não leio nada sobre lobos. Mas essa é uma fanática da qual eu gosto bastante. Aguardando ansiosa pelo sorteio \o/

    ResponderExcluir
  4. Amei essa introdução!
    Parece ser um livro muito bom, as autoras capricharam, aguardarei a resenha!

    ResponderExcluir
  5. Se com aquele trecho eu fiquei curiosa, agora eu tô mais! Adorei saber que ele envolve mitologia *-* Já vou adicionar na lista, beijo :)

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!