quinta-feira, 30 de junho de 2016

Ele não é isso [Resenha]

onde comprar: Editora Arwen

"Em pleno marco zero de São Paulo e escondida entre as paredes do edifício Nazareth, uma história, que antes fora de amor, vai se tornar sofrimento, tortura e medo. Em uma noite tranquila, Matias e sua esposa, Felícia, grávida de 6 meses, são atacados por um cão. Para ele havia sido apenas um susto. Para ela, uma dolorida, mas curável ferida na perna. No entanto, a ignorante certeza de que tudo acabará bem, desprezando a necessidade de cuidados médicos, causará sérias consequências. O que tal negligência ocasionará às vidas dessa família? Que destino um simples acidente revelará para o mundo? Matias, enclausurado em seu apartamento com seu filho, Júnior, viverá momentos tenebrosos e sombrios que mudarão para sempre a sua história e das pessoas à sua volta. Um pai, um filho e um destino amedrontador."

Está muito difícil começar a falar sobre esse livro, por um único motivo: ele tem sofrimento demais! O protagonista sofre o tempo todo, passa pelas situações mais tristes e perturbadoras e, quando o leitor pensa que acabou, vem um flashback da vida dele e mais sofrimento ainda.

Durante toda a narrativa participamos da vida triste e difícil de Matias, um rapaz que desde criança passou pelas maiores tragédias que se pode imaginar, e agora, já adulto, só quer cuidar de seu filho e ser feliz. Mas isso não será tão simples como ele imagina.

Quando criança, ele perdeu os pais e foi morar com uma tia, que tinha um namorado que era um monstro. Ele abusava sexualmente de Matias e o tratava como lixo. Ainda adolescente, o protagonista fez muita bobagem, e por  fim, acabou engravidando uma menina, que, depois de ser expulsa de sua casa, passou a ser responsabilidade dele, ainda que contra a sua vontade.

Mais tarde, depois de ter seu filho, a moça morreu e o bebê ficou aos cuidados do pai, que trabalhava e fazia de tudo para que ele fosse muito bem cuidado e tivesse tudo que ele não teve. Uma vizinha ajudava Matias com o filho, e ela também tinha um passado bastante sofrido, que vai sendo revelado aos poucos durante a narrativa.

Além  de tudo de ruim que acontece com Matias, ainda surge uma doença misteriosa no filho, Júnior, que vai ficando cada vez mais debilitado, chegando a parecer um pequeno animal selvagem: ele começa a comer carne crua, morder pessoas, perde as unhas e os cabelos, seus dentes apodrecem, e seus olhos ficam acinzentados. O menino também parece passar a maior parte do tempo em outro mundo, totalmente alheio a tudo o que se passa a seu redor, exceto por rápidos momentos em que ele parece voltar ao normal e reconhecer seu pai.

Matias deixa de lado seu trabalho e tudo em sua vida para se dedicar a cuidar de Júnior, a princípio, com a ajuda da vizinha, mas depois, ele não permite mais que ela se aproxime, demonstrando estar mentalmente perturbado. Matias tem visões com a esposa morta e já não consegue distinguir o que é real do que é pesadelo, e assim ele vai se isolando do mundo, passando a viver apenas para alimentar o filho.

O livro é cheio de momentos que deixam o leitor apavorado, com o coração partido, e torcendo para que o pobre Matias ao menos consiga ter um final feliz. Temos cenas de abuso sexual, estupro coletivo, uso de drogas e até assassinato, mas as piores partes são com certeza aquelas que mostram a transformação de Júnior em algo inimaginável.

Todo esse sofrimento é um defeito da estória? Muito pelo contrário, é exatamente essa angústia que torna o livro interessante, e o destaca entre algumas obras literárias recentes: a intenção do autor era realmente chocar, mostrar que precisamos cuidar de nós mesmos, uns dos outros, o tempo todo, ficar atentos à nossa saúde, e, principalmente, lutar a cada dia para sair das situações mais adversas. Mesmo uma pessoa que sofreu com tantas tragédias desde criança, é capaz de se reerguer e construir uma vida nova.

Em meio a tanta desgraça, se destaca o lado humano da vizinha de Matias, fazendo um contraponto com a má índole de Romeu, outro vizinho, que só quer tirar vantagem em tudo, independente de quem vá sair prejudicado com seus atos. O principal elemento do livro é exatamente esse: mostrar os diversos lados das pessoas, como elas reagem frente a situações extremas, e como elas podem se levantar, mudar de vida, buscar a luz no fim do túnel.

O livro intercala narrativa no presente e algumas lembranças do passado dos personagens, dando ao leitor a oportunidade de voltar no tempo e entender exatamente porque cada um deles age como estão agindo agora. Gosto dessa técnica de misturar os tempos narrativos, e achei que o autor conseguiu usar isso para envolver ainda mais o leitor com seus personagens, nos aproximando mais deles e nos fazendo compartilhar de todo o seu sofrimento.

O final foi bem inesperado para mim. Acredito que o autor conseguiu amarrar bem a estória e dar um fim digno aos personagens, ainda que nem todos tenham alcançado o seu felizes para sempre. Recomendo a leitura para quem tem coração e estômago forte, e principalmente para quem gosta de estórias que mexam com o psicológico do leitor.


Ele não é isso
Rodrigo Moreira
Editora Arwen 
268 páginas
nota no Skoob: 4.7
nota do blog: 4.0
(livro cedido pela editora em parceria)


Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

4 comentários:

  1. Nossa quanto sofrimento na vida desse cara! E fiquei com medo do filho dele, se a intenção do autor era chocar mesmo ele conseguiu porque não consigo imaginar tudo isso. Não sei se consigo ler esse livro por conta das cenas mais fortes de abusos e da "transformação" do filho dele mas com certeza deve ser um livro muito bom, bem diferente dos livros que estou acostumada.
    Parabéns pela resenha, ficou muito boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Vitória! Eu fiquei chocada em diversos momentos da leitura, mas acabei gostando do enredo como um todo. A minha sorte foi que não li nada sobre o livro antes de começar, então foi uma leitura surpreendente do começo ao fim.
      Bjos!

      Excluir
  2. Oi Jo,
    achei meio "ruim" essa sucessão de sofrimentos. Acho que não saberia lidar com toda essa angústia, mesmo tendo uma vizinha muito boa. Esse livro realmente parece ser ideal pra quem tem coração e estômago forte, o que muitas vezes não é o meu caso.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  3. Oi, Joana! Tudo certinho?
    Quer dizer... tomara, depois do livro rsrsrsrs.
    Brincadeiras a parte, muito obrigado pela sinceridade das suas palavras. Eu adorei a sua resenha, pois... nossa, você captou a mensagem: "Ele não é isso" é exatamente isso, uma luz no fim do túnel, ainda que esse percurso seja longo e doloroso. Acima de tudo e por mais sombria que seja, esta é uma história que trata de escolhas.
    A sua sinceridade ao mencionar a dificuldade de falar sobre o livro, por causa do sofrimento, foi algo que me fez parar e pensar: "Acho que peguei pesado". Contudo, o quanto a felicidade também não se torna um fardo, não é verdade? Pois tentamos mantê-la a todo custo, todos os dias, sem se permitir ficar tristes, com raiva e etc. Equilíbrio é um bom ponto em nossas vidas e devemos fazer o melhor possível para sermos mais saudáveis e felizes em nossas escolhas.
    Mais uma vez, muito... muito obrigado mesmo pelo fantástico trabalho resenhando essa obra, que é pra lá de especial para mim.
    Sensacional!!! :)

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!