quinta-feira, 29 de setembro de 2016

O caderninho de desafios de Dash e Lily [Resenha]

onde comprar: Submarino//Americanas//Amazon

"O novo livro de David Levithan e Rachel Cohn acompanha a dupla Lily e Dash: ela está doida para se apaixonar e, para encontrar o par perfeito, decide criar um caderninho cheio de tarefas de deixá-lo na livraria mais caótica de Manhattan. Quem encontra esse moleskine é Dash, e os dois começam a se corresponder e trocar sonhos, desafios e desejos no caderninho, que vai se perdendo nos mais diversos lugares de New York."

Um young adult muito leve e descontraído, que comecei a ler depois de conhecê-lo no Mochilão da Galera Record, e que me fez sentir saudades da adolescência e da descoberta do primeiro amor.

Lily, uma garota de 16 anos que não é muito popular mas também, não é totalmente excluída, e que ama o Natal, mas, justamente nessa época do ano, vê seus pais viajarem para uma segunda lua de mel e mudarem toda a tradição familiar. Sozinha com o irmão, Lily fica entendiada e cria o caderninho de desafios que mudará sua vida.

Com a ajuda do irmão, Lily cria um desafio que só uma pessoa que tivesse gostos parecidos com os dela iria conseguir solucionar. Ela deixa o caderninho numa prateleira específica da melhor livraria da cidade e espera que um bom candidato a namorado o encontre.

Do outro lado está Dash, um menino de 17 anos, um tanto quanto solitário, e muito inteligente. Apaixonado por livros e por palavras - o que já me fez gostar dele de cara -, ele adora passar seus das na livraria, e encontra o moleskine de Lily. Para ele o primeiro desafio foi moleza, e a partir daí eles passaram a trocar tanto desafio quanto confidências através do caderno vermelho. Ele não gosta de Natal, e sua marra com todos os preparativos para a data fazem um contraponto com a empolgação de Lily, mas apesar disso, eles têm muito em comum.

No decorrer da narrativa, percebemos que ambos gostam de ficar sozinhos, apesar de Lily gostar de passar as festas com a família. Talvez Dash não tenha se apegado ao Natal por ser filho de pais separados, que não criaram essa tradição. Por isso, ele se mete nas situações mais hilarias ao tentar cumprir os desafios do caderno que envolvem cenários natalinos. 

Cada desafio é uma aventura, e o interessante é que cada capítulo é narrado por um personagem, o que proporciona ao leitor uma visão total do que está acontecendo e do que eles estão pensando. E também são capítulos curtos, que facilitam a leitura e impulsionam o leitor a continuar seguindo até o fim do livro sem parar.

E o cenário não poderia ser mais cativante: New York na época do Natal é linda, e tem neve! Além disso, os autores nos guiam por diversos pontos turísticos da cidade, aguçando aquela vontade de estar lá, nas festas de final de ano, fazendo compras e comendo donuts.

Todos os desafios e desabafos entre Lily e Dash os aproxima rapidamente, é o leitor torce para que eles se encontrem e se identifiquem tanto quanto no caderninho, mas isso não acontece como o esperado, e, apesar de saberem que têm muito em comum, eles se atrapalham um pouco com seus sentimentos e parece que tudo vai se perder.

A escrita dos autores é gostosa de ler, seus personagens são cheios de características marcantes e a trama, apesar de ser quase infantil em alguns momentos, é bem divertida e bem construída. É muito gostoso acompanhar Dash e Lily se autoconhecendo enquanto descobrem o outro, perceber que eles começam a amadurecer durante esse processo, e que a chegada do primeiro amor os ajuda a sair da casca, enfrentar seus medos e dificuldades e abrir o coração para o outro.

Esse é um livro bem simples, uma leitura para espairecer a cabeça, sair daquela ressaca literária, ou então começar no universo da literatura. Com uma estória bem leve e momentos divertidos, os autores conseguem entreter sem esforço, mas com muita competência.


O caderninho de desafios de Dash e Lily
David Levithan e Rachel Cohen
editora Galera Record
256 páginas
nota do Skoob: 4.0
nota do blog: 3.8




Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Lançamentos de setembro - Arwen

Prezados leitores, apesar de o mês de setembro já estar no finalzinho, vamos mostrar as novidades da parceira Arwen, que estão de parar o trânsito:


Elde - Glauco Lessa

Elde sempre teve suas convicções sobre o amor, apesar de ser princesa da cidade-estado de Adelaide e estar prometida a um príncipe que nunca conheceu. Entretanto, no dia de seu casamento, o destino de Adelaide é drasticamente modificado pelo inesperado e devastador ataque de Vulcano, um dragão vermelho impiedoso, que está à procura de seu filho. Única sobrevivente da realeza, Elde precisará ponderar seus desejos e deveres. Em meio a escombros, traições e muita dor, ela terá de aprender a liderar seu povo por conta própria. Elde é um livro de fantasia, que apresenta ao leitor mais do que apenas um romance proibido, mostra a força que cada um de nós é capaz de ter em nosso interior, a importância da amizade e da confiança, e a necessidade de fazer sacrifícios. Venha conhecer essa forte rainha e sua difícil história. Venha conhecer Adelaide, o Reino da Fênix."




Nada se compara a você - Alex Well

Don e Tessa têm poucas coisas em comum, além do fato de morarem na mesma cidade. Ele é dono de um bem-sucedido restaurante e tem aversão a relacionamentos afetivos, preferindo casos que durem apenas uma noite. Tessa é uma promissora jornalista que, apesar da falta de sorte, acredita em relacionamentos e tem certeza de que, mais cedo ou mais tarde, sua maré de azar vai acabar. Quando os dois se conhecem, eles provam que os opostos se atraem, nesta história narrada sob o ponto de vista do casal.
Uma história cheia de desejo e amor, um conto real sobre relacionamento nos dias atuais. Não será surpresa se o leitor se identificar com os pensamentos dos personagens, afinal, existe um pouco de Don e Tessa dentro de cada um do nós. 





Os guerreiros de Alquemena - A jornada de Lorenai - Delson Neto

Uma jornada de autoconhecimento e descobertas. Prestes a completar 16 Ciclos, a jovem princesa Lorenai - órfã de pai e mãe -, se depara com a incrível missão de descobrir a verdade sobre o desaparecimento de sua mãe, a rainha Alquemena Una, e de aprender a combater o mal que assola seu mundo. Em suas andanças pelo reino, Lorenai receberá a ajuda de dois jovens e destemidos guerreiros. Talvez não tão guerreiros, nem tão destemidos assim. Descubra junto com a princesa as belezas e encantos de Asgaha e embarque nessa jornada rumo ao desconhecido."








Utópico - André Mafra

Daniel Reis é um médico curitibano com uma carreira em ascensão e um futuro brilhante, mas que esconde um passado sombrio. Atormentado pelo assassinato que cometera e que nunca viera à tona, sua sede por sangue se alia à sua revolta para com o mundo ao seu redor. A extração de órgãos é apenas o começo de uma nova vida sem volta para o Dr. Daniel e, nesta jornada obscura e gananciosa, dinheiro, morte e amor o forçam a enfrentar seu pior inimigo: ele mesmo. O leitor deve estar preparado para se surpreender a cada página deste thriller, que marca a estreia de André Mafra na literatura."







Já escolhi o meu preferido, e quero ler agora! E vocês, qual livro mais gostaram? Qual já está na listinha de desejados? Lembrem-se que dá para comprar todos os livros da Arwen direto na sua loja virtual, com precinhos lindos de se ler. Acessem clicando aqui.


Este post é válido para o Comentarista Premiado, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

terça-feira, 27 de setembro de 2016

The originals - Ascensão [Resenha]

onde comprar: Livraria Cultura//Extra//Amazon

"Desde que Elijah, Rebekah e Klaus Mikaelson aportaram em New Orleans, a noite já não é mais a mesma; eles acreditam ter encontrado ali um refúgio, mas a cidade está prestes a sofrer grandes transformações em seu cenário sobrenatural. O casamento entre uma bruxa e um lobisomem promete por fim a uma guerra sangrenta. Mas a bruxa em questão, Vivianne Lescheres acaba se envolvendo com Klaus, que não medirá esforços para manter esse romance, ainda que tenha que derramar muito sangue. Enquanto isso, Elijah procura por uma residência onde possam viver, e Rebekah tenta seduzir um capitão do exército de New Orleans para ajudar na defesa da família, mas acaba se apaixonando por sua vítima, e esse amor pode por tudo a perder. Nessa luta por segurança e amor, os Originais deverão unir forçar para não despertar a ira de uma rivalidade milenar."

A série Os originais surgiu como um spin off de Vampire diaries e deu muito certo: todos os fãs dos Salvatore adotaram os Mikaelsons como seus queridinhos, mesmo após eles saírem de Mystic Falls e migrarem para New Orleans e enfrentarem seus próprios conflitos.

Os irmãos Klaus, Rebekah e Elijah foram transformados em vampiros por sua mãe, que era bruxa, e não queria que seus filhos morressem. Isso acabou se tornando uma maldição, já que o Mikael, o pai, não os aceitava como as aberrações em que haviam se transformado, e fez de seu objetivo de vida destruir os próprios filhos, caçando-os incansavelmente através dos séculos e pelo mundo todo.

Além de vampiro, Klaus também descende de um lobo, por isso, acabou se tornando um hibrido, que é muito mais forte que um vampiro comum, e isso o ajudou a se defender da ira do pai e proteger seus irmãos. Eles fizeram uma promessa de ficarem juntos sempre e para sempre, um juramento lindo de se fazer, mas que traz inúmeros problemas para eles. Mas isso ainda não está nesse livro.

Aqui conhecemos o início da passagem dos Mikaelsons por New Orleans, desde o momento em que eles chegaram à cidade até conseguirem fazer seus primeiros inimigos mortais e começar uma guerra com seres sobrenaturais que querem expulsá-los do lugar. A trégua que existe entre bruxos e lobisomens fica ameaçada quando Klaus se apaixona pela jovem Vivianne, a herdeira dos bruxos que vai se casar com um lobisomem para manter reafirmar o acordo entre os clãs.

Por ser proibida para Klaus, Vivianne se torna sua obsessão, e ele não vai desistir enquanto não conquistá-la e tirá-la das garras dos lobisomens, que parecem apenas querer usá-la. É por causa de suas atitudes impensadas que os Mikaelsons podem correr perigo novamente, e talvez, serem obrigados a deixar a cidade.

Enquanto isso, Rebekah começa a por em prática o plano dos irmãos para conquistar seu lugar em New Orleans; ela precisa conquistar o capitão do exército local para que ele os proteja contra os clãs rivais. O único problema é que a moça acaba gostando de Eric mais do que deveria, se encantando com sua inocência e sua doçura, o que pode por o plano todo a perder.

Elijah, por sua vez, tenta a todo custo encontrar um bom lugar para a família morar, onde possam ficar protegidos das bruxas e dos lobisomens, e onde seu pai não os encontre por um bom tempo. Tudo o que eles desejam é viver tranquilamente - na medida do possível para um vampiro -, mas, infelizmente, usam dos piores artifícios para conseguir isso, e nem sempre dá certo.

As táticas usadas pelos irmãos para tentar ficar em paz sempre acaba atraindo mais confusão e inimigos, e aqui não poderia ser diferente. Klaus está apaixonado, e perde um pouco o discernimento, forçando Elijah a tomar as rédeas da situação e tentar protegê-los. Ele também não pode contar com Rebekah, que decide se afastar para viver sua paixão por Eric. Esse distância entre eles pode causar o fim da família Mikaelson.

O livro não tem surpresas, e os personagens já são bem conhecidos por quem assiste a série, mas facilmente compreensíveis para quem nunca os viu antes. No início há uma rápida explicação do perfil de cada um, e não ter assistido Os originais não atrapalha o desenvolvimento da leitura. Klaus é muito genioso e nunca tem medo de nada. Está sempre lutando pelo que quer, ainda que tenha que matar muitas pessoas pelo caminho. Elijah é o pacificador, quase um contraponto ao temperamento de Klaus, mas que sabe usar a violência quando necessário. E Rebekah é uma linda vampira sonhadora, que quer encontrar um amor e ser feliz para sempre, mas que esconde por trás de sua carinha de inocente uma força imensa.

A narrativa é bem desenvolvida, e mesmo tendo um final que encerra a disputa momentânea por território, a estória fica em aberto para próximos livros. E certamente os fãs querem que a série se estenda por muito tempo, assim como sua versão televisiva.

Indico a leitura para quem gosta de sobrenatural, violência e muito sangue, principalmente para as leitoras adolescentes, que vão se encantar pelo charme de Niklaus Mikaelson.


The originals - a ascensão
Julie Plec
editora Galera Record
224 páginas
nota no Skoob: 4.0
nota do blog: 3.8





Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

A garota do calendário - fevereiro [Resenha]

onde comprar: Saraiva//Amazon//Extra

"Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle, com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida, que permanecerão com ela para sempre."

Esse é o segundo livro da série (claro!), e mostra Mia atendendo o seu segundo cliente. Não li o livro de janeiro, por isso, fiquei um pouquinho perdida quando a protagonista se referia ao cliente anterior, mas isso não atrapalhou em nada o entendimento dessa estória.

Como a sinopse explica, Mia tem que ganhar muito dinheiro para pagar uma dívida de jogo de seu pai. E aqui abro um parentese para comentar que achei essa situação bem parecida com a vivida por Abby em Belo Desastre, porém, resolvida de forma bastante diferente. Se precisa ganhar dinheiro rápido e fácil, por que não se tornar uma acompanhante de luxo? Essa é a saída encontrada por Mia para saldar a dívida do pai, e, por acaso, sua tia é dona da agência que encontra seus clientes, o que facilita muito sua entrada para esse universo.

Em fevereiro ela deve passar o mês num ateliê de pintura, sendo musa de Alec, artista francês cheio de talento e muito charme. Ele está finalizando um projeto, que estará em exposição até o final do mês, e precisa de uma inspiração para fechar a obra principal desse evento. Quando Mia chega, é recebida por um de seus assistentes e fica espantada com o ritmo de trabalho do estúdio e com a quantidade de pessoas que estão posando para quadros e fotos, até que encontra Alec e fica admirada com a beleza do pintor.

Se de início ele fica assustada e até um pouco arredia em posar para Alec, aos poucos ela vai cedendo, e entendendo a profundidade de seu trabalho. Dia após dia ele tenta mostrar para Mia que suas pinturas têm muito conteúdo, e que uma única imagem pode carregar inúmeros sentimentos.

A parte hot da estória fica por conta de suas tórridas noites de amor, e não sexo, conforme explica Alec para Mia. Ele acredita que a relação sexual é um ato de amor, que as duas pessoas devem se amar de verdade, mas que esse sentimento é muito mais amplo do que ela poderia imaginar. Isso não quer dizer que vão ficar para sempre juntos, fisicamente, mas que poderão estar ligados eternamente em seus corações. Na verdade, Alec é quase um poeta louco, que tem sua própria forma de enxergar o mundo: as vezes através das lentes de suas câmeras, em outras, pelos traços de seus pincéis. E isso deixa Mia encantada.

Por se tratar de um livro erótico, ele não traz nenhuma mensagem ou ensinamento, apenas serve para entretenimento. E cumpre esse papel muito bem: apesar de ser bem curtinha, a estória é envolvente, e dá para ler rapidinho, passando boas horas com Alec e Mia. Isso não quer dizer que o livro é ruim, pelo contrário, ele entrega o que promete: momentos de sensualidade extrema, e cenas quentes entre os personagens principais.

A estória é bem ambientada, e se resume praticamente ao estúdio e o apartamento de Alec. Os personagens são bastante interessantes, e o pintor poderia facilmente ser um galã de filme romântico, enquanto Mia tem personalidade forte, é determinada, mas tem o coração mole, e quase se apaixona por Alec, não estivesse tentando se guardar para Wes, que pelo que pude perceber, foi seu cliente em janeiro.

Acredito que os próximos meses ainda vão colocar Mia em situações muito mais complicadas do que ela teve até aqui, e que certamente seu coração irá balançar ainda mais com os novos clientes. Essa leitura é recomendada para quem curte livros hot, sensuais, mas não tão eróticos quanto os de Sylvia Day, por exemplo. O romance de A garota do calendário mais lembra aqueles de banca de jornal do que outros mais explícitos. Também indico para quem quer se divertir e relaxar com uma leitura rápida e fluída, sem grandes tramas e com linguagem simples, ideal para quem está começando a ler agora ou para quem quer apenas descansar a mente de estórias muito complexas.


A garota do calendário - fevereiro
Audrey Carlan
editora Verus
135 páginas
nota do Skoob: 3.5
nota do blog: 3.0





Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

O amor nos tempos de #likes

onde comprar: Submarino//Saraiva//Amazon

"Os tempos mudaram, mas e o amor? Continua a dar aquele frio na barriga e fazer os jovens atravessaram quilômetros para viver uma paixão? Quatro booktubers se inspiram em três histórias da literatura para criar suas versões de contos românticos na era digital. Uma bela, jovem e famosa youtuber com medo do amor; um casal inesperado em um encontro às escuras (literalmente) e dois meninos apaixonados por livros tentando entender quem são e o que querem, são os protagonistas destes contos que evocam 'Orgulho e preconceito' (Pam Gonçalves), 'Dom Casmurro' (Bel Rodrigues) e ´Romeu e Julieta' (Pedrugo)."

O que me chamou a atenção nesse livro não foi o fato dele ser escrito por estrelas da internet, e sim o título, que é remete à obra de Gabriel Garcia Marquez, e a proposta de criar novas estórias baseadas em clássicos da literatura mundial, o que é um desafio enorme.

Dividido em três contos, cada um escrito por um booktuber (ou dois rs), o livro nos apresenta estórias com uma leve lembrança daquelas em que eles dizem ter se inspirado: na primeira, Pam Gonçalves criou uma personagem que bem poderia ser seu alterego. Uma youtuber muito conhecida está indo para a casa dos pais, e o aeroporto fecha por causa de uma tempestade, enquanto, ao seu lado, está um garoto que teve uma tragédia enorme na família e agora é responsável pela irmã caçula. Ele não tem tempo para se divertir, então não sabe nada sobre youtubers, e sua irmãzinha é fã da moça famosa. Ambos têm dúvidas sobre o rumo que suas vidas estão tomando, e, ao se encontrarem, talvez possam ajudar um ao outro a achar o caminho certo.

Esse primeiro conto é bem emocionante, mas em alguns momentos dá vontade de dar um chacoalhão na youtuber, para que ela deixe de ser tão boba e arrogante. Mas no final os personagens caem em si e deixam transparecer o melhor de suas personalidades.

A próxima estória, que deveria ser inspirada em Dom Casmurro, é a mais interessante do livro, onde uma adolescente ganha dos pais como presente de aniversário um final de semana num hotel na praia, sozinha. Ela sente que precisa desse tempo longe de tudo para refletir sobre sua vida, após terminar um namoro que a sufocava e só lhe fazia mal. O pior é que o ex agora está namorando com sua melhor amiga, apesar dela saber tudo o que ele havia feito a ela enquanto estavam juntos. Nessa viagem de auto-conhecimento, ela acaba entrando num bar onde acontecem encontros às escuras, totalmente sem iluminação, e onde ninguém se conhece nem é obrigado a se conhecer depois que sair dali. O intuito é sentir a pessoa, conhecer sua personalidade e não sua aparência. Por sorte, senta-se em sua mesa um carinha que a conquista rapidamente, com seu bom humor e suas ideias sobre a vida, o universo e tudo mais. Como num conto de fadas, ele é tudo o que ela desejava, e um pouco mais, e eles acabam descobrindo que podem fazer muito bem um ao outro, mais rápido do que eles imaginavam.

E finalmente, no conto escrito pelo casal que é quase uma só pessoa (Pedro Pereira e Hugo Francioni), conhecemos dois jovens que se conhecem pela internet quando descobrem que têm um gosto em comum: livros. Um deles almeja ser escritor, e vem de uma família rica, enquanto o outro trabalha numa livraria para pagar a própria faculdade. A química entre eles fica evidente logo na primeira conversa on line, e eles passam muitos dias conversando pelo computador, até que decidem se conhecer pessoalmente. Aí vêm as dúvidas, o medo e a insegurança de não serem aceitos, de decepcionarem um ao outro, e perceberem que na real não eram nada daquilo que fantasiaram pela rede. O encontro dos dois é lindo, e o relacionamento deles é muito fofo, com um final que abre muitas possibilidades.

Espero que vocês não vejam isso como uma crítica, mas esse livro é bem simples, e, não fosse escrito por celebridades da internet, talvez nunca o veríamos publicado. Gostei das estórias, principalmente dos pequenos detalhes que fazem uma estar ligada às outras, e pela linguagem utilizada, que é bem direta, tornando a leitura muito rápida. Um ponto que destaco são as referências feitas na terceira estória, onde eles citam vários elementos da nossa cultura, inclusive Harry Potter, sem parecer forçado.

Foi uma leitura boa, apesar de não ver nelas praticamente nada dos clássicos nos quais dizem ter sido inspiradas. Se não fosse por isso, eu teria dado uma nota maior. Contudo, acho que é um livro perfeito para aquilo que se propõe, ou seja, comentar sobre como é fácil e ao mesmo tempo tão complicado, encontrar um amor nos tempos de internet. A acessibilidade aproxima rapidamente as pessoas, ao mesmo tempo que as expõe totalmente, e, na maioria dos casos, isso mais atrapalha do que ajuda.

Leiam mantendo a mente aberta para um livro que é destinado ao público desses youtubers, jovens antenados, que querem fazer tudo-ao-mesmo-tempo-agora, e também estão buscando seu lugar ao sol, ou melhor, seu lugarzinho no Youtube. Vale a experiência de ler um livro que não seja um mero diário ou um relato de como fiquei famoso fazendo vídeos na internet.


O amor nos tempos de #likes
Pam Gonçalves, Bel Rodrigues e Pedrugo
editora Galera Record
272 páginas
nota no Skoob: 4.2
nota do blog: 4.0




Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Talvez um dia [Resenha]

onde comprar: Americanas//Saraiva//Amazon

"Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex-melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida; tinha um namorado atencioso e a melhor amiga, com quem dividia o apartamento, até que Sydney descobriu que essas duas pessoas se pegavam quando ela não estava por perto. Depois do merecido soco, Sydney encontra abrigo na casa de Ridge, um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor, e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora e repetir o erro daquela que já foi sua melhor amiga."

Mais uma estória emocionante de Colleen Hoover. Ela conseguiu dessa vez misturar música e paixão, decepção e sofrimento, desejo e esperança, numa narrativa terna e envolvente. Sydney está na faculdade e divide o apartamento com uma amiga, em quem ela confia cegamente, e também tem um namorado lindo e atencioso, mas que eventualmente age como se ela fosse propriedade dele para o resto da vida. 

Quando não está nas aulas ou trabalhando na biblioteca da faculdade, Sydney passa algum tempo na varanda, de onde pode ouvir uma música vinda do apartamento em frente. Ela descobre que o violão é tocado por um garoto lindo, que tem muito talento. Ela acredita que ele nunca a viu, e que curte sua música secretamente, mas isso não é verdade. Certo dia, Ridge percebe que a garota está cantando junto com uma de suas melodias, e faz contato com ela usando uma folha de papel para lhe pedir o número de seu celular. Sydney, mesmo desconfiada, cede, e eles passam a trocar mensagens, nas quais ela lhe apresenta a letra que criou para sua música.

Mas tudo se complica quando Ridge descobre que o namorado de Sydney a trai com a amiga, e ele não sabe como dizer para ela, afinal, mal se conhecem e só se falaram algumas vezes por mensagens de texto. Infelizmente, na noite de seu aniversário de 22 anos, Sydney descobre que está sendo traída, e sai de casa. Sem ter para onde ir, Ridge a acolhe, e é a partir daí que a trama fica tensa (e romântica).

Morando sob o mesmo teto, eles passam a fazer música juntos; Ridge toca o violão e Sydney escreve as letras. Mas a proximidade dos dois acaba despertando neles uma atração muito forte, que só aumenta a cada vez que eles trabalham em alguma canção. Como nada na vida - e nos livros da Colleen - é tão simples, Ridge tem uma namorada há alguns anos, por quem é bastante apaixonado, e Sydney sente que ainda não está pronta para começar um novo relacionamento, até que se recupere da traição do ex.

Então temos Ridge, totalmente comprometido com Maggie, que é uma fofa, e Sydney, que não quer se tornar igual a ex-amiga e ser uma traidora. Mas a ligação entre ela e Ridge é muito forte, e ambos têm consciência disso, ao mesmo tempo em que sabem que não podem ficar juntos, exatamente por se sentirem mal com a situação. Ele não pretende abandonar a namorada, e ela não quer ser a responsável por destruir o relacionamento.

Há muito sofrimento e choro, e tanto Sydney quanto Ridge sentem o peso do que estão sentindo um pelo outro, enquanto sabem que nunca poderão ter nada. O leitor não sabe se torce para que eles fiquem juntos e Maggie saia de cena, ou se aceitam que Sydney deve seguir a vida e esquecer que  um dia conheceu alguém tão incrível quanto Ridge.

Como não poderia deixar de ser, a autora judia dos sentimentos do leitor, e é impossível parar de ler antes do desfecho da estória. A cada página acompanhamos as dúvidas e o desejo dos protagonistas, e não dá para ter a mínima ideia do que vai acontecer. E ainda que isso fosse possível, não dá para tomar partido de nenhum dos personagens, sabendo que qualquer que seja a decisão deles, alguém sairá muito ferido.

Essa é Colleen Hoover: a autora que destrói o coração do leitor e dos personagens ao mesmo tempo. Sua narrativa é tão fluída e envolvente, que é fácil se sentir intimo de Sydney e Ridge. E eles são tão reais, que se tornam quase palpáveis. Ela tem o dom de fazer o leitor sentir o que os personagens sentem, e é por isso que gosto tanto dela. Mesmo sabendo que suas estórias têm uma receita que é sempre seguida, e que ao começar a leitura já da para saber que vai ter muito sofrimento, seus livros são viciantes.

Também temos os personagens secundários fazendo parte da narrativa de forma consistente, sendo eles responsáveis por alguns dos momentos mais divertidos do livro, e também aparecendo como um apoio importante para que os protagonistas se desenvolvam. A narrativa é muito bem ambientada, e, ainda que ela se passe quase o tempo todo dentro de um apartamento, os cenários são bem autênticos. Não há grandes reviravoltas na trama, mas ela é bem amarrada e, após as revelações necessárias para definir o rumo que segue cada personagem, chegamos ao final que, talvez pareça clichê, talvez se aproxime de um conto de fadas, mas que certamente encanta o leitor que acompanha toda a trajetória dos personagens.

O livro é cheio de momentos fofos, e é possível ouvir as músicas criadas por Sydney e Ridge: a autora convidou o músico Griffin Peterson para criar com ela as canções, e as disponibilizou num site, para que sejam ouvidas durante a leitura, e insira o leitor ainda mais dentro da estória.

Super recomendado para leitores que curtem new adult, cheio de amor, sofrimento e um final feliz. Se você ainda não conhece nada da autora, pode perfeitamente começar por Talvez um dia, e entender o que a Colleen tem.


Talvez um dia
Colleen Hoover
editora Galera Record
368 páginas
nota no Skoob: 4.6
nota do blog: 5.0




Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen


segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Um pouquinho de...

"Poderia passar meu tempo com amigos, mas a maioria estava passando tempo com as famílias ou os Wiis. (Wiis? Wiii? Qual é o plural?) Eu preferia ficar com os livros mortos, moribundos ou desesperados; usados é como os chamamos, de uma forma que jamais chamaríamos alguém, a não ser que quiséssemos falar de forma cruel. ("Vejam Clarissa... ela é uma garota tão usada.")
Era incrivelmente livresco, a ponto de simplesmente o anunciar em voz alta, o que eu sabia não ser socialmente aceitável. Amava o adjetivo livresco, que descobri ser uma palavra usada por outras pessoas com tanta frequência quanto fuste, assecla ou abstêmio."

(página 9, capítulo 1)









Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Sei Que Eu Sei News #24 - Cinquenta Tons Mais Escuros

É isso minha gente! depois de quase dois anos da exibição do primeiro filme, Cinquenta tons de cinza, hoje foi divulgado o trailer da continuação, Cinquenta tons mais escuros, que estará nos cinemas no ano que vem.




O fandom está em polvorosa e a timeline to Twitter fez contagem regressiva desde ontem, quando foram mostrados a primeira foto oficial da adaptação e um teaser trailer meio misterioso. Isso já foi o bastante para mexer com a mulherada que espera ansiosamente para rever Sr. Grey.

Como prometido pela Universal, hoje podemos ver o trailer oficial completo (por enquanto, sem legendas em português). Divirtam-se:




Sinopse oficial divulgada pelo estúdio:
"Quando o ferido Christian Grey (Jamie Dornan) tenta seduzir a cautelosa Ana Steele (Dakota Johnson) e trazê-la de volta para sua vida, ela exige um novo acordo antes de dar uma nova chance a ele. Enquanto os dois começam a construir um relacionamento baseado em confiança e estabilidade, figuras sombrias do passado de Christian começam a rodear o casal, determinadas a destruir todas as suas esperanças de um futuro juntos." (fonte: Portal 50 tons)

Só queria lembrar que é nesse livro que tem o momento mais emocionante pra mim de toda a trilogia: quando Christian manda para Ana o Ipod com músicas selecionadas por ele. Nas duas vezes que li o livro (sim, 2 vezes), meus olhos ficaram marejados.

Agora é só esperar por 2017 para correr para os cinemas. Segurem a ansiedade aí mulherada, o Sr. Grey vai recebê-las em breve!







Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Um pouquinho de...

"Mas não posso negar. Qualquer um que veja como esse garoto toca de forma apaixonada se sentiria desse jeito. O modo como ele mantém os olhos fechados o tempo todo, concentrando-se totalmente em cada uma das cordas do violão. Gosto ainda mais quando ele se senta com as pernas cruzadas e posiciona o violão em pé entre elas. Ele o apoia no peito e toca como se fosse um contrabaixo acústico, o tempo inteiro de olhos fechados. É tão fascinante assistir que, às vezes, me flagro prendendo a respiração, e quase não percebo até arfar em busca de ar.
O fato de ser bonito também não ajuda. Pelo menos daqui parece bonito. Seu cabelo castanho-claro é indomável e se mexe junto com ele. caindo na testa toda vez que ele olha para o violão. Ele está longe demais para eu conseguir distinguir a cor dos seus olhos ou os traços do rosto, mas esses detalhes não importam quando comparados com sua paixão pela música. O cara tem uma confiança que considero irresistível."
(página 18, capítulo 1)

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Reformed vampire [Resenha]

onde comprar: Submarino//Americanas//Amazon 

"Reformed Vampire - grupo de apoio ao vampiro é uma história diferente de tudo o que você já leu sobre vampiros. Na verdade, você vai conhecer o lado real de ser um vampiro, aquele que ninguém conta! Eles estão quase sempre doentes ou com dor, e se reúnem em uma espécie de terapia de grupo para discutirem seus problemas e como controlar seus instintos, ou seja, o desejo de sair mordendo pessoas. Nina se tornou uma vampira quando tinha apenas quinze anos, e não envelheceu um dia desde então. Mas também não teve um dia sequer de diversão, já que sua rotina isolada dentro de casa é incrivelmente chata, sem poder fazer o que realmente tem vontade. No entanto, tudo vai mudar na vida dela e de seus amigos vampiros, quando um membro do grupo é morto de forma misteriosa. Tendo sua identidade ameaçada, terão que sair à caça do assassino, e logo se descobrirão em uma disputa com lobisomens. Será que vampiros tão frágeis poderão vencer uma batalha como esta? Sangue, desejo e instinto vêm à tona com uma bala de prata no peito, estopim de um batalha em busca de identidade."

Lá fui eu ler mais um livro de vampiros, e fui totalmente surpreendida. Reformed Vampire não era nada do que eu esperava, e a estória diferentona conseguiu me conquistar.

Os vampiros estão aqui, mas são totalmente o oposto daqueles que conhecemos na literatura anterior: eles sofrem com sua condição, não são glamorosos, nem super fortes, tampouco saem mordendo por aí apenas para saciar sua sede de sangue. Nesse livro, Nina e seus amigos vampiros estão sempre doentes, com dores pelo corpo, só podem se alimentar de porquinhos da índia criados por eles mesmos, e têm que viver escondidos, para não chamar a atenção das pessoas, ou poderão ser perseguidos e mortos.

O vampirismo é uma infecção, que é transmitida, claro, pela mordida, mas esses vampiros não mordem ninguém há muito tempo, estão em processo de reabilitação, e fazem parte de um grupo de apoio onde podem falar sobre suas vidas e suas dificuldades, além de darem força uns para os outros, para que não caiam em tentação e mordam um humano.

Além de todo esse drama, acompanhamos a vida de Nina, a última do grupo a ser infectada, com 15 anos, e que agora não sai de casa, a não ser para ir ao grupo. Para tentar se aproximar um pouco da vida que queria ter, Nina escreve livros sobre uma super vampira, linda e forte, que não tem medo de nada, e que passa por aventuras emocionantes em suas estórias. Tudo o que Nina gostaria de ser, mas não pode.

Tudo ia bem até que um dos membros do grupo, Casimir, é encontrado morto em sua casa, atingido por uma bala de prata. Ele foi atacado enquanto dormia - aliás esses vampiros não se deitam em caixões para descansar, eles simplesmente apagam quando os primeiros raios de sol despontam, e por isso, precisam estar bem protegidos nesse momento, e só despertam quando anoitece, sem saber de nada que aconteceu durante o dia. Nina descreve isso muito bem, dizendo que é como se eles realmente morressem e ressuscitassem a cada noite.

Em busca do assassino de Casimir, a fim de proteger o restante do grupo, que poderia ser atacado a qualquer momento se ele não fosse pego, Nina sai numa viagem incerta junto com o padre responsável pelo grupo de apoio e seu colega vampiro, Dave. Apesar de toda dificuldade que uma coisa assim acarreta, eles se saem bem: levam os porquinhos da índia para se alimentarem, sacos de dormir para se esconderem durante o dia, e seus inseparáveis óculos escuros, que usa a noite para proteger os olhos das luzes mais fortes.

Em seu caminho eles se deparam com um lobisomem que é mantido refém há alguns anos, e, além de tentar descobrir quem matou Casimir, eles ainda se sentem na obrigação de ajudar mais essa criatura. Isso traz inúmeros problemas para eles, até que todo o grupo se vê ameaçado pelos antigos donos do lobisomem.

Durante toda essa trajetória, conhecemos um pouco sobre cada um dos vampiros, com todas as suas particularidades, e passamos a ver sua condição de uma forma bem diferente. Além disso, a problemática na narrativa está na descoberta pelos vampiros de seus próprios sentimentos, conhecimento de seus limites, e uma mudança grande na forma de se relacionar uns com os outros.

Há um pequeno romance, que fecha com chave de ouro a estória. Nesse livro é possível encontrar um pouco de tudo: drama, medo, terror, morte, sangue, sofrimento, alegria, ciúmes, plenitude, mas tudo está tão bem trabalhado que a narrativa só poderia se tornar interessante. A leitura não é pesada, apesar dos assuntos densos, e em alguns momentos da até para se divertir com as trapalhadas de Nina e as rabugices de alguns membros do grupo de apoio.

Gostei do livro como um todo, mas o final ficou excelente. Eu realmente não esperava que terminasse dessa forma, e tive mais uma grata surpresa. Recomendo o livro para quem gosta do gênero, e para aqueles leitores que estão um pouco saturados de estórias de vampiro. Acreditem, vocês vão gostar e se surpreender também.


Reformed vampire - grupo de apoio ao vampiro
Catherine Jinks
392 páginas
Editora Farol Literário (Facebook: FarolLiterario)
nota no Skoob: 3.7
nota do blog: 4.0
(livro cedido pela editora em parceria)


Participe do sorteio de aniversário do blog clicando aqui!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Sorteio de aniversário - 4 anos de blog!
















É isso queridos leitores! Já estamos juntos a quatro anos! E parece que foi ontem que resolvi falar sobre livros e fazer amigos. Cada um de vocês foi importante nessa trajetória, e por isso, vamos celebrar juntos esse aniversário, com um super sorteio.

Serão quatro livros, um para cada ano do blog. Vocês podem participar de apenas um ou de quantos quiserem, todos terão chances de ganhar.

Não se esqueçam de cumprir as regras obrigatórias: cadastrar um e-mail válido para contato e curtir a fanpage do blog. As demais entradas nos formulários são opcionais, e aumentam as chances de ganhar. 

Atenção para alguns detalhes:

- perfis fakes, ou feitos apenas para participar de promoções serão desclassificados;
- o ganhador deve ter endereço de entrega no Brasil;
- após enviado o e-mail de confirmação, o ganhador terá 72 horas para responder com seus dados, caso contrário, outro sorteio será realizado;
- as entradas obrigatórias serão conferidas para cada ganhador, caso não tenham sido cumpridas, ele será eliminado e novo sorteio será realizado;
- o blog tem até 50 dias para enviar os prêmios e não se responsabiliza por extravios ou danos causados pelos Correios.

Boa sorte a todos vocês, e continuem com a gente!



a Rafflecopter giveaway




a Rafflecopter giveaway




a Rafflecopter giveaway




a Rafflecopter giveaway

E que comece a festa!


terça-feira, 6 de setembro de 2016

O que eu li em agosto + resultado Comentarista Premiado



Olá leitores! Esse post vai ser 2 em 1, mas por um bom motivo: como esse mês vou lançar a promoção de aniversário do blog, não vamos ter Comentarista Premiado, então vamos saber agora quem foi o sortudo que ganhou o de agosto.

Foram 42 comentários no total, e como foi explicado lá atrás, nas regras, cada comentário ganhou um número, que será inserido no random.org, e o sorteado levará o prêmio. Vamos ao nome do vencedor:














Parabéns Pamela! Você deve responder o e-mail em até 72 horas, com seus dados para envio. Em breve você receberá A garota do calendário - fevereiro.

Como já disse, não teremos Comentarista Premiado em setembro, assim vocês poderão participar loucamente do sorteio de aniversário. Espero que gostem dos prêmios.

Quanto ao resumo de leituras de agosto, a listinha ficou assim:


Finalizando os escolhidos para a #MLI2016, A punição da Bela (resenha aqui) e Will & Will. Também terminei a releitura de O nome do vento, que tinha lido em 2013, mas tava com saudade de Kvothe e sua sagacidade. Foram mais de 600 páginas, relidas com alegria (em breve nova resenha).


E como parte do mês dedicado aos vampiros, li The Originals - ascensão, que tinha vontade de conhecer há muito tempo, para saber um pouquinho mais sobre Klaus Mikaelson. Também terminei Reformed Vampire, um dos livros com vampiros mais diferentes que já li (no bom sentido). Essa resenha sai ainda essa semana, fiquem de olho.

Cinco livros, totalmente diferentes entre si, mas todos especiais. Leiam as resenhas que já foram publicadas, e aguardem as próximas.




O desafio Alfabeto Literário também foi atualizado, e está assim:

Título
A- Amor vampiro
B- Beijos de vampiro
C- Clímax
D- Deixe-me entrar
E- Espadachim de carvão
J- Jogos mentais
L- Loving the band
M- Mônica é daltônica
N- O nome do vento
P- Pavor espaciar
R- Reformed vampire
S- Se eu morrer
T- Too late
W- Will & Will

Nome de protagonista
A- Asa Jackson (Too late)
B- Bela (A punição da Bela)
C- Cláudia (Entrevista com vampiro)
D- Denna (O nome do vento)
E- Eva (Somente sua)
H-Hector (Sangue de lobo)
J- Julianne (Deixe-me entrar)
K- Kate (Até que eu morra)
L- Luna (Jogos mentais)
M- Matias (Ele não é isso)
N- Nathan (A substituta)
R- Rebekah (The originals)
S- Silas (Nunca jamais)
Z- Zack (A caçadora)
W- Will Grayson (Will & Will)

Autores
A- Anne Rice
C- Chuck Palaniuk
D- David Levithan
J- Josh Malerman
K- Karen Alvares
L- Letícia Godoy
M- Marcelo Rubens Paiva
P- Paulo Henrique Bragança
R- Rodrigo Moreira
S- Sylvia Day
T- Terri Tery
V- Vivianne Fair

E é isso amigos. Em outubro (já?) faremos outro resuminho de leituras. Não deixem de participar do super sorteio de aniversário, que começa amanhã. Comemorem com a gente esses quatro anos de blog, vocês fazem parte dessa história.






Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Um pouquinho de...

"Difícil dizer qual som era mais aterrorizante. O Colossus berrava e o barulho ecoava como se propagado de dentro de uma caverna. Em um urro com camadas, que nascia no alto da fonte e perdia força ao se espalhar, feito as ondulações causadas por uma pedra atirada em um lago. Pessoas gritavam nomes. Ossos quebravam. Solo era destruído.
Um monge-leão entoava um kiai.

(página 18, capítulo 2)









Este post é válido para o Comentarista Premiado, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen