segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Ball Jointed Alice: uma história de amor e morte [Resenha]

onde comprar: Editora Draco//Extra//Amazon

"Frank é um homem sem esperança nenhuma. Um punk com um passado insano que, numa manhã de ressaca, acorda com uma boneca lhe desejando bom dia. Ele sabem bem quem é essa boneca e como ela se chama. Alice é uma ball jointed doll criada por Frank em seu projeto mais ambicioso: recuperar as memórias e os sentimentos de uma louquinha de mesmo nome. Mas ao tentar puxar a linha da lembrança do embolado novelo que é o passado, Frank acaba puxando a linha da tragédia. Acompanhado por seus antigos companheiros de hospício: a gothic lolita Tay, o estudante de direito Shin e a sociopata Emi, ele se envolve em um plano de vingança contra o hospital que os massacrou a alma e levou Alice à morte."

Uma narrativa crua, que escancara o psicológico dos personagens e leva o leitor para dentro de suas mentes. Assim é o romance de Priscilla Matsumoto, que choca e confunde, mas que surpreende no final.

Sem dar maiores explicações sobre como é possível, logo de cara conhecemos a boneca criada por Frank, que pensa, fala e age quase como uma humana. Ela foi criada à imagem e semelhança do grande amor dele, Alice, que morreu num hospício. Frank tem uma obsessão por Alice, e não se conforma com sua morte, por isso, batizou a boneca com o mesmo nome, e tenta encontrar nela um pouco de alento para sua perda.

O que só descobrimos um pouco mais tarde, é que Frank também era paciente desse hospício, e, incentivado por seus amigos, também ex-internos da instituição, vai tentar invadir o local e matar os médicos que abusaram e maltrataram deles por muito tempo. Frank é um cara pacífico, que tem lá suas neuroses, mas que só quer viver e amar.

A estória é para maiores de 18 anos, por conter muitas cenas de sexo, bebedeira e abusos de diversas formas. Frank é bem promíscuo, e, além de manter relações sexuais constantes com Shin, seu amigo descendente de orientais, também transa com mulheres e, em certo momento, até com a boneca Alice. Além disso, para curar suas mágoas e tentar esquecer a perda de Alice, ele está quase sempre bêbado.

Seus amigos são muito interessantes: psicologicamente atormentados e violentos, alimentam a loucura uns dos outros, tanto dentro quanto fora do hospício. E um plano de destruição arquitetado por um deles não poderia terminar bem.

A problemática do protagonista se desenvolve após ele retornar para o hospício, enquanto começam a por em prática sua vingança. Lá a narrativa mistura realidade com a imaginação de Frank, envolvendo muitos personagens de Alice no país das maravilhas, e a autora tece esse devaneios de forma tão peculiar, que o leitor consegue se sentir dentro da mente do personagem, sem perceber que passou do real para o imaginário. É tudo uma viagem maluca entre o que ele realmente está vendo e o que é fruto de sua imaginação perturbada.

Toda essa loucura é o diferencial da narrativa: enquanto o personagem discute consigo mesmo se realmente levou um tito que explodiu sua cabeça, o leitor sabe que isso não seria possível, já que ele ainda está consciente de seu corpo e de sua imagem no espelho. Ainda assim, o momento do tiro causa impacto no leitor, que espera que a qualquer momento Frank encontre a morte realmente. 

A interação com a boneca Alice é outro ponto que merece destaque no livro. Ela é praticamente humana, apesar de manter algumas características de boneca, mas em diversos momentos ela fala com Frank, lhe joga algumas verdades na cara, o faz pensar se realmente está agindo corretamente, e põe em dúvida algumas de suas resoluções. Todo mundo sabe que ela é uma baal jointed, mas falam com ela normalmente, como se fosse humana. Alice acompanha Frank no hospício, e é ela quem o ajuda a se equilibrar entre o limite da realidade e a loucura.

Os capítulos são sempre nomeados com alguma mudança no comportamento de Alice, como por exemplo "Quando Alice aprende a ficar calada" ou "Quando Alice aprende a beijar", e é possível perceber um paralelo entre as ações do próprio Frank e as de Alice. Enquanto esperamos Alice aprender a ficar calada, observamos isso no protagonista, e de maneira sutil percebemos as atitudes dela como um espelho das de Frank.

Há diversos momentos de reflexão profunda sobre a vida, o universo e tudo mais durante a narrativa, mas de uma maneira totalmente integrada à estória, o que não cansa o leitor nem permite que ele perca o interesse. Depois de conhecer todos os problemas de Frank, como abuso sexual na infância, problemas mentais e a perda do grande amor, o leitor anseia pelo desfecho da estória, e conhecer o rumo que sua vida vai tomar depois de enfrentar seus piores fantasmas, ao lado da bonequinha.

O final é cheio de revelações, e eu particularmente me surpreendi com algumas delas. É difícil prever o que vai acontecer depois da invasão ao hospício, só sabemos que haverá muitas mortes, e que os piores medos dos personagens serão colocados à prova. Eles terão que enfrentar seus inimigos, enquanto enfrentam suas próprias neuroses. O leitor não sabe quem conseguirá escapar das garras da Rainha de Copas, e quem terá sua cabeça cortada, mas sabe que o sentimento dos personagens é verdadeiro, e que o livro todo trata de amar e ser amado, de todas as formas possíveis, sobre a verdadeira natureza do mundo em que vivemos e de como sobreviver a tudo isso.

Para o leitor que tem mais de 18 anos, ele livro é super indicado. As referências à Romeu e Julieta, Alice no país das maravilhas, ao escritor japonês Haruki Murakami e a cultura contemporânea como um todo eleva o interesse pela leitura, e transporta o leitor para um universo totalmente surreal, mas não permite que ele se distancie totalmente da realidade.


Ball jointed Alice
Priscilla Matsumoto
editora Draco
212 páginas
nota no Skoob: 4.0
nota do blog: 4.2
livro cedido pela editora em parceria


Este post é válido para o Comentarista Premiado, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

6 comentários:

  1. Joana!
    É o tipo de livro que gosto de ler, porque aborda os possíveis desvios psicológicos nas pessoas e aqui além disso, tem um pouco de ficção, o que melhora ainda mais a escrita e a imaginação.
    “Buscamos, no outro, não a sabedoria do conselho, mas o silêncio da escuta; não a solidez do músculo, mas o colo que acolhe.” (Rubem Alves)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de OUTUBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Caracaaaaa... preciso desse livro.
    O gênero que mais aprecio.
    Nunca li, nem ouvi falar.
    Uma pena, pq o livro parece incrível... amo literatura que mexe com o psicológico e me surpreende.
    Vou pegar como indicação. 😍😍😍

    ResponderExcluir
  3. Nossa que pesado!
    Ah, não, gostei daquela trecho, mas vi que não vou gostar nem conseguir ler.
    Livros puxados pro psicológico não são meu forte, rs
    bjs

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!