segunda-feira, 17 de abril de 2017

Um pouquinho de...

"Júlio não sabe, só sabe que anda, anda como se as pernas não lhe pertencessem, e quando ele se dá conta é como se elas não pertencessem mesmo a seu corpo, porque não as sente, seus sentidos estão tomados de assalto pelo ambiente. Os ouvidos, pelos vocais de Robert Smith, porque agora você se lembra que o que sai das carrapetas do DJ não é fado, bolero ou tango, mas o bom e velho britpop dos eighties, para ser específico 'Charlotte Sometimes', a canção do The Cure que sempre invadiu seus ouvidos com uma sensação arrebatadora, mas que agora é perturbadora, incômoda, labiríntica, como se tirasse os seus pés do chão, não de arrebatamento extático, mas como se fosse um ataque de labirintite, um terremoto dos sentidos, um impacto profundo no ouvido interno, um soco na cara da realidade que quase faz com que seus olhos saltem de tão arregalados para tentar ver além do véu de Maya que embaça tudo à sua frente, e enquanto isso ele anda por entre as pessoas no ambiente apertado e sufocante."

(páginas 2 e 3 - este conto já foi resenhado no blog, leia clicando aqui)


Este post é válido para o Top Comentarista participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen



7 comentários:

  1. Joana, foi muito legal você nos trazer mais um pouquinho sobre o livro que resenhou aqui no blog. Desde a resenha, senti uma enorme vontade de conhecer mais sobre a história e agora, lendo um trecho do livro, tenho a certeza de que ele estará em minha lista de leituras.
    Bjos!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom saber um tiquinho mais dessa leitura, ficamos aqui cada vez mais empolgadas e com vontade de ler...

    ResponderExcluir
  3. Esse trecho me deixou com aquele gostinho de quero mais. Pelo pouco que li, o conto é mesmo muito bom.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Joana, tudo bem?
    Depois de ter lido a resenha, ainda estou me decidindo se me arrisco a ler o livro ou não.
    Beijokas
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  5. Joana!
    Tenho lido os contos da Draco também e gostado muito deles.
    Esse quote transmite a esência do conto, muito bom.
    “Preferi sempre a loucura das paixões à sabedoria da indiferença.” (Anatole France)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
  6. Oi Joana,
    Lendo só um trecho do conto fica difícil entender o que esta acontecendo, mas analisando melhor tem um mistério a respeito do momento em que o personagem está vivendo, fiquei na dúvida se é real ou não. Mas mais uma vez vou ressaltar a eficiência do autor em descrever sensações, isso ajuda muito na interação do leitor com a obra.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Joana!!
    Adorei ler um pouquinho desse conto!! Fiquei muito interessada em ler mais do conto!!
    Beijoss

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!