Perfil

De tanto ouvir o que Renato Russo dizia, deixei as janelas abertas e meu equilíbrio foi embora: virei poeta. E por isso, poetizo tudo aqui dentro da minha cabeça, horas, pessoas, eventos... assim tudo fica mais fácil de viver. 
Se depois do começo tudo que vem começa a ser o fim, vou recomeçar a cada dia, de novo, e sempre que for necessário, para que a poesia nunca tenha fim.


Além de falar sobre literatura aqui, também sou resenhista no blog Pronto, Usei! onde apareço toda quinta-feira. 

Mantenho um blog com minhas poesias, o Milonga,  e outro onde, eventualmente, publico textos e opiniões que não se encaixam nos outros espaços. Me visitem no Ideias absurdas.

Tenho diversos textos publicados em antologias, como na que foi organizada pela Maitê Proença, "É duro ser cabra na Etiópia", e em algumas edições de coletâneas da CBJE, Câmara Brasileira de Jovens Escritores:






A Rafaela é espontânea e autêntica. Muito determinada, sabe bem o que quer da vida, e faz de tudo para conquistar seus objetivos. Responsável pelo blog Minha versão das coisas,  publica lá seus textos encantadores. Sua escritora favorita é Thalita Rebouças, mas ela folheia até Martha Medeiros e gosta de não esquecer gente, por isso, até Cora Coralina lhe arranca aplausos. Dando seus primeiros passos na carreira literária, ela ganhou em 2015 o concurso literário de seu colégio e deu autógrafo até para o prefeito da cidade. Se fosse uma figura de linguagem, Rafa seria a hipérbole, porque gosta de ser exagerada quando o assunto é inventar, e com ela, um ponto vira logo reticências.






João Oliveira, o pensador, o articulador, o primeiro de seu nome e... um viajante. Para ele basta uma ideia na cabeça para fazer acontecer e ser feliz. Colecionador de HQs e torcedor do Chicago Bears, já escreveu sobre a NBA no site NBATime Brasil e foi o idealizador de um blog especializado em futebol, projetos que estão pausados enquanto ele faz seu intercâmbio. Sua veia de escritor ficou evidente quando transformou seu TCC no emocionante livro "Desilusões de um sonho dourado", onde narrou as desventuras vividas por seu pai e seus tios no garimpo de Serra Pelada na década de 80.