quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Divergente - Resenha, por Heitor Oliveira


"Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções - Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição - e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. Ela deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem realmente é, e acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a si mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive."

O livro se passa em uma Chicago do futuro em que a sociedade, depois de passar por inúmeras guerras, se dividiu em facções que procuram erradicar qualidades que acreditavam ser as culpadas pela desordem do mundo. São elas:



-Abnegação: culpam o egoísmo. São altruístas e sempre se preocupam com o bem dos outros. Todos usam roupas cinza, têm o mesmo corte de cabelo, moram em casas idênticas, e costumam atuar em trabalhos voltados à comunidade ou administrativos;

-Amizade: culpam a agressividade. São pacíficos, alegres, bondosos e neutros. Geralmente se vestem de vermelho ou amarelo e seu trabalho é conseguir alimentos e trabalhar com as artes;

-Audácia: culpam a covardia. Bravos e destemidos, vestem-se sempre de preto e têm tatuagens e piercings pelo corpo. Cuidam da proteção da cidade contra perigos externos e internos;

-Erudição: culpam a ignorância. Sábios e curiosos, chegam a ser até um pouco metidos por causa de sua grande inteligência. Costumam usar roupas azuis e cuidas das aulas, dos livros e da tecnologia da cidade;

-Franqueza: culpam a duplicidade. São muito sinceros e imparciais, porém, confiantes. Usam roupas em preto e branco e de dedicam mais ao trabalho administrativo.

Nesse modelo de sociedade, quando um adolescente faz 16 anos, ele tem que escolher uma facção para fazer parte e, para conseguir isso, tem que enfrentar um teste de iniciação. Esses testes avaliam suas habilidades e determinam para que facção ela vai seguir - essa pode ser a mesma em que foi criado ou qualquer outra - e aqueles que não obtêm sucesso nos testes são considerados "sem facção" e têm uma vida muito difícil.

Notei que algumas distopias têm algo em comum: a idade de 16 anos. Na série "Feios", por exemplo, essa é a época em que os jovens passam pela cirurgia que os torna perfeitos (leia a resenha aqui), e também é a idade em que Katniss é selecionada para participar dos Jogos Vorazes.

Aliás, "Divergente" é muito comparado com a série "Jogos Vorazes", devido ao seu estilo de narrativa, feito em primeira pessoa - como se os personagens estivessem comentando o momento em suas cabeças - a trama criada em torno das facções e os testes de iniciação a que os jovens são submetidos, muitas vezes bem crueis.

A estória aqui gira em torno de Beatrice Prior, que nasceu na Abnegação, e todo o processo que ela enfrenta ao tentar escolher sua própria facção.

Assim como "Jogos Vorazes", "Divergente" também vai ganhar adaptação para os cinemas, com estreia marcada para março de 2014. A atriz escolhida para viver Beatrice foi Shailene Woodley, que também estará em outra adaptação, "A culpa é das estrelas", de John Green.



Não li "Jogos Vorazes", por isso não posso comparar as duas séries, mas na minha opinião, "Divergente" é muito bom. Sinceramente, quem gosta do gênero distopia vai adorar, e, quem ainda não está acostumado com esse tipo de estória, pode começar a se interessar com esse livro, que tem uma narrativa bem simples, facilitando a leitura. Ele foca na vida dos adolescentes, com todas as dificuldades físicas e psicológicas que eles enfrentam, e a autora aproveitou esses dramas para construir seus personagens de forma que eles consigam atingir principalmente o público jovem.

Divergente
Veronica Roth
editora Rocco
502 páginas
Nota: 4,5
Nota no Skoob: 4,6
Onde comprar: Submarino e Saraiva

PS.: Leitores, essa é a resenha de estreia do Heitor por aqui, leiam e comentem para que ele possa voltar mais vezes ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!