quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Joyland [Resenha]


"O universitário Devin Jones começa um trabalho temporário no parque Joyland, esperando esquecer a namorada que partiu seu coração. Mas é outra garota que acaba mudando seu mundo para sempre: a vítima de um serial killer. Linda Gray foi morta no parque há anos, e diz a lenda que seu espírito ainda assombra o trem fantasma. Não demora para que Devin embarque em sua própria investigação, tentando juntar as pontas soltas do caso. O assassino ainda está à solta, mas o espírito de Linda precisa ser libertado - e para isso Dev conta com a ajuda de Mike, um menino com um dom especial e uma doença grave. O destino de uma criança e a realidade sombria da vida vêm à tona neste eletrizante mistério sobre amar e perder, sobre crescer e envelhecer - e sobre aqueles que sequer tiveram a chande de passar por essas experiências porque a morte lhes chegou cedo demais."

Essa é uma estória bem simples, mas muito bem construída e cheia de sentimentos. Senti medo em diversos momentos, mas fiquei esperando pelo susto, que não veio. King fala bastante sobre um fantasma, mas o foco da narrativa, com certeza, está nos vivos.

O jovem Devin Jones aproveita as férias de verão para trabalhar no parque de diversões Joyland e juntar algum dinheiro, além de tentar ocupar sua cabeça para não pensar nem sofrer pela namorada que o abandonou. Logo de cara ele se dá muito bem no trabalho, e os funcionários mais antigos do parque gostam bastante dele.  Tudo parecia normal até Devin descobrir que, há alguns anos, uma garota foi assassinada dentro do trem fantasma, e que seu espírito está por lá até hoje. Então, ver esse fantasma e descobrir a verdade sobre a morte de Linda Gray passa a ser um dos objetivos de Devin, junto com seus amigos Tom e Erin.

Ao caminhar de casa para o trabalho, diariamente, Devin vê um garoto numa cadeira de rodas, ao lado de sua mãe e um cachorro. Aos poucos, eles vão construindo uma amizade, e a história de vida de Mike e sua mãe transforma Devin numa pessoa melhor. O que ele não imagina é que Mike o ajudará a decifrar o mistério da morte de Linda Gray.

Quando eu disse que o foco da estória é nos vivos, estava me referindo a essa relação entre Devin e Mike. O menino tem um tipo de clarividência, e é portador de uma doença degenerativa, por isso, sabe que vai morrer em breve, mas quer aproveitar a vida ao máximo, e estar perto de Devin, compartilhar com ele seus desejos, ajuda a estreitar os laços com a própria mãe e amenizar um pouquinho a dor que ela sente por ver o filho naquela situação. Parece triste, e na verdade é um pouco, mas se o leitor souber interpretar o sofrimento de Mike como um mal necessário para ensinar a algumas pessoas o valor da vida, tudo ficará mais ameno. Essa foi, provavelmente, a intenção do autor.

O mistério da menina do trem fantasma é solucionado com a ajuda de Erin, e acaba colocando Devin em risco. O assassino de Linda finalmente aparece, mas quer matar Dev, e esse é o momento mais tenso do livro. A cada capítulo eu esperava que o espírito de Linda Gray iria aparecer para Devin ou assustar alguém de uma forma tão sinistra que eu nem conseguiria dormir, mas acontece algo pior que isso: a expectativa de ver o fantasma dá mais medo do que a aparição em si.

Nem tudo são flores nesse final, mas achei muito bem construído e bastante satisfatório. O livro não é tão macabro quanto outros de King, mas o terror psicológico deixa a marca do autor na estória. A ansiedade e a apreensão dominam a leitura e a falta de sustos de tirar o fôlego podem ter decepcionado alguns fãs do autor, mas eu gostei bastante da sensação de medo que o livro me deu.

Com um enredo bem elaborado e personagens marcantes, Joyland pode agradar a quem ainda não conhece o estilo de Stephen King, e ser a porta de entrada para outros livros mais pesados. O suspense está presente durante toda a narrativa, e não dá para saber que rumo a estória vai tomar, nem tampouco imaginar quem foi o responsável pela morte da menina no trem fantasma. Prova de que King é capaz de criar uma estória leve e pesada ao mesmo tempo, carregada de mistério e repleta de humanidade.


Joyland
Stephen King
editora Suma de Letras
240 páginas
nota do Skoob: 4.3
nota do blog: 4.0



Este post é válido para o Top Comentarista, participe!


Joana Masen, quando não está resenhando, pintando e bordando por aqui, está escrevendo poesia no blog Milonga.
Twitter: @joana_masen

10 comentários:

  1. Joana!
    Estou com esse livro aqui para leitura.
    E por um lado achei até bom saber que é mais um thrillers psicológico do que de terror, porque podemos conhecer uma outra faceta do autor.
    “Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.”(Antoine de Saint-Exupéry)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participem do nosso Top Comentarista, serão 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Joana!
    Eu sempre gosto de tudo o que o Stephen King escreve, seja aqueles aterrorizantes ou os mais leves, como alguns de fantasia.
    Gostei bastante da premissa desse, mas já tem tantos outros dele que quero ler que nem me arrisco mais a dizer que vou por na minha lista de desejados!
    =D

    http://osdragoesdefogo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Heey!
    Acredita que essa é minha leitura atual?! Estou louco para saber mais sobre Linda Gray e Mike Ross, sua resenha me deixou com mais vontade ainda de terminar a leitura =)
    Abraços!
    Blog - Desbravando o Infinito

    ResponderExcluir
  5. Tinha visto algumas meninas na Bienal usando a roupa da menina da capa para a publicidade, mas acabei nem olhando sobre o que se tratava o livro. Achei incrível e já estou com vontade de ler!

    Beijos, Jessica
    http://ohamoramia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Jo,
    Sou tão medrosa que não li nada do King O.o
    Mesmo esse livro não sendo tão macabro tenho receio de lê-lo.
    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
  7. Eu ainda nao li nenhum livro do King, mas sei que a legiao cresce a cada dia.
    Como sou medrosa, fico com o pé atrás, mas como vc mesmo disse, o susto nao tem no livro e mta gente recomendou que começasse a ler por esse, pq nao da medo.
    Eu me interessei mto pela sinopse qdo li na estreia e agora com a resenha fiquei ainda mais curiosa. Bom saber que o livro é muito bem construído e bastante satisfatório. Acho que nao vou me decepcionar.
    Com certeza vou começar por esse livro, adoro um suspense e esse por sem mais light acho que é um bom incio.
    Beijos

    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Com certeza esse será o próximo livro de Stephen King que irei ler ! Adorei seus comentários que ia me contando ao longo de sua leitura. Não acredito ainda que ficou com medo de algumas coisas que aconteceram na estória, mas enfim né..só lendo pra ver se fico com medo tbm, rsrsrs :)

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Nunca li um livro do Stephen King sempre vejo as pessoas elogiarem muito seus livros, mas ainda não tive oportunidade de ler algo dele e Joyland parece ser um livro legal com uma ótima historia e bem escrito mas, mas não é o tipo de historia que gosto de ler !!

    ResponderExcluir
  10. Eu fico em êxtase quando vejo que está sendo resenhado algum livro que tenho na minha estante, comprei o livro com a pretensão de ler algum livro do autor,já que até o momento ainda não tinha lido, porém tive que deixar o livro de lado um pouco para ler os livros "obrigatórios" que recebo de parcerias, mas vou encaixá-lo esse mês de outubro!

    ResponderExcluir

Olá! Que bom ter você por aqui!
Fico feliz em receber seu comentário, crítica ou sugestão. Pode falar a vontade, esse espaço é seu. Acompanhe a resposta ao seu comentário clicando em "Notifique-me".
Obrigada pela visita!